21 de janeiro de 2020

O PLANO É DESTRUIR

No final do artigo NOVA desORDEM eu escrevi “Na verdade nunca dizem o que pretendem, nem como farão”. Engano meu. Já disseram, e isto há mais de cem anos. É uma REVELAÇÃO que vai dar o que pensar. Foi dada a público por NAHUM GOLDMANN na página 37 do seu livro “Der Geist des Militarismus” editado em 1915, Deutsche Verlagsanstalt, Stuttgart/Berlin.
Segue a tradução do extrato e ao seu final algumas palavras sobre a personalidade do autor do livro.

"A gente pode resumir o sentido e a missão histórica dos nossos tempos como segue: A missão é reordenar a humanidade cultural, criando um novo sistema social em lugar do que reina atualmente. Toda essa reordenação e reorganização consiste agora de duas partes: Na destruição da velha ordem e construção da nova. Inicialmente devem ser removidos todos os marcos de fronteiras, todas as barreiras e rotulações do sistema vigente e todos os elementos do sistema que vai ser reestruturado, como tal, devem ser separados equivalentes entre si. Só então poderá ser começada a segunda parte, a reordenação destes elementos.

Portanto a primeira tarefa da nossa época é a destruição. Todas as camadas e formações sociais, criadas pelo antigo sistema, devem ser extintas; os indivíduos devem ser arrancados de seus meios herdados; nenhuma tradição pode mais ser considerada sagrada; a idade valerá apenas como doença; a ordem é: Fora com o que já era.

As forças, que executam essa tarefa abstrativa na nossa era, são o capitalismo no campo econômico-social e a democracia no politicamente espiritual.

Todos sabemos o quanto já foi realizado, mas também sabemos que o trabalho ainda não foi concluído. O capitalismo ainda está lutando contra as formas da velha economia tradicional e a democracia ainda está travando uma batalha feroz contra todas as forças de reação. O trabalho será completado pelo espírito militarista. Seu princípio uniformizador dará conta desta incumbência negativa da época. Quando finalmente todos os membros do nosso círculo cultural tiverem sido uniformizados, como soldados do nosso desenvolvimento, esta tarefa estará resolvida.

Só então surge a outra tarefa maior e mais difícil: a edificação da nova ordem. Todos os elementos que foram arrancados do seu antigo enraizamento e de suas camadas sociais e agora estão espalhados de maneira desorganizada e anárquica, têm que ser estruturados em novas formações e categorias. Um novo sistema piramidal e hierárquico terá que ser erigido."

EIS UM PLANO CONCRETO PARA CRIAÇÃO DA NOVA ORDEM MUNDIAL

Nahum Goldmann
de 1953 a 1978 Fundador e Chefe do Congresso Mundial Judeu
de 1956 a 1968 Presidente da Organização Mundial Sionista
Líder da Internacional Socialista durante décadas

8 de janeiro de 2020

NOVA desORDEM

AINDA HÁ COMO ENFRENTAR O GLOBALISMO?

Depois de uma breve excursão ao passado está na hora de voltar aos dias de hoje. As manchetes andaram movimentadas e Trump nos lembrou que este ano de 2020 pode ser atribulado. Decisivo também no enfrentamento dos globalistas. Muitos me incluem entre os aficionados do atual presidente americano. Não, não posso afirmar que o seja. Só em pensar o que aquela terra já trouxe de desgraça para o mundo, faz a gente receber tudo o que vem de lá com um pé atrás. A contrapropaganda que sofre no próprio país e na mídia mundial, os ares de bufão, que por vezes demonstra, os trejeitos, a teatralidade nas expressões, tudo isso não ajuda muito. Mesmo assim alimento uma esperança fervorosa de que ganhe as próximas eleições nos Estados Unidos. É ele que enfrenta os empedernidos representantes da Nova Ordem, tipo Obama, Clinton, Bush etc, Sem ele a sorte estará lançada. O mundo ocidental cairá inexoravelmente nas garras do globalismo, Nova Ordem Mundial, Marxismo Cultural, ou como queiram chamar este flagelo que se abaterá sobre a humanidade.

Alguém vai dizer, mas Toedter você não acaba de afirmar que talvez atinja só o mundo ocidental? Sim, temporariamente, mas os de lá já estarão inoculados e mais cedo ou tarde deixarão de resistir, ou a resistência até já faça parte do plano hegemônico, porque, diminuir a população mundial, é propósito que integra o esquema. O mundo árabe, por exemplo, não precisa muito para começar um jihad , uma guerra religiosa, mais que bem-vinda aos globalistas. Afirma-se que na África já estão matando cristãos a granel. A própria igreja cristã já está desfigurada. Basta ver como o Papa e também as igrejas evangélicas da Europa estão apoiando a substituição cultural que vem acontecendo naquele continente.

