14 de junho de 2019

"O DIABO FEITO GENTE"

Na postagem anterior BRANCOS contra BRANCOS o autor do artigo diz logo no começo: "A imprensa e políticos ocidentais demonizaram Putin, Maduro, Irã, e Trump  na mesma extensão que os patrióticos historiadores da corte propagandística fizeram com Adolf Hitler." E um leitor em seu comentário rebate: "Comparar a "demonização" de Trump e Putin com a de Hitler é piada ... rs Nem somados!"
Realmente, o que se fez com Adolf Hitler, nem com o demônio foi feito. Em pesquisa de opinião mundial  certamente ampla maioria diria que Hitler foi um  escabroso mau caráter, responsável  por tudo o que de ruim aconteceu de 1933 para cá, principalmente pela Segunda Guerra Mundial e pelo pavoroso, incrivel genocídio de judeus. Teve êxito indiscutível o exército de milhões de detratores que foram mobilizados para construir tal fama em torno de um nome.
Há quem busca corrigir esta injustiça que se pratica contra uma personalidade de estatura moral e ética incomum e que só buscou o bem do seu povo. Com  tal objetivo alguns excertos de citações de figuras internacionais do seu tempo e que não podem ser alinhadas propriamente como que tivessem sido seus seguidores.

DAVID LLOYD GEORGE  -   1936
Acabei de voltar de uma visita à Alemanha. Agora vi o famoso líder alemão e também algumas das grandes mudanças que ele ocasionou. O que quer que se possa pensar de seus métodos - e eles certamente não são as de um país parlamentarista - não pode haver dúvida de que ele conseguiu uma mudança maravilhosa no espírito do povo, na atitude de pessoas que de uns com os outros e em suas perspectivas sociais e econômicas.
Ele fez valer com razão em Nuremberg , que em quatro anos, seu movimento criara uma nova Alemanha. Não é a Alemanha das primeiras décadas do pós-guerra - quebrada, desencorajada e subalterna, com um sentimento de preocupação e provação. Agora está cheia de esperança e confiança, e um senso renovado de determinação de levar uma vida sem qualquer interferência de qualquer força de fora de suas próprias fronteiras.
Pela primeira vez desde a guerra, há uma sensação geral de segurança. As pessoas são mais alegres. Em todo o país, prevalece um maior sentimento de contentamento mental geral. É uma Alemanha mais feliz. Eu vi isto em toda parte, e os ingleses, que encontrei durante minha viagem e que conheciam bem a Alemanha, estavam muito impressionados com a mudança.
Um homem realizou este milagre. Ele é um líder humano nato. Uma personalidade com magnetismo e dinâmica com um propósito inarredável, uma vontade determinada e um coração destemido.

Ele não é apenas nominado, mas na verdade é o líder nacional. Ele o tornou o povo  a salvo dos potenciais inimigos que o rodeavam. Ele também o protege contra o medo constante da fome, que é uma das memórias mais opressivas dos últimos anos da guerra e dos primeiros anos de paz. Mais de 700.000 pessoas morreram de fome naqueles anos sombrios. Ainda é possível ver os efeitos na aparência  daqueles que nasceram naquele mundo escuro.
O fato de que Hitler salvou seu país do temor de uma repetição daquele período de desespero, miséria e humilhação, proporcionou-lhe autoridade inquestionável na Alemanha de hoje. Não pode haver dúvidas sobre sua popularidade, especialmente junto à juventude alemã. Os velhos confiam nele; os jovens o idolatram. Não é aquele tipo de admiração que um líder popular recebe. É a adoração de um herói nacional, que salvou seu país do desespero e da degradação.
Ele é tão imune à crítica quanto um rei em uma monarquia. Ele é mais. Ele é o George Washington da Alemanha - um homem que conquistou a independência de seu país de todos os seus opressores. Para aqueles que não viram e sentiram por si mesmos como Hitler domina o coração e pensamento na Alemanha, essa descrição pode parecer extravagante. No entanto, ela é a pura verdade. Este grande povo trabalhará melhor, fará mais sacrifícios e, se necessário, lutará com maior determinação, porque Hitler o conclama. Quem não conseguir entender esse fato central não poderá julgar as capacidades atuais da Alemanha moderna.
Durante a guerra Hitler lutou como um simples soldado  e sabe por experiência própria o que ela significa. Ele sabe também que as chances de um agressor hoje são ainda menores do que naquele momento.

(David Lloyd George - de 1916-1922 primeiro-ministro da Inglaterra, trechos de "Falei com Hitler", em Daily Express, Londres, 17 de novembro de 1936)

WINSTON CHURCHILL  -   1937
Enquanto se consumavam todas aquelas terriveis transformações na Europa, o cabo Hitler conquistava em paciente luta o coração alemão. Quinze anos após ter tomado a decisão de rehabilitar a Alemanha, ele conseguiu colocar a Alemanha na mais poderosa posição da Europa e não só restaurou essa posição do país como transformou  em elevados termos as consequências  da grande guerra no seu oposto. O que quer que se pense sobre este grande feito, ele com certeza pertence aos mais notáveis da História mundial.

WINSTON CHURCHILL  -  1938
Se acontecer que em algum tempo a Inglaterra  se encontre em condições tão deploráveis como a Alemanha após a Guerra Mundial,  eu desejaria ao país um homem como Hitler.
(Winston Churchill  -  Primeiro Ministro do Reino Unido na II GM)

SEFTON DELMER  -  1961
Diga-se hoje o que quizer, mas em 1936 a Alemanha era um país florescente, feliz. Seu semblante era o de uma mulher apaixonada. E os alemães estavam apaixonados  -  apaixonados por Hitler... E tinham todos os motivos para serem agradecidos. Hitler derrotou o desemprego e lhes trouxe um novo florir econômico. Ele proporcionou aos alemães uma nova consciência da sua força nacional e de sua missão nacional.
(Sefton Delmer  -   Foi o chefe da Propaganda britânica durante a II Guerra - Texto do seu livro "Os Alemães e Eu" -pág.288) 

HARRY ELMER BARNES - 1962

O ponto decisivo aqui é que Hitler, ao contrário de Churchill, Roosevelt e Stalin em 1939, não queria uma guerra generalizada.
(H.E.Barnes - historiador - em seu livro "Blasting of the historical Blackout" Oxnard, Califórnia)

SIR HARTLEY SHAWCROSS  1984
Hitler e o povo alemão não queriam a guerra. Nós não respondemos a várias imprecações de Hitler por paz. Agora temos que constatar que ele tinha razão. Em lugar da cooperação que ele nos oferecera, aí está a gigantesca potência dos soviéticos. Eu me sinto envergonhado ao ter que ver agora, que os mesmos propósitos que atribuíramos a Hitler, vem sendo perseguidos sob outro nome.
(Sir Hartley Shawcross - Promotor-Chefe britânico  no Tribunal de Nuremberga - discurso, em 16 ou 13 de março de 1984 em Stourbridge)

Aquele leitor do post anterior tem razão em seu comentário... 

7 de junho de 2019

BRANCOS contra BRANCOS

White Peoples and Their Achievements Are Headed for the Trash Bin of History
Blog  Paul Craig Roberts   -   28/5/2019    -  IPE- Institute for Political Economy    
Republicação autorizada

GENTE BRANCA E SEUS FEITOS DESTINADOS À LATA DE LIXO DA HISTÓRIA

O mundo ocidental está se desintegrando de forma tão rápida que receio sobreviver.

A imprensa e políticos ocidentais demonizaram Putin, Maduro, Irã, e Trump  na mesma extensão que os patrióticos historiadores da corte propagandística fizeram com Adolf Hitler.  Mas ninguém é tão demonizado quanto a gente branca, e o curioso é que são brancos os que incriminam brancos.

