14 de agosto de 2018

OS SUPREMACISTAS


Faz um ano desde os tumultos ocorridos em Charlottesville, quando um grupo de pessoas protestou contra a retirada de uma estátua, erigida em memória do general Robert E.Lee. Ele sempre foi considerado um herói da história americana. Foi uma decisão da governança do município que reascendeu desnecessariamente a dissensão entre sulistas e yankees nortistas. Isto foi devidamente aproveitado pela esquerda globalista para mobilizar uma contramanifestação, que não teria passado de costumeiras agressões verbais de lado a lado, não tivesse ocorrido o atropelamento fatal de uma mulher. Claro que a mídia tendenciosa incluiu imediatamente o motorista causador entre os famigerados sulistas , direitistas, racistas, nazistas, passando tudo a ser de responsabilidade dos SUPREMACISTAS BRANCOS! Pronto, ponto para os que querem incentivar o ódio, seja entre origens ou grupos populacionais, plantando brechas na sociedade. Hoje não precisa mais falar em “brancos”, basta dizer “supremacistas” e com isto acontece uma discriminação subliminar dos BRANCOS, o que na verdade é uma incitação ao ódio velada. Não há mais razões para falar de “supremacia”. Nos Estados Unidos a discriminação terminou, se não me engano, nos anos 60 do século passado. Na África do Sul acabou oficialmente em 1994 (há notícias de que agora está virando ao contrário).

O uso, ou o mau uso das palavras passou a ser uma ciência. Outro exemplo temos na história da segunda guerra. A palavra NAZISTAS passou a caracterizar os maus combatentes, os malintencionados. Não foi uma guerra dos anglo-saxões contra os alemães, ambas as partes com seus respectivos aliados, não, foi uma guerra do mundo contra os NAZISTAS. A propósito uma pergunta: Os nazistas, acusados de tantas crueldades, não eram brancos? Fato é que hoje as notícias falam de “nazis” em Charlottesville, ou em qualquer parte do mundo e a OPINIÃO de quem ouve, ou lê, já passa a ser a de que não estão falando de gente boa. Com SUPREMACISTAS acontece a mesma coisa.

É um jogo de palavras, um jogo tétrico. Serve para fabricar opiniões! OPINIÃO DEVE SER FRUTO DE RACIOCÍNIO.

»Recomende a matéria a seus amigos, o Toedter agradece«



20 comentários:

  1. As pensões das filhas de militares custam R$ 470 milhões por mês aos cofres públicos. São R$ 6 bilhões a cada ano – valor suficiente para adquirir 16 dos 36 jatos militares Gripen, fabricados pela empresa sueca Saab, com quem a Aeronáutica firmou contrato de compra em outubro de 2014. São 87 mil filhas pensionistas, e com uma vantagem em relação às dependentes de servidores civis: elas podem ser solteiras, casadas, ter união estável, divorciadas ou desquitadas.

    https://oglobo.globo.com/brasil/filhas-de-militares-recebem-pensoes-que-superam-5-bilhoes-22724085

    https://www.gazetadopovo.com.br/blogs/lucio-vaz/2018/04/17/invejavel-previdencia-das-filhas-de-militares-ate-senhoras-casadas-ganham-pensao/

    Lia Bock pergunta em seu blog: "Mulheres que estudaram em boas escolas, que cursaram faculdade de ponta, que viajaram o mundo e não conseguem se sustentar? Do alto da minha petulância eu diria: 'esse não é um problema nosso, madame. Se vira nos trinta'."
    https://www.revistaforum.com.br/filhas-de-militares-que-vivem-da-pensao-do-pai/

    Votem em Bolsonaro e Mourão, não deixem as filhas dos militares (e maçons) sem academia, salão de beleza, esmalte novo, sem viagens pra Miami ...

    São parasitas.

    Cobalto
    -----------------------------------
    https://www.youtube.com/watch?v=VNttGAaek2U

    ResponderExcluir
  2. Entao e assim so para os mentecaptos
    Supremacia branca é uma forma de racismo centrada na crença de que os brancos sao superiores a pessoas de outras origens raciais e que, portanto, os brancos devem governar politicamente, economicamente e socialmente os nao-brancos de resto isto nao tem nada de racismo nem nazismo kkkkkkk so trambiqueiros.

    ResponderExcluir
  3. A questão racial é evitada a todo custo! Há pavor de certos interesses de expor o assunto de modo a tudo que se estudou seja abordado sem afobação e sem precipitação. Há medo da transparência por parte dos que precisam do engano e da mentira, simples assim. Abaixo um breve ensaio de nossas origens indo-europeias, isto é, do povo branco!

    Biopolítica, racialismo, e nacionalismo na Grécia Antiga: Uma visão sumária - Por Guillaume Durocher (pseudônimo)

    https://worldtraditionalfront.blogspot.com/2018/08/biopolitica-racialismo-e-nacionalismo.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ok. O povo branco se originou desses tais indo-europeus. E os indo-europeus quem os originou?