Dir-se-á que é um absurdo apoiar um homem que acaba de sofrer uma condenação da mídia mundial, por ter mandado eliminar o comandante das Forças Revolucionárias iranianas. Tirar a vida, matar alguém, é um ato que a nossa cultura condena como imperdoável, que só é tolerado quando praticado em legítima defesa. Sem querer justificar coisa alguma, não sou advogado, nem juiz, fato é que está se matando descaradamente, ainda mais naquela região, indistintamente civis e militares. E Trump não é exatamente um mandante que tivesse se destacado neste afazer.

O que me faz acreditar que este homem, chefe da ainda maior potência mundial, possa nos proteger contra o Globalismo? Ainda hoje recebi um aviso mostrando que, entre 24 pessoas da administração Trump, 19 são judeus. Big surprise… Mas eles estão em todas. Na administração da União Soviética entre 119 nomes havia 81 judeus. O Marechal de Campo Erhard Milch das forças nacional-socialistas era judeu. Nosso presidente é grande amigo de Netanyahu e tem vários ministros que certamente são daquele povo. Pois já tenho afirmado aqui que não é tudo a mesma coisa. Há judeus que condenam a mentira do holocausto. Há os fanáticos e há os comedidos. Como em qualquer sociedade há bons e maus. E mesmo tendo sido, e continuam sendo, judeus os responsáveis pela extinção do meu povo, não vejo nisto razão para condenar o Jacó da esquina ou o Prof. Isaac da faculdade.

Isto posto, quero concluir dizendo por que vejo no Globalismo, Nova Ordem, Marxismo Cultural, ou como quer que se chame, um terror para a humanidade. As nações que aí estão são, em sua maioria, fruto de uma evolução natural, abrigando sociedades que construíram ao longo do tempo a sua estrutura, seu progresso, entendendo-se através de um idioma comum, tendo exemplos a seguir em outras mais adiantadas. Para serem melhor administráveis, ao contrário do que pretendem os globalistas, não derrubaram fronteiras, mas, sim, criaram fronteiras internas, criando subdivisões (estados). É o que faz qualquer empreendimento, a medida que cresce, cria departamentos, para melhor ser gerido. Como então fariam os promotores do GLOBALISMO, derrubando fronteiras, mudando e unificando idiomas, religiões, leis, costumes. Só poderia ser através da criação de uma enorme DESORDEM, destruindo tudo que existe, para depois levantar sobre os destroços o tal MUNDO NOVO.

Na verdade nunca dizem o que pretendem, nem como farão. Não podem dizer, porque só pode ser feito com o sacrifício de um número inimaginável de vidas. Às vezes se tem a impressão de que seres desumanos estão assumindo o controle do planeta.

2 de janeiro de 2020

PAULA HITLER

OPINIÃO DA IRMÃ SOBRE O IRMÃO E SEUS CRÍTICOS

Senhores -  só não esqueçam uma coisa! Vosso nome terá se extinto, esquecido, deteriorado junto com vossos restos mortais há muito tempo - enquanto o nome Adolf Hitler ainda estará resplandecendo e fulgurando. Vocês, com seus baldes de dejetos, não conseguem acabar com ele, nem seus dedos sujos de tinta, apagar o seu nome guardado por incontáveis almas  -  para tanto vocês são muito, mas muito pequenos.

Ele amava a Alemanha, ele se preocupava pela Alemanha. Quando tenha errado, errou pela Alemanha e quando lutava por honra e distinção, ele o fez pela Alemanha. Quando a ele nada mais restou neste mundo do que a própria vida, ele a deu pela Alemanha. E vocês, até agora o que deram? E quem de vocês daria sua vida pela Alemanha. Vocês, quando pensaram  em Alemanha, sempre só visaram o poder e a riqueza, o prazer, a gula, uma vida maravilhosa e sem responsabilidades.

Podem me acreditar, o abnegado pensar e agir do Führer talvez não tivesse garantido o êxito do seu batalhar fanático em prol da grandeza da Alemanha se deva também a uma diferença de mentalidades. Por um lado o caráter do inglês pode ter muitos defeitos, mas ele nunca esquece que é inglês, leal ao seu povo e à sua coroa. Por outro lado, o alemão reconhecidamente nem sempre é alemão acima de tudo.

Assim as almas pequenas de vocês pouco se importam que junto com vocês a nação inteira seja botada em escombros. Para vocês nunca vai valer o ditado "O benefício comum tem preferência sobre o benefício individual", sempre o contrário. E é com tal premissa que vocês querem impedir que alguém maior se torne imortal?

O que eu escrevera logo nos primeiros anos após o término da guerra, continua valendo também no ano de 1957, é minha convicção.

