18 de fevereiro de 2020

O que se passa

Peço desculpas pela ausência.

Contingências, prezados amigos, coisas que acontecem, fizeram com que fosse difícil eu exercer aqui minha função. Não, não foi a suspensão do recebimento de comentários e a consequente queda de acessos que tivesse sido a causa (todos aqueles que usavam este blog, como se fosse deles, ficaram a ver navios) . Também não está suspensa a possibilidade de se comunicar comigo e que pode ser feita através de toedter@toedter.com.br

ISTO É DEMOCRACIA

Este vocábulo assumiu definitivamente a liderança entre os bordões mais usados. Mereceria mesmo as loas que lhe vêm sendo dirigidas como sendo o “GOVERNO DO POVO”, ou também o “governo do povo exercido pelos seus representantes”. Com esta segunda definição procura-se uma aproximação mais consistente. Mas seriam eles, estes representantes, mesmo representantes do povo, já que foram eleitos pelo povo? Pergunto porque antes de se candidatar eles foram escolhidos pelo presidente do partido político. E não é este o homem da verba, o que faz a distribuição do fundo partidário? Neste hora me parece que o povo já ficou longe. E no nosso caso, Brasil, como é que fica o caso da representação política? Teoricamente um partido representa um segmento da sociedade, então como é que se definem esses segmentos num universo de trinta e tantos partidos como é o nosso caso? Será que um partido político que aposta no voto dos pobres, dos menos favorecidos, quando eleito para o governo, vai trabalhar para reduzir esse contingente, melhorando suas condições de vida?

Não me cabe propor solução, mas sou contra a enganação. Acho que não há quem não conheça Ângela Merkel. Já foi considerada mulher mais poderosa o mundo, lider de fato da União Europeia, chanceler da Alemanha há 15 anos, chefe do maior partido do país a União Democrata-Cristã (CDU). Era um partido de centro-direita, que hoje age como esquerda radical. Não é para menos. A Merkel era da liderança da Juventude da Alemanha Oriental, constituida pela Zona Soviética de Ocupação. A mulher é portanto de formação marxista. Pois esta mulher, louvada nos quatro cantos da terra, mandou o vencedor da recente eleição no estado da Turingia renunciar. O motivo: O eleito venceu com ajuda dos votos da AfD, partido que a Merkel chama de populista.

Lembrando: Merkel é quem comanda a substituição étnica em curso no Europa. Mui democrático!


CORONAVIRUS

Vem movimentando os noticiários. Isto agora é comum. Lembro que em 2010 eu escrevi e está publicado em “A PAZ que não houve”, pag 119:

>>>DOGMA DA GRIPE SUINA, que visa criar uma histeria em massa, dando um fantástico impulso à produção de determinado medicamento e, principalmente, ocasionando a produção de incalculável número de vacinas, obrigando os governos a fazer enormes gastos na estocagem e aplicação. Tudo isto sob patrocínio da OMS – Organização Mundial da Saúde, cujos principais conselheiros pertencem ao império fármaco-produtor. Sempre houve mutações do vírus da gripe, sempre houve casos fatais como em qualquer enfermidade. Mas agora tudo foi mercantilizado. O objetivo não é mais cuidar da saúde. O objetivo é vender! Em meados de julho de 2009 contava-se com um total até então de 441 mortes, mundialmente insignificante. Entretanto, um mês antes, no dia 11 de junho a OMS já divulgava o Alerta de Pandemia em grau máximo. <<<

E assim foi no caso do Vírus Ébola, da Gripe Aviária, H1N1 etc. Os grandes produtores de remédios e vacinas não perderão as oportunidades de dramatizá-las. Diferente foi o caso da epidemia de gripe que mais ceifou vidas, a Gripe Espanhola. Era 1918. A guerra terminara e grandes concentrações de soldados esperavam o transporte de volta às suas terras. Na época a Aspirina (AAS) havia chegado ao auge com a fama de remédio miraculoso. Acabava com uma febre na hora. Consta então que foi largamente utilizada aos primeiros sinais de febre, impedindo que essa primeira defesa do organismo exercercesse sua função natural. Assim teria se permitido que a mortalidade do vírus atingisse índices extraordinários.
No caso atual parece que a ameaça maior está sendo vista mais no fato de estar se desenvolvendo no país mais populoso do mundo , que, reduzindo sua atividade econômica, consumindo e produzindo menos, venha a afetar a economia mundial. Aguardemos.

