16 de julho de 2018

MUNDO EM TRANSE

Não me lembro de ter vivido, nem de ter tido notícia, de um período tão imperscrutável politicamente, igual ao que vivemos hoje. Tivemos há cerca de oitenta anos a segunda grande guerra mundial, que foi uma espécie de “o pontapé inicial”,que desencadeou uma série de mudanças de posturas, hábitos e acontecimentos que se atropelavam no mundo até os dias atuais. Como toda guerra, esta também teve seus vencedores e derrotados e se diz que são os vencedores  que escrevem a história.

Oficialmente temos como vencedores os Estados Unidos, o Reino Unido, a França e a União Soviética, bem como o então ainda não oficialmente existente Israel. Como derrotado o 3º Reich, constituído por Alemanha e Áustria, correndo a Itália, Japão e outros menos votados, por fora.

Temos ainda a Polônia que aos primeiros serviu de isca para detonar o litígio e, apesar de agredida também por um dos vencedores, acabou premiada e incluída no rol dos laureados. Cabe mencionar também, a título de curiosidade, que o não existente Israel sob o nome de JUDEA já declarara guerra ao Reich Alemão seis anos antes que os demais começassem a fazê-lo, precisamente em março de 1934. Eis então como esteve armado o tabuleiro de xadrez que acabou gerando a situação que hoje vivemos, qual seja a de não conseguir atinar em que direção estamos nos movendo e qual o destino deste nosso mundo. 

OS MAL-INTENCIONADOS 

Na verdade a tal Guerra Mundial contra o 3º Reich não terminou. O que restou daquela nação está nos noticiários todos os dias, concorrendo com os principais nomes da atualidade. Não deveria, uma vez que não é mais o que era. O território que abrangia teve parte desmembrada e doada à Polônia. A Áustria voltou a ser nação separada. A Alemanha pós-guerra passou a ser uma espécie de S/A, filial dos EUA, ocupada militarmente e controlada pela CIA. Até o presente momento NÃO EXISTE TRATADO DE PAZ. Como se explica a atual notoriedade?

Essa Alemanha S/A  teve implantado um governo, dito republicano e, consequentemente, vários gerentes chamados de chanceleres. Esse cargo vem sendo ocupado desde 2005 por uma senhora chamada ANGELA, que nada tem de celestial. Essa Angela MERKEL não vem se dedicando, como jurou, ao bem do povo que dirige, mas, ao contrário, é ela que está promovendo a extinção étnica dessa gente. Por tabela, é responsável por fazer o mesmo com toda a população branca da União Europeia. É um processo que pode provocar uma guerra civil e botar fogo em todo o continente. MERKEL, verdadeiro anjo do mal, conta com o apoio de Soros, lugar-tenente de ROTHSCHILD, imperador da Wall Street de Londres (onde o dinheiro nunca dorme). Foi ele, Rothschild, que fez seu ex-empregado MACRON ser eleito o atual presidente da França. Talvez até devesse substituir a Merkel , mas ela resiste. São esses os que atualmente mais aparecem na linha de frente dos que buscam criar a NOVA ORDEM MUNDIAL.

MAIS DOIS NOMES EM EVIDÊNCIA

Temos mais dois nomes que estão botando a mão no timão que dirige a humanidade ao seu futuro: Os presidentes TRUMP dos Estados Unidos e PUTIN da Rússia. Ambos geram constantes manchetes. Hoje estarão se encontrando na Finlândia.

TRUMP É O MAIS ODIADO? - Se atentarmos para o que a mídia nos mostra e informa, esta pergunta deve ser respondida afirmativamente. Os noticiários procuram denegrir sua imagem de todas as maneiras e ele ajuda. Faz declarações contraditórias e desafiadoras. Não costuma sair bem na foto e é antagonizado publicamente por manifestações de rua em países que visita. Isto desperta um alerta. O que é que um cidadão francês, belga ou inglês tem a reclamar de TRUMP, que o faça largar seus afazeres, ou seu conforto, confeccionar cartazes de protesto e IR P’RA RUA, manifestar sua desavença com o visitante do seu país? É claro que isto é induzido, organizado com propósitos bem definidos. Afinal, para o que hoje existem ONGs?  São os Globalistas que não gostam de Trump. Ele se definiu e foi eleito como NACIONALISTA, portanto é deles o inimigo número um.

