23 de março de 2021

PLANTAÇÃO SINISTRA

 

Hoje, caro leitor, vou pedir que imagine como reagiria em duas situações distintas. Numa delas alguém seria alvo de ameaças. Querem lhe tirar a vida. É natural que a reação dele vai ser a de pedir proteção à polícia. Na outra situação, que submeto à sua análise, paira uma ameaça no ar, bem mais séria. Meio mundo estaria para ser exterminado. Oito, ou até mais, pessoas em cada dez, devem ser eliminadas. Inacreditável. Absurdo mesmo, bobagem, ninguém acredita. Tampouco o prezado leitor. Não há como imaginar isso na prática. Não existe metralhadora, nem bomba atômica que possa servir para executar um serviço destes. E quem cuidaria da remoção das vítimas? Não dá.

Mas tem gente, gente graúda, pensando nisso. Acham que o nosso planeta está superpovoado. E não fazem segredo. Não faz muito tempo, erigiram um enorme monumento nos Estados Unidos, chamado de Georgia Guide Stones que define entalhado na pedra e em 8 idiomas que o número de habitantes na terra não pode passar de meio bilhão (somos hoje quase 8 bilhões).

Pensando bem, será que é impossível mesmo realizar projeto tão fantasioso? A natureza consegue. Houve tempos em que os casais tinham sete ou mais filhos e outros que impressionam pela baixa fertilidade. Cai o número de nascimentos, não só de humanos, também de animais, em áreas sujeitas a desabastecimento. Bom, não é meu propósito aqui falar da ação da natureza, apenas lembrar que ela pode servir de inspiração aos mal-intencionados. O projeto de reduzir a população não precisa ser executado em um mês, ou em um ano. Se bem me lembro já foi fixado o ano de 2050. Em trinta anos pode acontecer muita coisa, tal como aumento da morbidez , maior susceptibilidade a doenças, mudanças na situação econômica, subnutrição etc.

Tudo está a indicar que a encenação monstruosa, que estamos assistindo há mais de ano, destina-se exatamente a isso.




3 de março de 2021

ALVISSAREIRO

 Acaba de ser divulgado que 

a partir de 10 de março próximo

o Estado do TEXAS, Estados Unidos,

voltará à normalidade, deixando de 

impor à sua população qualquer das 

restrições sociais corona-motivadas. 

Se a notícia se confirmar é provável

que em breve outros governos devem

seguir o exemplo.

21 de janeiro de 2021

EFEITOS COLATERAIS

Como se temia, estão aparecendo as consequências danosas desta vacinação precipitada. De vários países vieram informações sobre mortes e sequelas entre os que acabaram de ser vacinados contra Convid-19. Na Baviera, Alemanha, morreram sete idosos no último fim de semana, moradores em um asilo de velhos. Outra notícia assustadora veio da Noruega dizendo que lá morreram 29 pessoas de certa idade após receberem a primeira dose da Pfizer-BioNtech. Segundo informa o serviço noticioso americano Bloomberg as autoridades de Saúde da Noruega publicaram uma advertência sobre o perigo que representam os efeitos colaterais das vacinas Covid 19 para idosos e doentes. Também de França veio informação da morte de cinco pessoas que sofreram aplicação da vacina da Pfizer/BioNTech. Da Europa toda foram informados 71 casos de pessoas que morreram após serem vacinadas contra Covid-19. Os Estados Unidos informam através do VAERS Vaccine Advers Event Reporting System a morte de 55 pessoas após vacinadas por Moderna ou Pfizer/BioNTech. Outras 96 correram risco de morte, 24 casos de incapacitação, 225 internamentos e 1.388 visitas às emergências das casas de saúde. Um fator altamente preocupante é uma informação de que haveria metal no conteúdo da vacina. Se for verdade pode ser que seja mercúrio, do qual se sabe que causa danos a cérebro e nervos. O mercúrio é um conservante, mas segundo se afirma, não faz parte da fórmula das vacinas em questão. Dentro de todo esse contexto é de se lembrar que as indústrias produtoras das vacinas não são responsáveis por efeitos colaterais que possam resultar das aplicações. Foi uma exigência atendida pelos governos para que elas pudessem cumprir os prazos exíguos que lhes foram impostos (sic). Fica a pergunta se neste caso o governo se investiu desta obrigação. (Fonte: Alles Schall und Rauch)

12 de janeiro de 2021

CORONA e Papai Noel

Julgava mais fácil acreditar em Papai Noel do que neste Super-Vírus. Não quero comparar, mas o que não se compreende é como é que o tal de vírus, algo que não se pode ver, nem tocar, veio a se fixar com tal persistência na mente da grande maioria das pessoas como sendo um agente que veio para matar todo mundo. Se andassem de olhos e ouvidos abertos, saberiam que VÍRUS sempre existiram e circulam a nossa volta. Também costumam formar ondas, aproveitando condições sazonais. É o caso do vírus da gripe e do resfriado. Existem até os bons vírus que combatem os maus. Então nada são de novo como ideia, como ameaça de doença e até de morte, mas das mentes onde se instalou o Coronavírus, este parece ser inarredável. Tem pessoas que vão dormir de máscara, outras praticam esporte semtirar essa “focinheira”. Tente avisá-las de que estão prejudicando a sua própriasaúde, que estão respirando 20% menos oxigênio e reaspirando grande parte do CO que o pulmão havia expelido. Debalde, ficam furiosos. É o resultado dessa união mundial, não só de governos, mas, principalmente, dos veículos de comunicação, da mídia internacional. O que fizeram pairar sobre o mundo, vem a ser uma arma, arma da guerra que declararam à humanidade. Aliás lá no princípio do ano passado o gen. Colin Powell chamou o que estava acontecendo de"Operação militar". Poiseu conto para vocês, que estou chegando à conclusão - e não sou só eu não - de que tudo o que está desabando sobre nós hoje teve seu início em 1774 em Ingolstadt, Baviera, implementado por um homem chamado Adam Weishaupt. Foi ele que então fundou a Ordem dos Illuminati. Seu programa não deve ter sido muito conservador, pois dez anos depois de criada a Ordem foi proibida e o lider Weishaupt expulso, vindo a se fixar em França, onde cultivou contatos com os Rothschild e na própria Revolução Francesa deixou suas impressões digitais. Os Illuminati adquiriram importância mundial é nos Estados Unidos e hoje sua influência nos desígnios do mundo é irrefutável. O domínio mundial deve ter sido desde o início o seu objetivo e o principal motivo da sua proibição inicial. A queda de impérios, guerras mundiais e as mais recentes guerras localizadas na África e Oriente Médio pavimentaram o seu caminho ao topo. A grande ameaça corônica não é o vírus. É normal, faz parte da vida. Sempre houve os que adoeceram, sempre houve os que pereceram, tudo em número equilibrado aos de hoje. Nada que justificasse todo este teatro que foi encenado e é mantido. Nunca se pensou em fabricar às pressas, prazos até hoje considerados impossíveis, com gastos mirabolantes, vacinas contra a gripe do ano, em número suficiente para vacinar todo mundo. Portanto o objetivo desta farsa é outro. Não pode ser bom, senão seria revelado. Nos resta aguardar.