1 de fevereiro de 2020

DE AUSCHWITZ AO BREXIT

AUSCHWITZ - Estão me perguntando porque este blog não se referiu ao “27 de janeiro”, dia comemorado através de todos os meios de comunicação que se prezam. É simples a resposta: Quem conseguiu preservar sua capacidade de formar uma opinião própria sobre o assunto, apesar do intenso bombardeio de informações tendenciosas às quais o mundo foi submetido nos últimos 75 anos, este sabe o que pensar. Quanto aos que não conseguiram, persistir na tentativa de esclarecer é perder tempo.

PANDEMIAS – Já fizeram várias tentativas de mobilizar o mundo, ou seja, de mostrar ascendência sobre as nações, criando uma histeria em massa, pânico, se possível. Ninguém gosta de ver sua saúde ameaçada. Periodicamente a população sofre sobressaltos por ser anunciada a descoberta de um novo vírus. As mutações do vírus da gripe recebiam nomes, Gripe Suína, Gripe Aviária, H1N1 etc. Os veículos de comunicação faziam o seu serviço, os laboratórios produziam vacinas que movimentavam a área financeira e as pessoas, as populações se acostumaram a ter medo de alguma coisa. Medo do invisível inibe reações.
Agora temos aí o tal CORONAVIRUS (2019nCoV). Deu os primeiros sinais na China, na cidade de Wuhan, supondo-se que tenha escapado de um mercado ou de um super laboratório. De imediato passou a dominar o noticiário mundial. O número de afetados crescia lentamente, enquanto os casos fatais eram representados por percentagens em volta de 2%, pouco assustadoras. Mesmo assim a OMS- Organização Mundial da Saúde logo assumiu o comando e acabou decretando “Estado de Emergência Internacional.” Como seus principais conselheiros pertencem ao império fármaco-produtor, era de se acreditar que essa MOBILIZAÇÃO MUNDIAL destinava-se, como de costume, à mercantilização. Fala-se até que a vacina já foi desenvolvida, já teria até patente inglesa registrada sob EP3172319B1.

BREXIT – Há três anos o Brexit, da saída da Grã Bretanha da União Europeia, está nas manchetes. Pois a partir de zero hora de hoje, 1 de fevereiro de 2020 , a Inglaterra reconquistou sua “independência”. - Não me faz rir, que me dói o dente. - Nunca entendi como a Inglaterra que ainda há pouco dominava meio mundo, nação cuja rainha preside o Comitê dos 300, onde se localiza a CITY, a milha quadrada (square mile) mais importante do mundo, como podia teria concordado em fazer parte da união de 28 países? Como se dispôs a obedecer às autoridades de um aglomerado de nações, cujo destino é perder as qualificações que por longo tempo detiveram?

Há algo de errado nessa história, talvez até na coincidência tempestiva dos dois acontecimentos. E mais, é possível que até mesmo aquele primeiro tenha feito parte de todo o desenvolvimento.

EM TEMPO: A pedido e conforme prometido, neste blog foi desativado o recebimento de COMENTÁRIOS. Era excessivo número dos que mal se referiam ao assunto da postagem, abordando temática estranha, por vezes ideológica, ou partidária e quase sempre encobertos pelo anonimato, desprezando ostensivamente a tentativa de impor determinadas regras. Por inexperiência deste jovem blogueiro nonagenário a operação ocasionou temporária inacessibilidade da página, pelo que peço desculpas. - Toedter
 

21 de janeiro de 2020

O PLANO É DESTRUIR

No final do artigo NOVA desORDEM eu escrevi “Na verdade nunca dizem o que pretendem, nem como farão”. Engano meu. Já disseram, e isto há mais de cem anos. É uma REVELAÇÃO que vai dar o que pensar. Foi dada a público por NAHUM GOLDMANN na página 37 do seu livro “Der Geist des Militarismus” editado em 1915, Deutsche Verlagsanstalt, Stuttgart/Berlin.
Segue a tradução do extrato e ao seu final algumas palavras sobre a personalidade do autor do livro.