Trump está empenhado em recuperar a economia da nação que preside e evitar a substituição cultural da sua população. Propósitos lógicos que todo dirigente deveria ter. Mas desde que em 1989 George H. W. Bush  assumiu a presidência dos EUA todos os governos que antecederam a Trump foram globalistas. Deixaram um legado, hoje chamado de DEEP STATE, um estado paralelo, infiltrado em todas as áreas governamentais, criando toda sorte de dificuldades para o atual mandatário. Acho que isto explica por que os formadores tendenciosos da opinião pública não gostam dele.

Finalmente temos o seu interlocutor de hoje Vladimir PUTIN, presidente da Rússia, fortemente hostilizado por quase todo o ocidente, incluindo governo e imprensa. Não me perguntem o motivo. Igual à Merkel, Putin se criou sob influência da União Soviética, ele na KGB (Serviço Secreto) e ela em destaque político na antiga Alemanha Oriental, também comunista. Ao contrário dela, acredito que ele, Putin, não guardou veleidades ideológicas. Ele está cuidando bem dos interesses do seu país. Por mais que seja hostilizado, Putin não antagoniza ninguém. Conseguiu boas relações públicas com a organização do campeonato mundial de futebol. Não creio que a conferência entre Putin e Trump, que está em andamento, venha a mostrar resultados relevantes.

Bem ao contrário dos primeiros  nomes citados neste post, eu confiaria bem mais nestes dois últimos a tarefa de enfrentar as dificuldades e os problemas que nos esperam.

5 de julho de 2018

VACINAS - PUTIN ESTÁ CERTO

Não é só ele que questiona a liberalidade que tomou conta da saúde pública, com o amplo e indiscriminado uso de vacinas.  Mas o bom é que é um chefe de estado que agora se manifesta. Médicos e cientistas já o fizeram e consta que alguns já pagaram caro por tê-lo feito.

Durante a campanha para a reeleição deste ano Putin prometera (Pravda) que pretendia realizar a primeira e ampla investigação mundial sobre a segurança das substâncias empregadas na imunização das pessoas. Importante notar que isso não vem sendo feito, porque o Congresso dos EU aprovou uma lei que impede que os produtores de fármacos não podem ser responsabilizados judicialmente por danos resultantes de vacinas. Testes de vacinas só acontecem esporadicamente.

Putin afirmou que é notório o fato de vacinas já terem causado sérios danos a muitas pessoas e que é preciso descobrir o porquê. “Temos que descobrir quais as que são seguras e quais as que não. Até hoje não existem pesquisas de longo prazo - meses, anos – que determinem a segurança da vacinação de crianças.” Deu a entender também que a incontrolada expansão da indústria de vacinas possa ter a ver com o aumento dos casos de autismo.

A segurança do povo russo sempre foi uma das preocupações centrais de Putin e ele não confia na indústria de vacinas. Não está só com tais receios. O eugenista Bill Gates tem suas dúvidas. Foi ele que disse que “vacinações são o melhor meio para reduzir a população”. O Presidente Trump já manifestou a ideia de constituir uma comissão, com o fim de analisar os efeitos negativos dos procedimentos de imunização. O ator Robert de Niro tem um filho autista e acredita que o mal é consequência da vacina. Ofereceu 100 mil dólares a quem lhe provasse que o ingrediente Thiomersal (mercúrio) é seguro e inofensivo. Ninguém se candidatou até agora.

Recentes notícias nos dão conta de que o sarampo voltou a se manifestar aqui no Brasil, depois de há muitos anos estar ausente das nossas estatísticas sanitárias. Isto, naturalmente, graças às campanhas de vacinação. Já se cogita em reencetá-las.  Mas seria o sarampo algo tão perigoso? Eu, quando criança, tive sarampo, como então a maioria das crianças. Era considerado normal a criançada passar por uma bateria de determinadas doenças – não me lembro dos nomes – pois quem as tivesse uma vez, não as teria de novo. Também não assustavam, quando adequadamente cuidadas (em casa mesmo) em pouco tempo eram superadas. O bom era que a gente não precisava ir às aulas por uns dias.

Uma coisa fica clara: a vacina tornou-se um negócio dos mais rentáveis, talvez trilhonário. É uma mercadoria de consumo quase obrigatório, paga com dinheiro público. Acho que Putin está certo.