Seria até compreensível que gente das antigas colônias britânicas e francesas na África, ou no  Oriente Médio, Índia, ou ainda das colônias de Washington nas Filipinas  e dos seus estados fantoches latinos, tenham ressentimentos para com os brancos. Agora, por que a New York Times, CNN, NPR, professores brancos do sistema universitário, das equipes escolares, políticos brancos, tais como Macron da França e Jean-Claude Junker da União Europeia, Merkel da Alemanha e um grande sortimento de políticos britânicos e escandinavos estão injuriando os brancos? Na Escandinávia uma mulher loura, que acusou ter sido estuprada na terceira onda de "migrantes" muniais - convidados ao país por políticos escandinavos aloprados -  foi demitida como racista. Pessoas da Escandinávia me contaram que está ficando difícil denunciar qualquer crime de migrantes, porque a informação chega a ser considerada crime de ódio.

Por que se  contam mentiras (fakes) para gerar esse ódio aos brancos? Não faz tempo eu escrevi (1) aqui sobre um homem branco que afirmou no Counterpunch que Robert E.Lee possuia 200 escravos e se divertia abusando deles. Eu demonstrei que Lee passou sua vida, até a secessão da Virginia, como oficial das forças armadas americanas, combatendo o México e os "índios" nativos.  Ele nunca foi dono de 200 escravos, nem de plantação. Ele foi um oficial das forças armadas tão altamente considerado por Washington, que a ele foi oferecido o comando da União, quando, a fim de preservar o domínio, o Norte decidiu ivadir o Sul. (1)

A história falsa sobre Lee é só um exemplo. Eu usei porque demonstra quão escandalosas são as mentiras que agora já fazem parte da "história" americana. Apesar de não se apoiarem em qualquer fato real, mesmo assim conseguem aparecer em livros de história.

A Diversidade evita o fato de que os capitães britânicos dos barcos que traziam escravos africanos para as suas colônias, que depois seriam os Estados Unidos, compravam esses cativos do rei negro de Dahomey (reinados na costa oeste da África -  nota do tradutor), que era quem os caçava em guerras contra outras tribos negras. É falsa informação de que o povo branco odiava os negros, decidindo capturá-los na África e fazê-los escravos, para poder bater e abusar deles.

Assim, como é que diversidade e multiculturalismo pretendem criar uma sociedade sadia quando educação e entretenimento vêm ensinando que gente branca é racista?

Quando brancos respondem às acusações que recebem, isso é considerado prova de que são racistas, que não querem reconhecer seus pecados e mostrar seu arrependimento através generosas reparações  e automutilação.

Diversidade adquiriu tamanha importância que, para atendê-la, grandes universidades decidiram se degradar. A Universidade de Oxford, a mais famosa do mundo, decidiu baixar seus padrões a fim de fomentar a diversidade. Durante os próximos quatro anos vai rejeitar 25% dos candidatos melhor classificados, para dar lugar a candidatos não aprovados em função de parâmetros que causam "desigualdade". (2)

Adeus à reputação que tinha uma educação Oxford. A outrora prestigiada graduação está ficando a nível de um colégio de comunidade. Que os céus não permitam que a igualdade não seja respeitada. Muitos pais desperdiçaram seus sacrifícios e seu dinheiro, mandando seus filhos cursar escolas particulares, para prepará-los para a Oxford. Pois memso que se quafiquem, será irrelevante para 25% deles em respeito à diversidade. Quanto menor a nota, tanto mais diverso e mais favorecido a gente é.
Assim como nos Estados Unidos também em toda a Inglaterra, ou UK, como agora é chamada, as universidades estão sendo degradadas. Como a Oxford, a universidade de Nottingham rebaixou-se. O departamento de filosofia dessa universidade, por exemplo, era muito afamado e tinha um significado especial para os graduafos especializados na matéria. Mas a “diversidade” interveio e a erudição levou a pior. Os professores com um sólido histórico de pesquisa foram descartados e a diversidade não qualificada foi empregada em seu lugar. Consequentemente a universidade perdeu a categoria do seu Ph.D. Isso prejudicou os graduados que gastaram dinheiro e anos de sua vida para conquistar diplomas, cujo valor a administração corrupta da universidade jogou fora para agradar a "diversidade".

Longe de desfrutarem de supremacia, aos homens brancos é negada a igualdade. Eles são discriminados em admissões universitárias e emprego. A liberdade de expressão lhes é negada. Segundo esposas  de militares, os homens brancos estão sendo privados de promoções, enquanto se busca o equilíbrio da diversidade. O Google exclui brancos por constatarem fatos básicos. Garotos de escola brancos estão sendo intimidados e feminilizados. A acusação de supremacia branca está sendo usada para empurrar pessoas brancas para a parte de trás do ônibus. Enquanto sentam lá e chupam dedos, vai crescendo o número de brancos que perde suas condições de existência.

(1)https://www.paulcraigroberts.org/2019/04/08/identity-politics-smears-robert-e-lee/

(2)https://www.theweek.co.uk/101342/how-oxford-university-s-sea-change-in-admissions-will-work?_mout=1&utm_campaign=theweekdaily_newsletterutm_
medium=email&utm_source=newsletter

31 de maio de 2019

MANIFESTAÇÕES DE PROTESTO


Os tempos estão para manifestações de rua. Nesta semana o ordem foi protestar contra falta de dinheiro, ou melhor, contra a necessidade do país de fazer economia. Precisamente na área da EDUCAÇÃO! As manifestações em todo o Brasil foram muito concorridas, mas não creio que a maioria estivesse preocupada com algum prejuizo na aproveitamento intelectual. Afinal o velho grego Sócrates reunia seus alunos até mesmo na rua. Não, não deve ser um público difícil de mobilizar num dia de semana, para participar de um acontecimento divertido, pular e gritar à votade.

Por outro lado eu soube de um menino, estudante de direito, que não deve ter participado. Fora obrigado a trancar a matrícula, porque perdeu o emprego e não teve mais condições de pagar a mensalidade. Vem aí a reforma da Previdência Social. Muita gente vai perder alguma coisa e não vai resolver ir para a rua e manifestar o seu protesto. Existe um aforisma em alemão que diz mais ou menos “onde nada há, o Kaiser perde seus direitos”. É mais que justo que se proteste contra injustiças, mas uma nova greve, como a de maio do ano passado, seria catastrófica.

Já as manifestações em massa que estão acontecendo no “primeiro mundo”, coordenadas, com todo apoio logistico, incentivadas pelos veículos de comunicação,  são induzidas de cima para baixo.Também estão contando com a mobilização maciça de estudantes (imagem acima) protestando contra a DESTRUIÇÃO DO SEU MUNDO DE AMANHÃ.

É que os salvadores do clima voltaram ao palco com todo o ímpeto, utilizando-se da velha metodologia de espalhar medo para movimentar dinheiro. Temos aí as Nações Unidas outra vez em ação. O seu >IPCC Intergovernmental  Panel on Climate Change< rides again. Foi Nigel Calder, famoso escritor de ciências, recentemente falecido,quem disse: “Vocês devem saber que o IPCC foi criado (1988) precisamente para provar que o ser humano está agredindo o clima.” 

Tal prova, no sentido lato da palavra, é difícil, pois nem mesmo é possível determinar uma temperatura média para o globo terrestre. Se não existe, pode ser fabricada. Para que existem os meios de comunicação social, senão para formar a opinião pública? Estava à mão o CO2 (dióxido de carbono) sem o qual, na verdade, não haveria VIDA no planeta. Talvez tenha sido escolhido por ser um agente através do qual possa mais facilmente ser atingido o meio produtivo  da sociedade.

Os mesmos cientistas, que hoje prognosticam o aquecimento global, diziam na década de 70 que o mundo iria enfrentar uma nova Era do Gelo. Também constava da ordem do dia uma tal “CHUVA ÁCIDA”, que estaria exterminando as florestas da Alemanha. Hoje a Alemanha exporta madeira como nunca. E os ecologistas de plantão deitavam e rolavam no “BURACO DE OZÔNIO” e os produtos para cuidados da pele começaram a ter como ingrediente um Protetor Solar. Inicialmente foi de Fator 2, evoluindo para hoje algo em torno de Fator 170.

Certamente é salutar se interessar e participar dos desígnios e das ações da comunidade, mas não custa manter uma certa objetividade para evitar seguir a manipulações interesseiras.