"A gente pode resumir o sentido e a missão histórica dos nossos tempos como segue: A missão é reordenar a humanidade cultural, criando um novo sistema social em lugar do que reina atualmente. Toda essa reordenação e reorganização consiste agora de duas partes: Na destruição da velha ordem e construção da nova. Inicialmente devem ser removidos todos os marcos de fronteiras, todas as barreiras e rotulações do sistema vigente e todos os elementos do sistema que vai ser reestruturado, como tal, devem ser separados equivalentes entre si. Só então poderá ser começada a segunda parte, a reordenação destes elementos.

Portanto a primeira tarefa da nossa época é a destruição. Todas as camadas e formações sociais, criadas pelo antigo sistema, devem ser extintas; os indivíduos devem ser arrancados de seus meios herdados; nenhuma tradição pode mais ser considerada sagrada; a idade valerá apenas como doença; a ordem é: Fora com o que já era.

As forças, que executam essa tarefa abstrativa na nossa era, são o capitalismo no campo econômico-social e a democracia no politicamente espiritual.

Todos sabemos o quanto já foi realizado, mas também sabemos que o trabalho ainda não foi concluído. O capitalismo ainda está lutando contra as formas da velha economia tradicional e a democracia ainda está travando uma batalha feroz contra todas as forças de reação. O trabalho será completado pelo espírito militarista. Seu princípio uniformizador dará conta desta incumbência negativa da época. Quando finalmente todos os membros do nosso círculo cultural tiverem sido uniformizados, como soldados do nosso desenvolvimento, esta tarefa estará resolvida.

Só então surge a outra tarefa maior e mais difícil: a edificação da nova ordem. Todos os elementos que foram arrancados do seu antigo enraizamento e de suas camadas sociais e agora estão espalhados de maneira desorganizada e anárquica, têm que ser estruturados em novas formações e categorias. Um novo sistema piramidal e hierárquico terá que ser erigido."

EIS UM PLANO CONCRETO PARA CRIAÇÃO DA NOVA ORDEM MUNDIAL

Nahum Goldmann
de 1953 a 1978 Fundador e Chefe do Congresso Mundial Judeu
de 1956 a 1968 Presidente da Organização Mundial Sionista
Líder da Internacional Socialista durante décadas

8 de janeiro de 2020

NOVA desORDEM

AINDA HÁ COMO ENFRENTAR O GLOBALISMO?

Depois de uma breve excursão ao passado está na hora de voltar aos dias de hoje. As manchetes andaram movimentadas e Trump nos lembrou que este ano de 2020 pode ser atribulado. Decisivo também no enfrentamento dos globalistas. Muitos me incluem entre os aficionados do atual presidente americano. Não, não posso afirmar que o seja. Só em pensar o que aquela terra já trouxe de desgraça para o mundo, faz a gente receber tudo o que vem de lá com um pé atrás. A contrapropaganda que sofre no próprio país e na mídia mundial, os ares de bufão, que por vezes demonstra, os trejeitos, a teatralidade nas expressões, tudo isso não ajuda muito. Mesmo assim alimento uma esperança fervorosa de que ganhe as próximas eleições nos Estados Unidos. É ele que enfrenta os empedernidos representantes da Nova Ordem, tipo Obama, Clinton, Bush etc, Sem ele a sorte estará lançada. O mundo ocidental cairá inexoravelmente nas garras do globalismo, Nova Ordem Mundial, Marxismo Cultural, ou como queiram chamar este flagelo que se abaterá sobre a humanidade.

Alguém vai dizer, mas Toedter você não acaba de afirmar que talvez atinja só o mundo ocidental? Sim, temporariamente, mas os de lá já estarão inoculados e mais cedo ou tarde deixarão de resistir, ou a resistência até já faça parte do plano hegemônico, porque, diminuir a população mundial, é propósito que integra o esquema. O mundo árabe, por exemplo, não precisa muito para começar um jihad , uma guerra religiosa, mais que bem-vinda aos globalistas. Afirma-se que na África já estão matando cristãos a granel. A própria igreja cristã já está desfigurada. Basta ver como o Papa e também as igrejas evangélicas da Europa estão apoiando a substituição cultural que vem acontecendo naquele continente.