      "Réplica do Discóbolo do escultor grego Míron (século a.C.)" qual século?

      Excluir
    2. Século V a.C.

      "O povo branco se originou desses tais indo-europeus. E os indo-europeus quem os originou?"

      O mundo dos indo-europeus - Por Alain de Benoist

      https://worldtraditionalfront.blogspot.com/2018/07/o-mundo-dos-indo-europeus-por-alain-de.html

      Excluir
    3. Seu artigo diz:

      Duas teses sobre o local de origem dos indo-europeus:

      uma origem “asiática” e a segunda tese é a de uma Unheimat situada na Europa central ou na Rússia meridional. Diz também “situando-se as raízes de tais formações étnicas no mesolítico[3]”. Mesolítico não é povo nem raça nem nacionalidade.

      O artigo não diz nada. Ou não se sabe mesmo, e, supostamente sabe-se até os indo-europeus existindo na região do Cáspio e Negro, recuando mais seguramente nada se sabe.

      Apesar de ficar sem a resposta, obrigado mesmo assim.

      O seguinte vídeo sucinto têm mais lógica:
      https://www.youtube.com/watch?v=zuMsB_ZxAVE

      Excluir
    4. "O artigo não diz nada. Ou não se sabe mesmo, e, supostamente sabe-se até os indo-europeus existindo na região do Cáspio e Negro, recuando mais seguramente nada se sabe"

      Na realidade é melhor caro anônimo, você abrir o diálogo lá na própria página do artigo que citei, pois é especificamente para o assunto em questão. Aí dá para desenvolver melhor as questões.

      Excluir
    5. No momento estou em outras demoradas leituras, mas lhe retornarei, caro Alexander.

      Encerro e deixo meu muito obrigado pela sua atenção e ao sr. Norberto pela disponibilização do espaço para essa pequena troca. E a ambos, boa sorte no blog.

      Excluir

  4. Patetas sao sempre patetas kkkkk

    https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2014/09/140918_europeus_origem_tres_tribos_rb

    O estudo também revelou que os primeiros fazendeiros e seus descendentes europeus têm como ancestrais uma linhagem antiga conhecida "eurasianos basais". Este grupo representa a primeira separação ocorrida entre os humanos que deixaram a África há 60 mil anos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem se pode afirmar separação alguma uma vez que não se sabe se as RAÇAS humanas são monogênicas ou poligênicas.

      Excluir
  5. Falando em supremacistas ...

    Tropas de Israel vigiam a tríplice fronteira
    http://old.operamundi.com.br/dialogosdosul/tropas-de-israel-vigiam-fronteira-entre-argentina-brasil-e-paraguai/08082018/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz tempo, Thiago. E estão na Colômbia e Chile também. Argentina está de joelhos, creio que exista sua presença também nas Malvinas. Além de terem comprado empresas e o setor de vigilância de fronteira do Brasil, portanto, vigiam "para nós", sabem tudo o que acontece na fronteira ANTES do próprio governo brasileiro e do Exército que se cala traiçoeiramente ante situação tão medonha. E têm muito mais, porém alguns de meus comentários não apareceram. Não reclamo, nada pessoal, é total direito, mas também responsabilidade. Se fosse pessoal, não estaria mais comentando aqui.

      Agora me digam, sabendo do histórico judaico-maçom-americano-britânico pelo mundo e pela História, e agora na administração de nossas fronteiras, somos soberanos? Temos juízo? Temos exército? Estamos seguros ou somos "colônia brasileira" como denuncia o presidenciável Cabo Daciolo?

      Infelizmente é intervencionista, acredito que seja por ingenuidade:
      https://www.youtube.com/watch?v=UbYK1SFQJ6s

      Na ocasião do vídeo acima, e reparem na cara de preocupado do alto escalão das armas NO Brasil, disse ter como vice um militar, o que acabou não acontecendo. Hoje é uma civil, a professora Suelene Balduíno Nascimento. Talvez a Maçonaria, comandante verdadeira do Exército NO Brasil, interviu pela mudança.

      Forças Armadas NO Brasil : purga já!
      Maçonaria : criminalização e extinção já!

      E vamos acompanhando o andar da carruagem.

      Cobalto

      Excluir
    2. "Além de terem comprado empresas e o setor de vigilância de fronteira do Brasil" onde encontro mais informações?

      Excluir
    3. Faz tempo que li sobre isso, mas achei esse:

      https://www.redebrasilatual.com.br/economia/2016/08/com-queda-da-odebrecht-elbit-fabricante-israelense-de-drones-tenta-decolar-no-brasil-7276.html

      Assim como os caças e os blindados, também os drones comprados de Israel e EUA vem com tecnologia de GPS disfarçadamente embutido que dá a localização, leitura e toda a movimentação que o veículo militar fizer para aqueles governos. Além de querer defender seus segredos tecnológicos, por isso certas partes/estruturas quando necessário a manutenção periódica ou ocasião de defeito, o comprador está proibido em cláusula contratual de acessar, exigindo-se técnico estrangeiro.