21 de maio de 2019

GUERRA DE EXTERMÍNIO

Ela não terminou em maio de 1945. Ali só um lado foi obrigado a depositar as armas. Não se firmou a paz. Não existe Tratado de Paz. É seguramente a guerra mais longa que já aconteceu neste planeta. A História conta que até agora guerras entre nações sempre terminaram com ganhador e perdedor ou até porque chegaram a um acordo, mas sempre a paz era selada por escrito e as nações continuaram.

Desde 1945 a nação alemã, o Deutsches Reich, não mais existe. Não considerando a extensão territorial do Terceiro Reich, criado com a Áustria e Sudetos, e apenas levando em conta o antigo reino monárquico de 1871, seus inimigos desagregaram 184 mil km2, correspondentes a 33% do  territorio que ocupava. 

Remanesceu no lugar uma espécie de empresa, tipo sociedade anônima, só para dar um lugar para o que restou daquele povo desgraçado, condenado. Chamaram a empresa de RFA, que de República não tem nada. Permanece ocupada por forças inimigas até os dias de hoje. Os meios de comunicação, formadores da opinião pública, são licenciados. A organização política desta RFA não admite  oposição. Quando ameaça se formar, é logo infiltrada e neutralizada. Entre os seus políticos há os que abertamente se pronunciam pela erradicação da Alemanha.

Utilizando uma não existente falta de mão de obra como pretexto, logo depois do cessar fogo começaram a importar famílias inteiras de outras etnias, principalmente da Turquia, das quais muitos membros ou descendentes hoje ocupam postos na política e na administração pública.

Finalmente em 2015 chegou a hora de tirar a máscara. Começou-se a colocar em prática os planos de há muito elaborados e até já levados a público, como por exemplo em 1941 através do livro “GERMANY MUST PERRISH” de Theodore Kaufman, presidente da American Federation of Peace e conselheiro de Franklin Delano Roosevelt. “A guerra atual não é uma guerra contra Adolf Hitler. Tampouco uma guerra contra os Nazis. É uma guerra de povos contra povos. Só existe uma punição total. A Alemanha deve ser eliminada para sempre!” Louis Nizer, membro da loja B'nai B'rith editou na época um livro WHAT TO DO WITH GERMANY? do qual Eisenhower mandou distribuir 100 mil exemplares às suas tropas. Nizer responde: 1.Extermínio, 2.Criação Seletiva, 3.Divisão Política, 4.Desterro. - Mencione-se ainda o Plano Morgenthau, aprovado por Roosevelt e Churchill, tudo deixando bem claro que já existe a ideia de acabar com o povo alemão há muito tempo. Há motivo para acreditar que a Primeira Guerra Mundial já visasse este objetivo.

Mas não é só, já em 2001 a Divisão de Populações (UN Population Division) da ONU – Organização das Nações Unidas apresentou o relatório “Replacement Migration” (ST/ESA/SER A./206), que considera necessário abrir a Alemanha ao ingresso de 11,4 milhões de migrantes, mesmo que isso provoque tensões sociais no país.

Então em meados de 2015 a chanceler da RFA, Angela Merkel, judia, criada e formada políticamente nas hostes comunistas da ex-Alemanha Oriental , desrespeitou a legislação da União Europeia e abriu as fronteiras para milhões de assim-chamados “fugitivos” africanos e árabes, que já estavam à espera. A invasão continua, agora legalizada pelo Pacto Migratório de Marraqueche, assinado ano passado por cerca de 150 países.

É de se esperar que venha a provocar tensões sociais? Não são apenas culturas, costumes diferentes. Há o problema da religião que apresenta diferenças radicais. O presidente da Turquia Recep Erdogan já mandou recado para os seus: Façam cinco filhos em vez de três. 

Haverá reação da população original? Talvez de uma ou outra nação, mas não acredito que a alemã possa se rebelar. Vem se mostrando passiva, está desarmada. Suas forças armadas desleixadas. Mas, milagres acontecem.

8 de maio de 2019

O HOMEM APÁTICO

Acho que já houve tempos em que o homem se sentia mais responsável, reagia mais, era mais presente, participava mais. Verdade que a educação era diferente, o social mudou. Essa falta de interesse, ou indiferença, também podem ter sido provocados. Primeiro nos ensinaram a ser tolerantes. Passou a ser mais difícil ter uma opinião. Fato é que hoje prevalece uma atitude do “deixe-me em paz”, que não pode ser considerada propriamente benéfica para o  desenvolvimento humano. Para ilustrar o que quero dizer, cito um pequeno exemplo.

Falei dia destes com um cidadão que vive na Alemanha. Estava em visita ao Brasil. Procurei saber um pouco do pensamento da população de lá sobre a situação em geral, seja econômica, seja social, mas sem induzir diretamente ao tema. Pois ouvi que estava tudo bem, só a economia deixava um tanto a desejar, porque os americanos estavam prejudicando a indústria automobilística alemã, para que eles possam vender mais carros. E nada mais disse, nem lhe foi perguntado. Política, migração, concorrência religiosa, falta de liberdade de expressão, criminalidade, nada disso chegou à baila. É o pensamento de pessoa que vive lá e não há motivo para não acreditar que represente a opinião pública.

Enquanto isto Lara Trump, nora do presidente americano Donald Trump, ligada à política internacional e por dentro do que acontece, em entrevista à FOX News criticou a política migratória da Alemanha. Disse que essa política da chanceler Merkel provocou a derrocada da Alemanha. Aliás o seu sogro já acusara Merkel em várias ocasiões de ter arruinado o seu país. Lara Trump complementa: “Foi a pior coisa que aconteceu à Alemanha em todos os tempos.”

A população, aparentemente, não vê assim tal política da sua chefe de Estado, ou não quer ver? Letargia ou desinteresse?

MUNDO AFORA NÃO É DIFERENTE
Outro exemplo. Quase todos que estão lendo estas “mal traçadas linhas” nasceram como CRISTÃOS. Mas ninguém dá um basta neste Papa falsificado, que há anos vem se empenhando em desacreditar e arruinar a igreja que preside. Foi para isto que destituiu seu antecessor? Houve agora um manifesto de 14 bispos, se não me engano, chamando o de herege. E seus coleguinhas evangélicos? Parece que esqueceram porque nossa era começa com o ano ZERO e também o que aconteceu no ano 30, bem como o seu porquê. E mais, onde está a solidariedade aos cristãos do Sri Lanka. Quando foi para ter compaixão com os muçulmanos de Christchurch todo mundo disse presente. Até o Príncipe William, Duque de Cambridge, foi lá pessoalmente, porém os cristãos de Sri Lanka, sua antiga colônia, não mereceram sua atenção. Tampouco os milhares de atentados, que igrejas cristãs estão sofrendo na Europa, chegam a sensibilizar a opinião pública. Não é de se perguntar o que é que está acontecendo, será que todo mundo virou ateu?

NOVA ORDEM EM AÇÃO
Através de recente debate televisivo fiquei sabendo que não foi só no Brasil que há pouco tempo houve uma reforma trabalhista. Aconteceu em vários países e nenhuma delas acabou beneficiando o trabalhador. Todas contribuíram para aumentar a distância entre os bem e os mal remunerados. Ao ser legalizado o meio expediente já era de se esperar uma queda de salários. Contribuiu para agravar o encolhimento do mercado de trabalho, que já vinha sofrendo com o desenvolvimento tecnológico, internet etc. Estes “aplicativos” que pululam por aí são pregos que ajudam a montar os esquifes para enterrar empregos. Na verdade este processo de tirar o pão da nossa boca começou quando o  movimento chamado feminismo passou a ser usado intensivamente para aumentar a oferta de mão de obra. Justo em suas origens, acabou sendo usado para reduzir salários em geral.

Já falei antes, alguém quer brincar de Deus. Da mesma forma como estão operando substituições populacionais, resolveram que a instituição FAMÍLIA estava superada, que o seu PROVEDOR era dispensável e que a GERADORA de novos indivíduos deveria ir jogar futebol. Ficaram todos meio perdidos, o que explicaria a modorra e indiferença generalizada  que hoje imperam.

30 de abril de 2019

POR QUE DESPIDOS?