Dir-se-á que é um absurdo apoiar um homem que acaba de sofrer uma condenação da mídia mundial, por ter mandado eliminar o comandante das Forças Revolucionárias iranianas. Tirar a vida, matar alguém, é um ato que a nossa cultura condena como imperdoável, que só é tolerado quando praticado em legítima defesa. Sem querer justificar coisa alguma, não sou advogado, nem juiz, fato é que está se matando descaradamente, ainda mais naquela região, indistintamente civis e militares. E Trump não é exatamente um mandante que tivesse se destacado neste afazer.

O que me faz acreditar que este homem, chefe da ainda maior potência mundial, possa nos proteger contra o Globalismo? Ainda hoje recebi um aviso mostrando que, entre 24 pessoas da administração Trump, 19 são judeus. Big surprise… Mas eles estão em todas. Na administração da União Soviética entre 119 nomes havia 81 judeus. O Marechal de Campo Erhard Milch das forças nacional-socialistas era judeu. Nosso presidente é grande amigo de Netanyahu e tem vários ministros que certamente são daquele povo. Pois já tenho afirmado aqui que não é tudo a mesma coisa. Há judeus que condenam a mentira do holocausto. Há os fanáticos e há os comedidos. Como em qualquer sociedade há bons e maus. E mesmo tendo sido, e continuam sendo, judeus os responsáveis pela extinção do meu povo, não vejo nisto razão para condenar o Jacó da esquina ou o Prof. Isaac da faculdade.

Isto posto, quero concluir dizendo por que vejo no Globalismo, Nova Ordem, Marxismo Cultural, ou como quer que se chame, um terror para a humanidade. As nações que aí estão são, em sua maioria, fruto de uma evolução natural, abrigando sociedades que construíram ao longo do tempo a sua estrutura, seu progresso, entendendo-se através de um idioma comum, tendo exemplos a seguir em outras mais adiantadas. Para serem melhor administráveis, ao contrário do que pretendem os globalistas, não derrubaram fronteiras, mas, sim, criaram fronteiras internas, criando subdivisões (estados). É o que faz qualquer empreendimento, a medida que cresce, cria departamentos, para melhor ser gerido. Como então fariam os promotores do GLOBALISMO, derrubando fronteiras, mudando e unificando idiomas, religiões, leis, costumes. Só poderia ser através da criação de uma enorme DESORDEM, destruindo tudo que existe, para depois levantar sobre os destroços o tal MUNDO NOVO.

Na verdade nunca dizem o que pretendem, nem como farão. Não podem dizer, porque só pode ser feito com o sacrifício de um número inimaginável de vidas. Às vezes se tem a impressão de que seres desumanos estão assumindo o controle do planeta.

2 de janeiro de 2020

PAULA HITLER

OPINIÃO DA IRMÃ SOBRE O IRMÃO E SEUS CRÍTICOS

Senhores -  só não esqueçam uma coisa! Vosso nome terá se extinto, esquecido, deteriorado junto com vossos restos mortais há muito tempo - enquanto o nome Adolf Hitler ainda estará resplandecendo e fulgurando. Vocês, com seus baldes de dejetos, não conseguem acabar com ele, nem seus dedos sujos de tinta, apagar o seu nome guardado por incontáveis almas  -  para tanto vocês são muito, mas muito pequenos.

Ele amava a Alemanha, ele se preocupava pela Alemanha. Quando tenha errado, errou pela Alemanha e quando lutava por honra e distinção, ele o fez pela Alemanha. Quando a ele nada mais restou neste mundo do que a própria vida, ele a deu pela Alemanha. E vocês, até agora o que deram? E quem de vocês daria sua vida pela Alemanha. Vocês, quando pensaram  em Alemanha, sempre só visaram o poder e a riqueza, o prazer, a gula, uma vida maravilhosa e sem responsabilidades.

