21 de maio de 2019

GUERRA DE EXTERMÍNIO

Ela não terminou em maio de 1945. Ali só um lado foi obrigado a depositar as armas. Não se firmou a paz. Não existe Tratado de Paz. É seguramente a guerra mais longa que já aconteceu neste planeta. A História conta que até agora guerras entre nações sempre terminaram com ganhador e perdedor ou até porque chegaram a um acordo, mas sempre a paz era selada por escrito e as nações continuaram.

Desde 1945 a nação alemã, o Deutsches Reich, não mais existe. Não considerando a extensão territorial do Terceiro Reich, criado com a Áustria e Sudetos, e apenas levando em conta o antigo reino monárquico de 1871, seus inimigos desagregaram 184 mil km2, correspondentes a 33% do  territorio que ocupava. 

Remanesceu no lugar uma espécie de empresa, tipo sociedade anônima, só para dar um lugar para o que restou daquele povo desgraçado, condenado. Chamaram a empresa de RFA, que de República não tem nada. Permanece ocupada por forças inimigas até os dias de hoje. Os meios de comunicação, formadores da opinião pública, são licenciados. A organização política desta RFA não admite  oposição. Quando ameaça se formar, é logo infiltrada e neutralizada. Entre os seus políticos há os que abertamente se pronunciam pela erradicação da Alemanha.

Utilizando uma não existente falta de mão de obra como pretexto, logo depois do cessar fogo começaram a importar famílias inteiras de outras etnias, principalmente da Turquia, das quais muitos membros ou descendentes hoje ocupam postos na política e na administração pública.

Finalmente em 2015 chegou a hora de tirar a máscara. Começou-se a colocar em prática os planos de há muito elaborados e até já levados a público, como por exemplo em 1941 através do livro “GERMANY MUST PERRISH” de Theodore Kaufman, presidente da American Federation of Peace e conselheiro de Franklin Delano Roosevelt. “A guerra atual não é uma guerra contra Adolf Hitler. Tampouco uma guerra contra os Nazis. É uma guerra de povos contra povos. Só existe uma punição total. A Alemanha deve ser eliminada para sempre!” Louis Nizer, membro da loja B'nai B'rith editou na época um livro WHAT TO DO WITH GERMANY? do qual Eisenhower mandou distribuir 100 mil exemplares às suas tropas. Nizer responde: 1.Extermínio, 2.Criação Seletiva, 3.Divisão Política, 4.Desterro. - Mencione-se ainda o Plano Morgenthau, aprovado por Roosevelt e Churchill, tudo deixando bem claro que já existe a ideia de acabar com o povo alemão há muito tempo. Há motivo para acreditar que a Primeira Guerra Mundial já visasse este objetivo.

Mas não é só, já em 2001 a Divisão de Populações (UN Population Division) da ONU – Organização das Nações Unidas apresentou o relatório “Replacement Migration” (ST/ESA/SER A./206), que considera necessário abrir a Alemanha ao ingresso de 11,4 milhões de migrantes, mesmo que isso provoque tensões sociais no país.

Então em meados de 2015 a chanceler da RFA, Angela Merkel, judia, criada e formada políticamente nas hostes comunistas da ex-Alemanha Oriental , desrespeitou a legislação da União Europeia e abriu as fronteiras para milhões de assim-chamados “fugitivos” africanos e árabes, que já estavam à espera. A invasão continua, agora legalizada pelo Pacto Migratório de Marraqueche, assinado ano passado por cerca de 150 países.

É de se esperar que venha a provocar tensões sociais? Não são apenas culturas, costumes diferentes. Há o problema da religião que apresenta diferenças radicais. O presidente da Turquia Recep Erdogan já mandou recado para os seus: Façam cinco filhos em vez de três. 

Haverá reação da população original? Talvez de uma ou outra nação, mas não acredito que a alemã possa se rebelar. Vem se mostrando passiva, está desarmada. Suas forças armadas desleixadas. Mas, milagres acontecem.