Lá no final de 2010 relatei aqui neste blog e posteriormente no livro “Outra  face da NOTÍCIA” um episódio pertencente ao imediatamente pós Segunda Guerra. Ele oferece uma luz sobre todo o maquiavelismo diabólico que andou escrevendo a falsa história daquele tempo e cujas consequências se fazem sentir até os dias de hoje.
Volto a abordar aquele assunto, porque um leitor atento encontrou e acaba de me mandar esta foto que complementa de maneira bastante convincente aquela narrativa.

Foi em junho de 1945, um més após a capitulação das forças armadas alemãs. Um dos seus soldados, desmobilizado, pegara carona num trem de carga em Weimar – era o meio de viagem na época – pretendendo chegar a Erfurt. O trem parou antes de chegar ao destino e o soldado resolveu seguir a pé. Mais adiante encontrou, parado na linha paralela, outro trem de carga, destes de vagões fechados de transporte de gado. Do seu interior ouvia gemidos, choros e gritos pedindo água. Enquanto pensava no que pudesse fazer para ajudar, apareceram soldados americanos que fizeram-no correr, ameaçado com baionetas.

O declarante registrou mais tarde a ocorrência  em VHO - Vrij Historisch Onderzoek, Postbus  46, B-2600 Berchem 1, Flandres, Bélgica.

Em visita aos Estados Unidos em 1977, conheceu dois ex-oficiais americanos com os quais chegou a comentar o drama que viveu lá perto de Erfurt. Lembro aqui ao leitor, que Erfurt, Alemanha, fica a poucos quilômetros donde se situava o campo de concentração de Buchenwald. Por um destes acasos, a unidade em que os dois serviram naquela época esteve estacionada em Heidelberg e tiveram conhecimento do que aconteceu com aquele comboio de carga. Confirmaram que os vagões estavam cheios de soldados alemães, prisioneiros de guerra. Souberam que eles teriam sido contaminados com tifo e disenteria e estavam sendo levados a campos de concentração, onde serviriam, vivos ou mortos, de figurantes para os documentários sobre o holocausto que o famoso cineasta Hitchkock estava produzindo.

Sei, é realmente difícil conceber que seres humanos possam raciocinar nestes termos e praticar tamanho barbarismo. Essa foto mostra que existe gente, ou seres, que de humano talvez só tenham a aparência. A imagem ainda merece a seguinte observação que me parece importante. Recordo que nos primeiros anos pós guerra, quando a gente era confrontado com documentários do assim chamado holocausto, estranhava-se que em muitas fotos eram mostradas montanhas de cadáveres nus, despidos. Aqui se esclarece o motivo, pois é claro que os corpos não podiam ser exibidos portando uniformes alemães.

19 de abril de 2019

ESCALADA PROFANADORA

A Catedral de Notre Dame, não só um monumento da Cidade Luz, Paris, como também um símbolo maior da cristandade, abre a semana santa deste ano ardendo em fogo piramidal. Isto depois de 856 anos, desde que começou a ser erigida. Chocante espetáculo transmitido ao mundo pelas telas eletrônicas.

Imagens tristemente impressionantes, mesmo para quem não professa a religião católica e, no sentido mais amplo, a cristã. Curiosamente não pensam assim os responsáveis pelos serviços noticiosos, que logo abrandam a exposição do assunto e pouca preocupação demonstram com a possível CAUSA do incêndio. O mesmo pode se dizer das autoridades, ao que parece entraram em férias. Apenas o presidente Emmanuele Macaron se apresentou prometendo reconstrução em 5 anos, o que contribuiu para recuperar um pouco a sua popularidade. Mas não se vê ministro ou chefe de polícia anunciando uma INVESTIGAÇÃO. A boca pequena se fala sobre um acidente provocado por trabalhos de solda em obras de manutenção. Talvez os pobres operários venham se eternizar como responsáveis, igual aquele copiloto do avião da Germanwings, que teria se suicidado, derrubando o avião que dirigia em 24/3/2015. Assim vai ficar. A TV vai se esmerar em mostrar lindas vistas daquela imponente edificação gótica, que durante séculos buscou fazer com que a humanidade se sentisse mais próxima do criador.

Já ficou bem claro que determinados ocorrências devem ser silenciadas. Nisto se inclui tudo que desperte a população para a grande ameaça que paira sobre o seu futuro. Bem mais provável que acidente de obra é que este inditoso incêndio também faça parte da guerra que foi desencadeada na Europa contra tudo que simboliza o cristianismo. Seu palco principal são França e Alemanha. O Gatestone Institute de Nova Iorque apresentou, UM DIA ANTES da ocorrência em Paris, uma matéria sob o título “Igrejas Europeias: Profanações, Incêndios  - Todos os Dias”. Cita ali que em 2017 foram registrados na França 878 ataques a igrejas ou símbolos cristãos (crucifixos, figuras, estátuas), número que se elevou no ano seguinte para 1.063.

Na Alemanha é a mesma coisa. E a mídia pouco fala ou escreve sobre isto. Diz o site: “há um silêncio eloquente tanto na França quanto na Alemanha em relação ao escândalo das profanações e à origem dos perpetradores. Nem uma palavra, nem mesmo o menor indício que de alguma maneira poderia levar à suspeita sobre os migrantes… Não são os perpetradores que correm o risco de serem banidos e sim aqueles que ousam associar a profanação dos símbolos cristãos à chegada dos imigrantes. Estes são acusados de ódio, discurso de incitamento ao ódio e racismo”.

Quanto maior a concentração de muçulmanos na região, maior a ocorrência de atentados. A grande maioria dos migrantes são invasores sem a menor intenção de se integrar aos hábitos e costumes dos autóctones. São agora ainda favorecidos pelo Pacto Migratório, assinado em dezembro na África. Não pode mais haver dúvidas que tudo faz parte de um tétrico plano que alguns chamam de SUBSTITUIÇÃO POPULACIONAL, outros de GENOCÍDIO RACIAL.

Fato é que nem pelo incêndio da Catedral de Notre Dame, nem pelos milhares de atos agressivos à cultura e costumes na Europa, não há de se responsabilizar operários descuidados, ou os alienígenas árabes e africanos, mas isto sim, os desumanos, bestiais regentes, que, uns ocultos outros às escancaras, tramam, dispõem e conduzem a humanidade ao abismo. Empenhados em destruir os valores éticos e morais da sociedade, não hesitam em submetê-la até mesmo a uma desenfreada escalada sacrílega.

12 de abril de 2019

A VERDADE LIBERTA, SENHOR PRESIDENTE

O seu governo acaba de completar os primeiros 100 dias e o Jornal Nacional da Rede Globo abriu espaço, para que se fizesse um balanço do que foi realizado. Muito justo que sejam dadas satisfações ao povo que o elegeu.
Entretanto fiquei surpreendido, quando vi e ouvi o senhor pronunciar as palavras:
“Podemos perdoar o holocausto, esquecer nunca!”

Sem atinar o que o dito teria a ver com as realizações do governo, tomo a liberdade de perguntar o que o faz acreditar que o aludido evento efetivamente tenha acontecido. Sim, sei que faz parte da história contemporânea, escrita por quem se assenhorou do domínio dos meios de comunicação. Já dizia também Napoleão Bonaparte que “A Historia é um conjunto de mentiras sobre as quais se chegou a um acordo.” E George Orwell completou: “A História é escrita pelos vencedores.”

Imagino que o senhor, como os recursos de que dispõe, seja bem informado sobre o que acontece aqui e no mundo. Certamente não se impressionou com as adulações de que foi alvo durante a sua recente visita ao estado de Israel.