Podem me acreditar, o abnegado pensar e agir do Führer talvez não tivesse garantido o êxito do seu batalhar fanático em prol da grandeza da Alemanha se deva também a uma diferença de mentalidades. Por um lado o caráter do inglês pode ter muitos defeitos, mas ele nunca esquece que é inglês, leal ao seu povo e à sua coroa. Por outro lado, o alemão reconhecidamente nem sempre é alemão acima de tudo.

Assim as almas pequenas de vocês pouco se importam que junto com vocês a nação inteira seja botada em escombros. Para vocês nunca vai valer o ditado "O benefício comum tem preferência sobre o benefício individual", sempre o contrário. E é com tal premissa que vocês querem impedir que alguém maior se torne imortal?

O que eu escrevera logo nos primeiros anos após o término da guerra, continua valendo também no ano de 1957, é minha convicção.

Paula Hitler, Berchtesgaden, 1.de maio de 1957

26 de dezembro de 2019

Embaixada da Resistência

Tomo a liberdade de apresentar hoje este trabalho de pouco mais de 9 minutos, legendado em português, mais que indicado para anunciar o que as "nações unidas" estão a fazer com o nosso mundo. Sem nos perguntar.

https://www.youtube.com/watch?v=mrEyRRLmaaE

12 de dezembro de 2019

PORQUE BRASIL

A revista TIME acaba de publicar em sua capa como PERSONALIDADE DO ANO uma foto da GRETA, uma menina de 16 anos, que vem servindo de estandarte do maior FAKE deste século. Ou a TIME baixou muito seus critérios de escolha - o presidente Bolsonaro chamou a Greta de “pirralho” - ou submeteu seu nível de seriedade aos objetivos inconfessados e inconfessáveis da campanha CLIMATE CHANGE. Sem dúvida a segunda hipótese é a mais provável.

Recordando: Poucos meses atrás o governo brasileiro foi alvo de Intenso fogo midiático internacional (nacional também), sendo responsabilizado pelas queimadas que se verificavam na área amazônica. Destacou-se com o mesmo objetivo o próprio presidente da França, Emmanuel Macron, cria rotschildiana, apoiado por Angela Merkel, gerente da RFA. Não se levou em conta que incêndios florestais ocorrem em maior ou menor escala no mundo todo, basta lembrar a Califórnia, Portugal e os menos noticiados, porém de grande intensidade no Extremo Oriente, na Indonésia, na África Susaariana, Congo e Sâmbia. São os que me ocorrem.

Como não podia deixar de acontecer o dissenso chegou a adquirir caráter pessoal. Quando no fim de julho o ministro das Relações Exteriores francês Jean-Ives Le Drian chegou ao Brasil, para uma visita de estado e encontro com membros da sociedade civil, o presidente Jair Bolsonaro não o recebeu, alegando compromisso com o seu barbeiro. Mais tarde justificou: “O que é que ele veio fazer aqui, conversar com ONGues? Quando se fala em ONG, para quem tem um mínimo de juízo começa a soar um alarme.”
Na véspera do G7 em Biarritz Macron fez das queimadas anuais na área amazônica uma crise internacional, porque Bolsonaro não respeita seus compromissos em relação ao clima e à biodiversidade e que nestas circunstâncias não assinaria o tratado do Mercosur (já não saiu em 20 anos e não vai sair agora).

A posição de Bolsonaro em relação às ONGues revela o porquê de ONU e os Globalistas, incluindo TIME e a mídia internacional serem inimigos do atual governo brasileiro. Convido o leitor interessado a folhear para trás neste blog até 11.4.2016, onde encontrará um artigo sobre a AGENDA 21. Não restar-lhe-ão dúvidas. Para os menos pacientes adianto um parágrafo:

“Às claras, portanto, trata-se de uma tentativa de construir um domínio totalitário sobre cada cidadão e toda a sociedade, ao qual ninguém possa escapar, pois acontecerá no mundo todo. Neste mundo da “vizinhança global” as ONG (Organizações Não Governamentais) terão a incumbência de implementar o novo sistema e, como não eleitas, a ninguém devem responsabilidade. Desmonta-se a democracia e a liberdade individual vai para o espaço. Ao contrário do que seria de se esperar essa Agenda 21 não foi e não está sendo discutida pela sociedade.”