Paula Hitler, Berchtesgaden, 1.de maio de 1957

26 de dezembro de 2019

Embaixada da Resistência

Tomo a liberdade de apresentar hoje este trabalho de pouco mais de 9 minutos, legendado em português, mais que indicado para anunciar o que as "nações unidas" estão a fazer com o nosso mundo. Sem nos perguntar.

https://www.youtube.com/watch?v=mrEyRRLmaaE

12 de dezembro de 2019

PORQUE BRASIL

A revista TIME acaba de publicar em sua capa como PERSONALIDADE DO ANO uma foto da GRETA, uma menina de 16 anos, que vem servindo de estandarte do maior FAKE deste século. Ou a TIME baixou muito seus critérios de escolha - o presidente Bolsonaro chamou a Greta de “pirralho” - ou submeteu seu nível de seriedade aos objetivos inconfessados e inconfessáveis da campanha CLIMATE CHANGE. Sem dúvida a segunda hipótese é a mais provável.

Recordando: Poucos meses atrás o governo brasileiro foi alvo de Intenso fogo midiático internacional (nacional também), sendo responsabilizado pelas queimadas que se verificavam na área amazônica. Destacou-se com o mesmo objetivo o próprio presidente da França, Emmanuel Macron, cria rotschildiana, apoiado por Angela Merkel, gerente da RFA. Não se levou em conta que incêndios florestais ocorrem em maior ou menor escala no mundo todo, basta lembrar a Califórnia, Portugal e os menos noticiados, porém de grande intensidade no Extremo Oriente, na Indonésia, na África Susaariana, Congo e Sâmbia. São os que me ocorrem.

Como não podia deixar de acontecer o dissenso chegou a adquirir caráter pessoal. Quando no fim de julho o ministro das Relações Exteriores francês Jean-Ives Le Drian chegou ao Brasil, para uma visita de estado e encontro com membros da sociedade civil, o presidente Jair Bolsonaro não o recebeu, alegando compromisso com o seu barbeiro. Mais tarde justificou: “O que é que ele veio fazer aqui, conversar com ONGues? Quando se fala em ONG, para quem tem um mínimo de juízo começa a soar um alarme.”
Na véspera do G7 em Biarritz Macron fez das queimadas anuais na área amazônica uma crise internacional, porque Bolsonaro não respeita seus compromissos em relação ao clima e à biodiversidade e que nestas circunstâncias não assinaria o tratado do Mercosur (já não saiu em 20 anos e não vai sair agora).

A posição de Bolsonaro em relação às ONGues revela o porquê de ONU e os Globalistas, incluindo TIME e a mídia internacional serem inimigos do atual governo brasileiro. Convido o leitor interessado a folhear para trás neste blog até 11.4.2016, onde encontrará um artigo sobre a AGENDA 21. Não restar-lhe-ão dúvidas. Para os menos pacientes adianto um parágrafo:

“Às claras, portanto, trata-se de uma tentativa de construir um domínio totalitário sobre cada cidadão e toda a sociedade, ao qual ninguém possa escapar, pois acontecerá no mundo todo. Neste mundo da “vizinhança global” as ONG (Organizações Não Governamentais) terão a incumbência de implementar o novo sistema e, como não eleitas, a ninguém devem responsabilidade. Desmonta-se a democracia e a liberdade individual vai para o espaço. Ao contrário do que seria de se esperar essa Agenda 21 não foi e não está sendo discutida pela sociedade.”

2 de dezembro de 2019

ESTUPIDEZ

FALTA DE INTERESSE
A Universidade de Zurique vem implementando há quase dez anos um programa de estudos, que visa detectar o grau de informação absorvida pelo cidadão na Suíça. Os números vêm permanecendo num nível assustador. Entre os de 16 a 30 anos situam-se os assim chamados News-Deprived. São os que de jeito nenhum estão dispostos a consumir notícias. São números quase iguais aos que nunca leem um jornal. Daqueles na faixa de 18 a 35 anos 90% nunca vão votar (votar na Suíça não é obrigatório). Tudo quanto é impresso, distribuído na época de eleições, não é lido ou compreendido por 60% dos entrevistados.