      Cobalto

      Excluir
  6. Exército = alcova de maçons. Purga geral e já!

    https://www.youtube.com/watch?v=B8TH4nl0U6s

    Cobalto

    ResponderExcluir
  7. Sr. Toedter, abaixo dois artigos mostrando um dos principais redutos anti-brancos dentro dos EUA.


    “Judeus, comunistas e o ódio genocida nos “Estudos sobre a branquitude”- Por Andrew Joyce

    https://worldtraditionalfront.blogspot.com/2018/02/judeus-comunistas-e-o-odio-genocida-nos.html


    Harvard odeia a raça branca? – Por Paul Craig Roberts

    https://worldtraditionalfront.blogspot.com/2018/06/harvard-odeia-raca-branca-por-paul.html



    ResponderExcluir
  8. Prezado senhor Toedter e os demais, saudações!

    O caso Charlottesville retratado em conteúdo de sua lavra, “OS SUPREMACISTAS”, o senhor sabiamente vai ao ponto, já por inúmeras vezes trazidos a luz em seus ensaios. Os jornalões e outras mídias ocidentais tem lado, o lado escuro/oculto, o da enganação, do engodo, da mentira, dos interesses inconfessáveis dando a entender sem nenhum pudor a eliminação da raça branca.

    Aqui no blog, o senhor já fez ver a todos nós que isso vem de longe, me atreveria a indicar o 1º Congresso Sionista Mundial, na cidade de Basiléia, na Suíça, em 1897, porém, o personagem mais sombrio, diria ser Richard Coudenhove Kalergi, um “ilustre” desconhecido para muitas pessoas.

    O citado, em 1922, se não me engano, fundou o movimento Pan-Europeu, em Viana agregando o propósito da criação da Nova Ordem Mundial, baseada numa federação de Nações, liderados pelos EEUU.

    Essa (des) integração europeia, no inicio, contou co apoio de gente tipo, Tomás Masaruk, Edvard Benes (lembram desse último), além, do banqueiro Max Warburg, o qual investiu os primeiros 60.000 Marcos na ideia. A saber, além dos citados apoiadores se somaram muitas outras personalidades.

    Apenas complementando a citação acima, o premio Europeu Coudenhove-Kalergi a ser conferido aqueles que excederam na promoção criminosa desse plano constam nomes como Angela Merkel e Herman Van Rompuy.

    Esse purê de culturas, conforme definido pelo senhor em 11/maio, acertadamente, concorre em todos os solos habitados por brancos, aceleradamente, contando com o apoio do famigerado George Soros, que deveria ser Soros positivo.

    Devem contar com mais apoiadores tipo, os Rothschild, os Warburg, os Morgan, os Rockefellers e por vai.
    ,
    Senhor Toedter, o floreio em solo europeu, não buscou afastar-se de Charlottesville, mas mostrar a intima ligação dos acontecimentos anti-brancos na citada localidade com aqueles europeus.

    O caos criado tem efeitos perversos, criminalizam-se uns, outros não, afinal a narrativa favorece os donos do dinheiro, mas o pior é que é que muitos brancos afinam-se com essa agenda, anti eles mesmo.

    Felizmente, só o trabalho liberta, mas, impulsionado pela mão do conhecimento, temos a liberdade consciente.

    Grato pela oportunidade.

    Clovis Eichler

    ResponderExcluir
  9. "Nos Estados Unidos a discriminação terminou, se não me engano, nos anos 60 do século passado. Na África do Sul acabou oficialmente em 1994 (há notícias de que agora está virando ao contrário)."

    Senhor Norberto, tem certeza? Acabou?
    O preconceito contra negros e minorias ainda existe nos EUA.
    Violência policial e de outras formas.
    Texto parcial e tendencioso.

    Francisco Xavier
    Rio de Janeiro-RJ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na realidade as estatísticas nos EUA mostram que a violência que mais sofrem os negros é dos próprios negros.

      Quanto a questão racial ser preconceito, vai dela ser falada as pressas ou ser algo ponderado e refletido. Afirmar superioridade de uma raça não é necessariamente preconceito, pode ser resultado do mais alto discernimento, uma vez que igualdade não existe, mas é produto em religião do universalismo cristão, e na cultura do iluminismo. Falar de raça é falar de biologia, psicologia, antropologia, cultura, história, genética, espiritualidade... falar com propriedade destas disciplinas é o caminho contra o preconceito, é o caminho da formação de conceito!

      Agora explorar qualquer povo independe de preconceito, mas é determinado por egoísmo, ignorância e má fé!

      Cada caso é um caso!

      Excluir
  10. https://www.real.video/5827271641001

    ResponderExcluir

Escreva aqui o SEU pensamento sobre o assunto. É dispensável repetir o que já é de domínio público. A indicação de links deve ser acompanhada de breve descrição do conteúdo. Mensagens anônimas não são bem-vindas, agressões e baixarias não serão publicadas.