Louvando-me em que dissera Napoleão e outros pensadores, tomo a liberdade de afirmar que o senhor não tem o que perdoar. Não houve holocausto, nem nos anos 20 do século passado, como então afirmaram várias edições do “New York Times”, nem durante a Segunda Guerra Mundial. Não houve tal matança, tal genocídio. Não pode ter havido.
Sinto-me em condições de fazer tal afirmação, porque eu estava lá, senhor Presidente. Tenho hoje noventa anos, era portanto jovem, mas consciente do que acontecia ao meu redor. Convivi com aquele povo, hoje acusado de então ter assassinado seis milhões de seres humanos. É um povo culturalmente evoluído. Não é dado à violência. Grande parte da população brasileira é constituída por descendentes daquela etnia, mas seus nomes são raros, para não dizer inexistentes, nas nossas crônicas policiais. Não é, como dizem, um povo beligerante, como provou famoso estudo do Prof. Quincy Wright, segundo o qual nas 278 guerras entre 1480 e 1940, envolvendo países europeus, a Alemanha  (incluindo Prússia) marcou presença com 8%, ficando em penúltimo lugar a frente da Dinamarca.
Tenho me preocupado com o assunto durante os últimos vinte anos e venho colocando minhas conclusões em público. A criação do conceito de um holocausto obedeceu a objetivos, que o passar do tempo e a realidade da geopolítica dia a dia mostram com maior nitidez. 

Estou com o senhor e com o que veio dizendo durante sua campanha eleitoral:
“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará!” (João 8:23)

6 de abril de 2019

CISÃO NO MUNDO JUDEU

Antes de abordar o tema de hoje, aqui vai, a título de aperitivo, um vídeo que está circulando pelo WhatsApp do cotidiano. É curto, 5:51, bem legendado e onde se lê “esquerda” ou “esquerdismo” recomendo ler globais ou globalismo. Bom proveito!

De volta ao título da matéria de hoje e que sugere a pergunta: “Será mesmo?” A quem achar que essa dissidência é uma hipótese totalmente improvável, quero lembrar que a semente desta mudança já foi plantada com a própria criação do Estado de Israel. Antes disto o objetivo maior era o Governo Mundial Judaico. Agora dá para notar que uma grande parcela dá prioridade à proteção de Israel como estado nacional e etnicamente consolidado. Seu chefe de estado, Netanjahu, amigo de Trump, de Bolsonaro e de Victor Orban - a quem perdoa até mesmo a negação do holocausto -  é hoje um grande inimigo para Soros, judeu húngaro e líder da esquerda globalizante. A eleição, a qual Netanjahu se submete na próxima semana, deverá ser muito elucidativa.

Fato é que os parâmetros políticos estão mudando e isto deveria ser uma indicação para que seus representantes passem a encarar com mais realismo a área em que atuam. Na verdade e sem ter consciência disso, a maioria já fez sua opção, de nada valendo o nome do seu partido (35 no Brasil). Também a qualificação de “esquerda” e “direita” pode induzir a erro. Nem todo esquerdista quer que o seu país deixe de ser soberano, independente; que passe a receber leis, regulamentos, ordens que venham de um ponto obscuro do planeta.  Por outro lado, tenho certeza que muito direitista vem sendo seduzido pela ideia de um mundo sem fronteiras, vivendo a ilusão dos que queriam construir a Torre de Babel, onde todos falassem a mesma língua. Esquecem que o projeto falhou, porque era ordem do criador que cada povo falasse sua própria língua. Aqui pergunto, se isto não quer dizer também, que cada povo deve ter sua própria identidade?
O que talvez impeça muitos de optar pela solução NACIONALISTA, é que a palavra suscita uma prevenção criada ao longo dos anos de forma injuriosa e caluniosa pelos próprios GLOBAIS, precursores dos Soros e Rothschilds de hoje, quando ainda eram simples COMUNISTAS.

Vale lembrar que os comunistas já marcaram presença na Primeira Guerra Mundial, criaram a União Soviética e tiveram decisiva atuação na Segunda Guerra. Seu propósito é, e sempre foi, a INTERNACIONAL SOCIALISTA. O regime que impuseram na URSS não foi exatamente o que se possa desejar ao mundo todo (vide Livro Negro do Comunismo). Como até hoje ninguém me disse o que eles pretendem agora, devo acreditar que seja aquilo que está entalhado no monumento chamado de GEORGIA GUIDE STONES, entre o que destaco a redução drástica da população mundial. Assim certamente  serão obras deles as guerras que estão se desenhando por aí.

Durante a visita agora do nosso presidente a Israel, surgiu uma polêmica em  torno do NSDAP Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores da Alemanha: seria ele um partido de “esquerda” ou não. Portanto se era um grupo político a favor de reformas trabalhistas e sociais. Para dirimir tal dúvida, bastaria pesquisar se algum regime, a qualquer tempo, tenha feito em apenas seis anos tanto, para erradicar a pobreza e em benefício social para o seu povo. Foi importante motivo para que lhe declarassem guerra e o destruíssem.
Vejamos agora como Netanjahu, primeiro-ministro de Israel e nacionalista, vai se haver com as eleições na próxima terça-feira, dia 9.

31 de março de 2019

DE NOVA IORQUE A CHRISTCHURCH

O que aconteceu em CHRISTCHURCH nada mais é do que uma sequência do que houve em NOVA IORQUE a dezoito anos atrás. Com o ruir das torres do World Trade Center abriram-se as cortinas para a encenação da NOVA ORDEM em público. Com as quase 3000 vítimas no WTC começou uma grande matança mundial sob a égide do “terrorismo”. Uma palavra que a partir de então marca constante presença nos noticiários.

Mas ela não só patrocinou as guerras no Oriente Médio, a “Primavera Árabe”, a destruição da Líbia e até a guerra na Síria. Nesta caminhada fez surgir o Estado Islâmico, talvez o objetivo maior da NOVA ORDEM MUNDIAL.

Para não me tornar repetitivo, eu recomendaria a leitura, aqui neste blog, da postagem que publiquei em 13.04.2018 sob o título “O QUE É GLOBALISMO”, e , se não for demais, também a anterior.

Voltando ao IS (Islamic State). É chamado estado, mas não tem estado, não tem fronteiras, não tem estrutura de governo, não tem Banco Central, não tem população, só tem guerreiros! Assim teve, ou tem, dinheiro para compra de material bélico, para alimentar e movimentar suas tropas, para cortar cabeças. Foi criado para fazer nascer uma consciência islâmica, uma união dos muçulmanos, isto porque o grande objetivo dos globalistas é fazer com muçulmanos e cristãos se dizimem mutuamente. O grande Pacto Migratório assinado recentemente em Marraquexe, com a presença de 150 países faz parte desta estratégia. Quanto a esse pacto a chanceler alemã Merkel revelou um detalhe curioso: Se enganam os representantes dos países, que pensam estarem livres dos compromissos do acordo, porque a assinatura de dois terços validou seus termos para TODOS.

Além de guerras, no que se refere a atos de terrorismo, tudo o que vem acontecendo desde que Bush pai mencionou em público pela vez primeira a NOVA ORDEM MUNDIAL (isto num discurso em 11.9.1990, curiosamente 11 anos antes do WTC em 2001), é parte do grande projeto de estabelecê-la. Anders Breivik, Oslo 2011, iniciou a série que por ora terminou em Christchurch. No entremeio houve Barcelona, Londres, Bataclan, Charlie Hebdo, Nice e Berlim. O primeiro e o último teriam como autores cristãos ou brancos, ambos aprisionados. As demais ocorrências supostamente foram causadas por seguidores do islã, que ou não sobreviveram ou não foram detidos.

Os autores Anders Breivik e o último, Brenton Tarrant, chegaram a escrever longos manifestos. Não sei se foram publicados, ou não, e também não procurei. Tenham os atentados sido executados por iniciativa própria dos autores, ou gerenciados por outros escalões, o certo é que tudo o que foi relacionado aí em cima se enquadra, faz parte, de uma ardilosa estratégia diabólica, monitora da implantação do globalismo.

21 de março de 2019

NÃO FOI ELE!

“...e a culpada de tudo foi a Alemanha.” Assim terminou minha  postagem anterior. Mas vamos continuar neste assunto, porque a guerra continua.

Ainda no último fim de semana a RPC da Globo não se pejou em  brindar seus telespectadores pela enésima vez com uma reportagem sobre o holocausto. É de se reconhecer que os patrocinadores desta matéria são de uma persistência insuperável. Graças a ela conseguiram meios para construir um estado inteiro e talvez nunca mais terão que temer um povo que teve o desplante de querer interferir nos seus projetos mais ambiciosos. Além de se servirem dessa colaboração dos meios de comunicação, que vem se estendendo por décadas, ainda fizeram com que  o judiciário de muitos países trabalhasse para eles, punindo quem a eles se opusesse. Aqui felizmente o Congresso brasileiro mostrou soberania, não se submetendo a demandas impertinentes.