8 de maio de 2019

O HOMEM APÁTICO

Acho que já houve tempos em que o homem se sentia mais responsável, reagia mais, era mais presente, participava mais. Verdade que a educação era diferente, o social mudou. Essa falta de interesse, ou indiferença, também podem ter sido provocados. Primeiro nos ensinaram a ser tolerantes. Passou a ser mais difícil ter uma opinião. Fato é que hoje prevalece uma atitude do “deixe-me em paz”, que não pode ser considerada propriamente benéfica para o  desenvolvimento humano. Para ilustrar o que quero dizer, cito um pequeno exemplo.

Falei dia destes com um cidadão que vive na Alemanha. Estava em visita ao Brasil. Procurei saber um pouco do pensamento da população de lá sobre a situação em geral, seja econômica, seja social, mas sem induzir diretamente ao tema. Pois ouvi que estava tudo bem, só a economia deixava um tanto a desejar, porque os americanos estavam prejudicando a indústria automobilística alemã, para que eles possam vender mais carros. E nada mais disse, nem lhe foi perguntado. Política, migração, concorrência religiosa, falta de liberdade de expressão, criminalidade, nada disso chegou à baila. É o pensamento de pessoa que vive lá e não há motivo para não acreditar que represente a opinião pública.

Enquanto isto Lara Trump, nora do presidente americano Donald Trump, ligada à política internacional e por dentro do que acontece, em entrevista à FOX News criticou a política migratória da Alemanha. Disse que essa política da chanceler Merkel provocou a derrocada da Alemanha. Aliás o seu sogro já acusara Merkel em várias ocasiões de ter arruinado o seu país. Lara Trump complementa: “Foi a pior coisa que aconteceu à Alemanha em todos os tempos.”

A população, aparentemente, não vê assim tal política da sua chefe de Estado, ou não quer ver? Letargia ou desinteresse?

MUNDO AFORA NÃO É DIFERENTE
Outro exemplo. Quase todos que estão lendo estas “mal traçadas linhas” nasceram como CRISTÃOS. Mas ninguém dá um basta neste Papa falsificado, que há anos vem se empenhando em desacreditar e arruinar a igreja que preside. Foi para isto que destituiu seu antecessor? Houve agora um manifesto de 14 bispos, se não me engano, chamando o de herege. E seus coleguinhas evangélicos? Parece que esqueceram porque nossa era começa com o ano ZERO e também o que aconteceu no ano 30, bem como o seu porquê. E mais, onde está a solidariedade aos cristãos do Sri Lanka. Quando foi para ter compaixão com os muçulmanos de Christchurch todo mundo disse presente. Até o Príncipe William, Duque de Cambridge, foi lá pessoalmente, porém os cristãos de Sri Lanka, sua antiga colônia, não mereceram sua atenção. Tampouco os milhares de atentados, que igrejas cristãs estão sofrendo na Europa, chegam a sensibilizar a opinião pública. Não é de se perguntar o que é que está acontecendo, será que todo mundo virou ateu?

NOVA ORDEM EM AÇÃO
Através de recente debate televisivo fiquei sabendo que não foi só no Brasil que há pouco tempo houve uma reforma trabalhista. Aconteceu em vários países e nenhuma delas acabou beneficiando o trabalhador. Todas contribuíram para aumentar a distância entre os bem e os mal remunerados. Ao ser legalizado o meio expediente já era de se esperar uma queda de salários. Contribuiu para agravar o encolhimento do mercado de trabalho, que já vinha sofrendo com o desenvolvimento tecnológico, internet etc. Estes “aplicativos” que pululam por aí são pregos que ajudam a montar os esquifes para enterrar empregos. Na verdade este processo de tirar o pão da nossa boca começou quando o  movimento chamado feminismo passou a ser usado intensivamente para aumentar a oferta de mão de obra. Justo em suas origens, acabou sendo usado para reduzir salários em geral.

Já falei antes, alguém quer brincar de Deus. Da mesma forma como estão operando substituições populacionais, resolveram que a instituição FAMÍLIA estava superada, que o seu PROVEDOR era dispensável e que a GERADORA de novos indivíduos deveria ir jogar futebol. Ficaram todos meio perdidos, o que explicaria a modorra e indiferença generalizada  que hoje imperam.