DEU A LOUCA NO PARLAMENTO
Talvez devido ao acima exposto possa acontecer que o coitado do CLIMA seja estropiado como vem sendo. O Parlamento Europeu acaba de dar o seu grito de guerra, declarando o ESTADO DE EMERGÊNCIA DO CLIMA.
Não adianta 700 cientistas do ramo assinarem oficialmente um documento afirmando que nada de errado está ocorrendo com o clima mundial. Aliás basta pensar um pouco e se lembrar que o nosso planeta existe, se não me engano, há 45 milhões de anos. Nunca brigou ou se estranhou com outra estrela ou outro planeta. O Universo segue em uma ORDEM eterna e não é para agradar os globalistas, ou outra seita qualquer, que o Criador vai ascender um fogareiro celestial e tostar tudo o que aqui vive e vegeta. Gente! É tudo mentira. Há interesses ideológicos por trás disto. Querem desindustrializar os países, querem que voltemos a ser índios – fora uma elite, evidentemente, a qual poderão servir os que sobrarem. Apenas lembrando, NÃO HÁ AQUECIMENTO GLOBAL. Em 1850 terminou o último ciclo de temperaturas declinantes e desde então ela está subindo gradativamente, para em algum momento voltar a descer. Nada dramático.
Tudo comandado pelo sol. Não pode ser influenciado pelo homem.

GOVERNOS
Que haja políticos a serviço dessa súcia enganadora e perversa, é compreensível. São selecionáveis e abordáveis. Mas são corruptíveis porque o povo deixa. E deixa porque perdeu o interesse. Por que perdeu o interesse? Vê que eles só estão aí para se digladiar. Parece que governar é cada dia mais difícil. Periodicamente temos eleições. Não seria lógico que, entregue o timão aos eleitos, TODOS esperassem deles a melhor gestão possível, não fossem bem, na próxima vez escolher-se-iam outros. Seria o razoável e que resultaria em benefício geral. Não é o que acontece. De imediato se dividem e estoura um feroz combate, que não traz benefício a quem quer que seja, muito menos ao país. Até fatos do passado, que a maioria nem viveu, são desenterrados e se tornam argumentos viscerais. Imagine-se uma empresa que contrata uma diretoria e metade dos funcionários é contra, não trabalha, faz oposição. Não é isso o que acontece nas democracias de hoje? Uma sociedade mais racional seria mais proveitosa, mas para tanto há que se PENSAR mais, usar mais a cabeça.

22 de novembro de 2019

GUERRA SILENCIOSA

Além do fato de quase ninguém se aperceber, o que impressiona mesmo é a passividade com que as ocorrências são aceitas e ignoradas pela mídia nacional e internacional. Refiro-me à substituição de populações, ao extermínio lento, porém progressivo de etnias, de culturas formadas em milênios, de religiões. É uma GUERRA o que está em curso, sem exércitos, sem armas, sem tiros – ao menos por enquanto. E não se compara com aquela “Guerra Fria” entre União Soviética entre 1947 e 1991, que também não teve vítimas. Mas se esta guerra silenciosa não vem tendo vítimas, ela está registrando conquista e ocupação de terreno. Acaba de vir às minhas mãos um relato sobre a situação atual num país europeu chamado SUÉCIA. Destaco alguns itens:

x – A população do país é hoje de aproximadamente 10,2 milhões de pessoas.
x – Destas cerca de 20% são estrangeiros não-europeus, portanto 8 milhões seriam europeus.
x – Dos invasores os islâmicos representam a maior etnia não-sueca, representada por 1 milhão de pessoas e cresce anualmente 10%.
x – As forças mantenedoras da ordem são constituídas por 21.000 policiais e 30.000 militares, em grande parte formadas por jovens de ascendência estrangeira.

E MAIS:
As estatísticas informam que 20% dos suecos possuem uma arma, muitas delas armas de caça. Nas cidades o índice é menor.
Há preocupações em torno do que possa acontecer quando o Sistema de Assistência Social vier a implodir. Muitos suecos já vem fazendo tratamento de saúde no estrangeiro, dado o tamanho da lista de espera.
A coroa sueca perdeu 30% do seu valor nos últimos anos.
Se hoje a sociedade sueca quisesse se defender, nem polícia, nem as forças armadas teriam condições de assumir sozinhas o controle. Esperariam AJUDA do exterior. Ambos os lados esperariam ajuda de fora.

A Suécia talvez seja o país onde essa guerra silenciosa já tenha feito os maiores progressos, o que não deixa de surpreender, uma vez que deve ser o país climaticamente o menos convidativo para quem tenha vindo de climas tropicais, ou mesmo subtropicais. Uma explicação pode ser o seu governo permeado pela esquerda. Essa, por sua vez, não pode mais esconder que está a serviço do Globalismo. O Globalismo justamente é o que depende da desestruturação das culturas para alcançar seus objetivos. Certamente há quem se lembre de que este blog em setembro de 2015 denunciou a chanceler alemã Angela Merkel de estar traindo o seu povo, quando então, arbitrariamente e sem consultar o legislativo, mandou abrir as fronteiras da Alemanha, dando o início à invasão do território europeu por milhões de migrantes árabes e africanos.

E fica a pergunta, até quando esta guerra permanecerá SILENCIOSA e quem são seus comandantes.