Voltando ao American Hebrew, assunto da matéria anterior. Ali já deve ter ficado claro quem realmente queria a guerra, a 2a GUERRA MUNDIAL. Certamente não foi, como todas as escolas ensinam, como quase toda literatura mundial expõe, como letra, som e imagem dos jornais, rádio e teletransmissoras repetem, a Alemanha, aquele desventurado Reich de Adolf Hitler.

== Hitler acabara de tomar posse como chanceler da Alemanha, quando seis semanas depois, dia 24 de março de 1933,  o DAILY EXPRESS de Londres publica em sua 1a.Página a manchete JUDEA DECLARES WAR ON GERMANY (Judeus declaram guerra à Alemanha). Ainda não existia o estado de Israel, mas dizia o texto “(...)Quatorze milhões de judeus em todo mundo (…) O Reich está diante de um boicote total no comércio, nas finanças e na indústria.”

== Bernard Lecache. fundador da Liga Judaica Mundial, já dissera em  20.7.1932: “Alemanha é nosso inimigo de estado nr.1, é nosso obrigação lhe declarar uma guerra impiedosa.”
Existem outras citações da época que, em seu espírito, seriam repetitivas, mas há mais um aspecto, que geralmente é até alegado como prova da agressão alemã e que merece aqui ser analisado. Seus soldados teriam sido os primeiros a atravessar a fronteira para a Polônia. Realmente o fizeram, mas não para desencadear uma guerra e sim, para dar proteção aos 740 mil alemães que viviam em regiões desmembradas em 1919 pelo Tratado de Versailles e estavam sofrendo perseguições cada vez mais provocativas e  sangrentas.

Com a derrota bolchevista em 1917 a Polônia conseguiu se reestruturar como república independente, mas não se desenvolveu de maneira pacífica e neutra. Sua história fora marcada por muitas mudanças de fronteiras que acompanhavam mudanças que por herança ou acordos aconteciam nas famílias reinantes. Logo após término da 1a.Guerra e em desrespeito ao Tratado de Versailles, constituiu grande contingente de forças armadas. No período entre as duas guerras realizou ataques contra os países vizinhos, como a União Soviética, enfraquecida pela revolução, Lituânia, Alemanha e Tchecoslováquia, incorporando áreas fronteiriças ao seu território. Mal Hitler tinha sido empossado, o chefe de estado Polonês, Mal.Pilsudski já chegou a convidar a França para atacarem a Alemanha em conjunto. Seu sonho era empurrar a fronteira oeste para próximo de Berlim (o que afinal aconteceu após término da Segunda Guerra).

A Inglaterra, principal interessada em acabar com o crescimento econômico que a Alemanha vinha desenvolvendo, aproveitou-se da situação e fez da Polônia uma armadilha. Garantiu-lhe proteção armada contra qualquer agressão estrangeira, fazendo os poloneses deitar e rolar. Tanto que já mobilizaram suas tropas em março de 1939 e rechaçaram todas as propostas de acordo. Riam das advertências alemãs e, convencidos de sua superioridade, consideraram os blindados alemães feitos de papelão. Sua cavalaria chegou a atacá-los com lanças.

O que é esquecido pela história é que em 5/9/1939 a Eslováquia também declarou guerra à Polônia e dez dias depois a União Soviética invadiu o país pelo leste e acabou ocupando metade do território polonês. Curiosamente o verdadeiro estopim da guerra, a garantia de proteção dada por britânicos e franceses, contra estes países não foi acionada.
E para terminar:
“Estamos em guerra com Hitler desde o dia em que tomou posse”.
THE JEWISH CHRONICLE/Londres -8.5.1940
Então, quem foi o grande culpado?

4 de março de 2019

ESCOLHIDOS, ILUMINADOS E CLARIVIDENTES


Já em 1938, ano anterior ao início da II Grande Guerra, um artigo no AMERICAN HEBREW prevê o fim de Hitler e do regime nacional-socialista:

As forças da reação se mobilizam. A coalizão Inglaterra, França e Rússia soviética, vai enfrentar mais cedo ou mais tarde  o curso vitorioso do Führer, embriagado pelo sucesso. Seja por acaso ou por planejamento, em cada um desses países se encontra no posto importante um judeu. A vida de milhões está nas mãos de não-arianos. No momento Blum não é o primeiro-ministro da França, mas o presidente Lebrun é apenas um anteparo. Léon Blum é um judeu excepcional, é só ele que conta. Ele ainda pode se tornar o Moisés, que na hora certa conduzirá o povo francês à guerra. E Litvinov? Um grande judeu sentado à direita de Stalin, este pequeno soldadinho de chumbo do comunismo! Litvinov cresceu tanto, a ponto de superar qualquer dos camaradas da Internacional, com exceção do guardião do Kremlin o do rosto pálido (devem estar se referindo a Lasar Moissejewitsch Kaganowitsch, o poderoso rei judeu “Kagan”). Litvinov criou o pacto franco-soviético e o pôs em prática. Foi ele quem comprou Roosevelt! ... E Hore-Belisha! Agradável, suave e habilidoso, ambicioso e competente, fervilhante e autoritário. Sua estrela ainda está em ascensão. Ele vai seguir os passos de Disraeli  para a Downing Street no. 10, onde se decide o destino de todas as pessoas sob a coroa (Benjamin Disraeli foi primeiro-ministro do Reino Unido). Este jovem agressivo transformou o exército inglês. De uma desgrenhada (desordenada), rasgada, desbotada massa covarde, ele soube criar (para nós) uma máquina de guerra e lhe dar o poder de um exército guerra. Esses três filhos de Israel irão se unir, a fim de mandar o louco ditador nazista para o inferno. Não será de leve que ele será rebaixado à fossa. Então os judeus cantarão Aleluia. O Todo-Poderoso condenou os nazistas ordinários a tormentos eternos. Não há dúvida de que essas nações estarão lado a lado em uma ativa aliança contra Hitler. Quando depois da batalha a fumaça tiver se dissipado, quando a corneta parar de trombetear e o silvo das balas tiver silenciado, então o trio dos não-arianos vai cantar o Requiem, que soará incrivelmente semelhante à Marselhesa, ao hino nacional britânico, ao God Save the King e a Internacional, que será harmonizado em conjunto para um grand finale do militar, orgulhoso e exigente Eli Eli. 
(Erich Kern, "Verheimlichte Dokumente", FZ-Verlag, 1988, ISBN 3-924309-08-6; Páginas 154, 15
                                                   ******************
O jornal deixou de mencionar mais um filho de Israel, Franklin Delano Roosevelt, já então presidente dos Estados Unidos, judeu por parte de Delano. Mais tarde, em 1940, judeu também por parte de mãe, Winston Churchill veio a se juntar a eles como primeiro-ministro do Reino Unido.
      E a culpada de tudo acabou sendo a ALEMANHA...


23 de fevereiro de 2019

FORÇAS OCULTAS

Com certeza foi surpreendente a coordenação e presteza com que governos dos mais diversos países (50?), incluindo o do Brasil, reconheceram em prazo de poucos dias o tal autonomeado governo “Guaidó” para a Venezuela. Isto, apesar de ser discutível sua legitimidade. Mas o que não deixa de chamar a atenção é o fato de que entre os adversários do governo Maduro vamos encontrar não só globalistas, o que era de se esperar, porém também nacionalistas. É verdade que o governo Maduro, sucessor de Chaves, nasceu como socialista, portanto de esquerda, e são justo os comunistas os que mais o criticam.

Diante do desenrolar do “affaire” justifica-se perguntar: Quem, ou o quê, fez um Donald Trump reconhecer um Guaidó como presidente interino? Justamente Trump, o do Muro, o da “America first”. E os nossos aqui, não deixaram bem claro que são nacionalistas? Não temos problemas próprios em número suficiente? Aí veio o termo-chave já eternizado pela Merkel na Europa: HUMANITÁRIO. Este vai encaminhar muita coisa...

Fica muito claro, mesmo para quem é apenas medianamente informado, que são outros os que estão determinando a direção. São FO – Forças Ocultas! Desde o tempo em que Getúlio e depois Janio Quadros as mencionaram elas cresceram, ganharam muita força, tudo com o intuito de exercer o domínio global.

É provável que as FO  de hoje sejam a continuidade de uma ação iniciada em 1774, quando ADAM WEISHAUPT (1748 – 1830) , em Ingolstadt (perto de Munique) na Baviera, fundou a Ordem dos ILLUMINATI. Fora educado num colégio de jesuitas, do qual acabou sendo diretor. Foi aluno do filósofo judeu Mendelsohn e consta que em 1770 foi procurado por sócios da casa bancária ROTHSCHILD. Teria sido este encontro a origem do propósito de se criar a citada ordem.

Os objetivos dos ILLUMINATI desde sempre foram ambiciosos e revolucionários. Teriam eles alguma ligação com a antiga ORDEM DE SION (Prieuré de Sion), que acolhera o que sobrou dos Templários, depois da inclemente perseguição que estes sofreram pelo Rei Felipe IV da França e pelo Papa Clemente V. Os Illuminati são contra a Igreja e definiram a tática da INFILTRAÇÃO nos órgãos diretivos dos países, que já deixa claro a existência de um plano de domínio amplo e abrangente. Weishaupt acabou expulso da Baviera, o que só acelerou a expansão de sua ação. Em 1778 começou a infiltração nas lojas maçônicas e apenas quatro anos depois viu o Congresso norte-americano aprovar o brasão nacional de concepção nitidamente por eles influenciada. Em 1787 já existiam nos EUA dezesseis Lojas da Ordem. Da primeira era membro Clinton Roosevelt, ancestral direto de Franklin Delano Roosevelt. Os Illuminati foram apoiados pelo Duque Ernst von Sachsen-Gotha, ancestral da Rainha Elisabeth II da Inglaterra.
“No acredito en brujas, mas que las hay, las hay.”
E são estas bruxas, quem está preparando as poções e trama os pauzinhos em mais este caso, agora envolvendo o país vizinho a Venezuela.
QUE NÃO VENHA A SER UMA PRIMAVERA SULAMERICANA

11 de fevereiro de 2019

27 de janeiro:dia da memória do Holocausto

Os judeus desenterram os mortos no Brasil, mas enterram os vivos na Palestina

Por: CHAUKE STEPHAN FILHO *                                               

“Sonhos de crianças judias de Theresienstadt em exposição de desenhos”. Esta era a manchete da matéria de 26 jan. 2019, na revista digital Conexão Política. Que bonito! Que lindo! Oh! Quantas emoções...
Não só no 27 de janeiro, senão também por todo o ano, por todos os meios de comunicação, somos “gaseados” pelas lembranças do sempre badalado “Holocausto”. Essa tal “exposição” na Sinagoga (do diabo) de Pinkas, em Praga (Chéquia), é mais uma das famosas histórias de campos de concentração. Seu teor é de pieguice e mentira em altas doses. Tais histórias abundam na mídia e muita gente ainda acredita nelas. Santa ingenuidade!

Os judeus são os maiores mestres na arte da dissimulação, não apenas em termos das técnicas de camuflagem militar. Agora mesmo estavam no Brasil para desenterrar mortos em Brumadinho. “Um povo de bom coração!”, já disse alguém comovido por tanta “solidariedade”. “Bom coração” ?! Humm… Será?

Não!! Os judeus desenterram os mortos no Brasil, mas enterram os vivos na Palestina. 

A intenção declarada das histórias do tipo “Anne Frank” não poderia ser mais edificante: cultuar a memória da violência racial para que não se repita. A repressão, a perseguição e morte massivas de minorias são associadas à “intolerância” das maiorias. Em milhares de anos de história, utopias continuam não tendo lugar neste “vale de lágrimas”. Será que se as minorias estivessem no poder o mundo seria melhor? 

Na verdade, as minorias não fazem o mundo melhor. Tomemos, por exemplo, o caso das minorias judaicas. Os judeus tomaram o poder na Alemanha, e os alemães estão desaparecendo. Os judeus tomaram o poder na África do Sul e os africânderes estão desaparecendo. Os judeus tomaram o poder na Palestina, e os palestinos estão desaparecendo.

Não restará nenhum gói, a não ser como escravo, quando for completo o controle do mundo pelos sábios de Sião. E por quê? Porque nós somos maus, nós somos intolerantes, nós somos racistas, porque queremos fechar fronteiras e porque eles são os ditadores da virtude, que abraçam as minorias e querem dar o mundo a elas. O mundo! Mas não “Israel”. Então o Estado judeu existirá como ilha de ordem e unidade étnica em meio a um oceano de caos e “diversidade”. Aí, finalmente, nada nem ninguém haverá que poderá resistir ao poder absoluto de Sião.

Como se sabe, o território conquistado pela entidade sionista têm fronteiras móveis, tendentes à expansão perpétua, sendo muito bem vigiadas com o emprego de aparato eletrônico de alta tecnologia. Bilhões de dólares são investidos nas condições políticas, econômicas, sociais, diplomáticas, geográficas, militares e psicológicas mais favoráveis à manutenção da pureza racial do judeu. Em “Israel” os “migrantes” palestinos não poderiam se estabelecer mesmo se para lá fossem cantando aquela canção de John Lennon (Imagine) e ferindo o céu com o signo tão alegre da bandeira septicolor. Os judeus conquistaram o seu espaço vital, e quase todo o resto do mundo resta num espaço mortal.

Entre os investimentos da entidade sionista na projeção de seu poder em qualquer parte do mundo, nas diversas áreas de seu interesse, como espionagem, sabotagem, guerra, genocídio, direitos humanos, ongues, assassinatos etc., estão as inversões na chamada “indústria do holocausto” (Norman Finkelstein). O holocausto, também conhecido como “holoconto” ou “holofraude”, consiste na gigantesca calúnia contra os alemães, que já dura mais de setenta anos, atribuindo-lhes a prática de atrocidades nos campos de concentração, como seria o caso da suposta execução de seis milhões de judeus em “câmaras de gás”.

A indústria do holocausto vale-se da mídia para disseminar tais lorotas. Jornalistas e escritores emprestam o seu talento ficcional para criação de dramas sentimentais com base nos “testemunhos” de “sobreviventes” dos “campos de extermínio” do “endemoninhado” Hitler. Depois da criação literária da culpa, depois de apontados os culpados, que podem ser indivíduos ou povos inteiros, entram em cena os advogados para cobrar as indenizações e, claro, os seus “honorários”.
Se há um holocausto verdadeiro, é o que ocorre na Palestina ocupada. A propósito, quais seriam os sonhos das crianças palestinas? Na verdade, enquanto as crianças judias "sonham", as crianças palestinas têm pesadelos. E decerto esses pesadelos não são coisa pior do que a violência real que sofrem, vitimadas a cada dia (mas principalmente às sextas-feiras) pela sanha de sangue e poder dos conquistadores judeus.

“Eretz Israel Hashlema”, o Grande Israel, o território sionista estendido do Nilo ao Eufrates. Eis o verdadeiro sonho judeu. Um sonho nada infantil cujas sangrentas consequências a memória do holocausto mantém no esquecimento.

* Chauke Stephan Filho nasceu em Cuiabá no ano de 1960. Com formação em sociologia e política (PUC/RJ), português e literatura (UFMT) e educação (Unic), dedica-se ao estudo da sociologia do racismo como servidor da Prefeitura de Cuiabá, onde também serve como revisor. Texto originalmente publicado em HiperNotícias.

3 de fevereiro de 2019

EUROPA VAI PEGAR FOGO


O que a Europa está preparando já não é mais Marx, não é aquilo que se imaginava Comunismo, é, isto sim,  a mais descarada interferência na obra da criação. Isso que vimos  aí no vídeo é apenas um detalhe desta história tenebrosa.
Imaginem vocês, caros leitores, que um dia uma comissão, ou um departamento governamental aí donde vocês moram, comece a fazer um levantamento das casas existentes e dos moradores na região. Um levantamento que inclui:
- Área útil de cada casa.
- Número de moradores.
Digamos que no seu caso constataram que sua habitação tem 120 m2 de área útil e que nela moram 3 pessoas. Aí você fica sabendo que foi editado um novo dispositivo legal que determina que cada pessoa tem direito a um espaço habitacional de 10 m2 e que, consequentemente, nesta casa cabem mais 9 (nove) pessoas. Como é que você se sente agora? Pois deve ser mais ou menos o que estão sentindo os habitantes do continente europeu.
Em BRUXELAS, sede governamental da União Europeia, acaba de ser publicado um estudo que visa definir a CAPACIDADE POPULACIONAL de cada um dos 27 países que a integram e com base na DENSIDADE considerada possível. Aqui  alguns exemplos:

-   PORTUGAL – Área 92.072 km2
População existente: 10.599.095  -  Densidade 115,12 p/km2
Capacidade Populacional:  81.472.905  -  7,7 vezes a atual

-   ESPANHA  -  Área 504.782 km2   -  
População existente: 44.474.631  -  Densidade  88,11 p/km2
Capacidade Populacional: 460.307.369  -  10,3 vezes a atual

-   EUROPA TOTAL 27 países   -  Área 4.328.973 km2
População existente:  495.270.075   -  Densidade 114,41
Capacidade Populacional:  3.833.702.925  -  7,7 vezes a atual

Em outras palavras, acreditam que a Europa sozinha pode abrigar quase a metade de toda atual população do mundo. Teria isso algo a ver com a Migração Desenfreada combinada lá em Marraquexe? Não posso crer que queiram mesmo botar fogo no velho continente. Agora pergunto se não é curioso, que um assunto destes que interessa a pelo menos 27 nações, senão ao mundo todo, não sensibiliza os redatores de notícias dos nossos jornais e noticiários, muito menos os governantes daqui e dacolá? 
Já a Venezuela, coitada, está na boca de todo mundo.

28 de janeiro de 2019

COMUNICADO
Este blog vem apresentando problemas de acesso. Está-se fazendo o possível para saná-los. Enquanto isto é recomendável insistir na tentativa, uma vez que a dificuldade não se manifesta sempre.

24 de janeiro de 2019

SOMOS A ÚLTIMA GERAÇÃO

O objetivo fundamental deste blog, desde que foi criado, foi o de contestar as mentiras geopolíticas, que, com finalidade escusa, vêm sendo lançadas sobre a população mundial nos últimos 80 ou 90 anos. Entre elas a maior, destinada à extinção de um povo inteiro, do povo alemão. Seu propósito sinistro parece próximo de ser concretizado. E é por isso que qualquer reação corajosa é digna de ter a maior divulgação possível. É o motivo desta postagem.
Dia 19 de janeiro de 2019 aconteceu em BERLIM, na praça em frente ao “Reichstag” uma manifestação popular da LUTA PELA CULTURA ALEMÃ. Ali cabe destacar o discurso feito por BERNHARD SCHAUB que traduzi e cuja leitura recomendo.


Amigos! Alemães!
Durante milhares de anos povos alemães e seus ancestrais povoaram e cultivaram estas terras que vão do Maas(Mosa) até o Memel (Neman), do Etsch (Ádige) até o Belt. Eles criaram , expandiram e defenderam a cultura alemã.
Há oitenta anos começou a maior e mais decisiva conflagração da História do Mundo: A Segunda Guerra Mundial. Nas guerras mundiais a Alemanha não só defendeu sua santa terra e sua cultura, como também, ao mesmo tempo, toda a tradição europeia. Ela perdeu a guerra e por isso hoje toda cultura da Europa está sob o maior perigo. As quatro principais potências vencedoras já então conduziram tropas africanas e asiáticas contra a Alemanha. Os ocupadores civis de hoje são apenas os seus sucessores. Quando  os colaboradores na Chancelaria e no Reichstag, disfarçados de alemães, fomentam a alienação, então fazem apenas o que os vencedores deles exigiram. E se alemães imbecilizados ainda apoiam isto, é porque através da Reeducação lhes foram extirpados cérebro e coluna vertebral.
Amigos! Nós estamos aqui como a última geração que ainda pode desviar esta desgraça da Alemanha e da Europa. Nossos filhos já serão minoria em relação aos intrusos. Agora tudo depende de nós!
O que é primordial e mais importante é saber o que a gente está defendendo. Então, o que significa Cultura Alemã. Cultura Alemã significa: Espírito alemão e alma alemã em corpo alemão. E onde vive a Cultura Alemã? Desde o Reno e o Mosela, onde as videiras amadurecem sob o sol reluzente e a Loreley penteia seus  cabelos dourados, até os lagos, florestas e searas da Prússia Oriental, onde o mais régio cavalo do mundo, o Trakehner, tem sua terra natal. A Cultura Alemã vive no castelo, na catedral e na casa do lavrador, nos nossos belo e antigos costumes, em trajes e adereços, na canção e dança folclórica, nos Concertos de Brandenburgo de Johann Sebastian Bach, nas Ciências Naturais de Goethe, nos Hinos de Hölderlin e em  Anel dos Nibelungen de Richard Wagner.
Esta é a nossa herança que amamos e honramos e que vamos defender, como a defenderam os soldados nas grandes guerras. Alemanha não é uma terra qualquer e a Cultura Alemã não é uma cultura qualquer. Há mais de mil anos o povo e a nobreza dos alemães assumiram o legado dos romanos, constituindo o Sacrum Imperium, o Sagrado Império Romano de Nação Alemã. Era o poder da ordem na Europa. Alemanha a cidadela do continente e da humanidade branca em geral.
O Segundo Reich Alemão, constituído em 1871 por Bismarck, junto com os príncipes alemães, enfrenta entre 1914 e 1945 heroico embate, quase inimaginável, contra forças muito superiores, destruidoras de culturas, vindas de leste e oeste. A derrota alemã abriu as portas à decadência e perversão, sob a qual a cultura europeia hoje se encontra quase completamente desmoronada. O fato de hoje sermos atacados por enxames de gafanhotos do Oriente, é apenas uma consequência da degeneração cultural e da resignação da Europa. Não esqueçamos a antiga sabedoria: Quando os deuses abandonam o templo, entram os demônios. Sim, é isto: Se não buscarmos a volta dos bons deuses à Europa, os estranhos demônios continuarão nos dominando e para sempre.
Amigos! Hoje a ordem é sobreviver. A morte do espírito alemão, da alma alemã e do corpo alemão está prestes a acontecer, se permanecermos covardes e paralisados. Mas estou certo de que no momento derradeiro a índole forte dos alemães irá mostrar-se na velha grandeza; o Furor Teutônicus ressurgirá dos Alpes até o Mar do Norte, unirá os povos da Europa e esmagará o inimigo, que quer nos aniquilar. Os povos europeus estão todos ameaçados de extinção. E os mais inteligentes entre os franceses  e ingleses, entre russos e americanos de há muito estão sabendo que cavaram sua própria sepultura quando destruíram a Alemanha.
É do espírito alemão que deverá partir a ressurreição da Europa. E seus mais corajosos representantes hoje aqui estão. O governo desta “República” e os seus bajuladores da mídia devem tomar nota: Desde há muito somos imunes à sua propaganda multiculti. Nem mesmo a borduna nazi cola mais. Não nos interessa o que vocês dizem e escrevem. Faz tempo que não acreditamos em qualquer de suas palavras. Ainda parece que o poder está em suas mãos, mas na verdade estão gastando seus últimos suspiros. O bando dos Rothschild-Solros-Clinton-Macron-Merkel está em vias de perder o jogo.
Na Hungria, na Itália, na Áustria, na Dinamarca, América e Brasil o vento já sopra de outra direção. A noite está terminando e o dia a nós pertence amigos, aos verdadeiros alemães, aos europeus de verdade.
Mas a luta mais dura ainda está por vir. Tomemos o coração em ambas as mãos, lembremos das virtudes de Esparta, Roma e Prússia, limpemos o chiqueiro e fundemos a FORTALEZA EUROPA.