21 de março de 2019

NÃO FOI ELE!

“...e a culpada de tudo foi a Alemanha.” Assim terminou minha  postagem anterior. Mas vamos continuar neste assunto, porque a guerra continua.

Ainda no último fim de semana a RPC da Globo não se pejou em  brindar seus telespectadores pela enésima vez com uma reportagem sobre o holocausto. É de se reconhecer que os patrocinadores desta matéria são de uma persistência insuperável. Graças a ela conseguiram meios para construir um estado inteiro e talvez nunca mais terão que temer um povo que teve o desplante de querer interferir nos seus projetos mais ambiciosos. Além de se servirem dessa colaboração dos meios de comunicação, que vem se estendendo por décadas, ainda fizeram com que  o judiciário de muitos países trabalhasse para eles, punindo quem a eles se opusesse. Aqui felizmente o Congresso brasileiro mostrou soberania, não se submetendo a demandas impertinentes.

Voltando ao American Hebrew, assunto da matéria anterior. Ali já deve ter ficado claro quem realmente queria a guerra, a 2a GUERRA MUNDIAL. Certamente não foi, como todas as escolas ensinam, como quase toda literatura mundial expõe, como letra, som e imagem dos jornais, rádio e teletransmissoras repetem, a Alemanha, aquele desventurado Reich de Adolf Hitler.

== Hitler acabara de tomar posse como chanceler da Alemanha, quando seis semanas depois, dia 24 de março de 1933,  o DAILY EXPRESS de Londres publica em sua 1a.Página a manchete JUDEA DECLARES WAR ON GERMANY (Judeus declaram guerra à Alemanha). Ainda não existia o estado de Israel, mas dizia o texto “(...)Quatorze milhões de judeus em todo mundo (…) O Reich está diante de um boicote total no comércio, nas finanças e na indústria.”

== Bernard Lecache. fundador da Liga Judaica Mundial, já dissera em  20.7.1932: “Alemanha é nosso inimigo de estado nr.1, é nosso obrigação lhe declarar uma guerra impiedosa.”
Existem outras citações da época que, em seu espírito, seriam repetitivas, mas há mais um aspecto, que geralmente é até alegado como prova da agressão alemã e que merece aqui ser analisado. Seus soldados teriam sido os primeiros a atravessar a fronteira para a Polônia. Realmente o fizeram, mas não para desencadear uma guerra e sim, para dar proteção aos 740 mil alemães que viviam em regiões desmembradas em 1919 pelo Tratado de Versailles e estavam sofrendo perseguições cada vez mais provocativas e  sangrentas.

Com a derrota bolchevista em 1917 a Polônia conseguiu se reestruturar como república independente, mas não se desenvolveu de maneira pacífica e neutra. Sua história fora marcada por muitas mudanças de fronteiras que acompanhavam mudanças que por herança ou acordos aconteciam nas famílias reinantes. Logo após término da 1a.Guerra e em desrespeito ao Tratado de Versailles, constituiu grande contingente de forças armadas. No período entre as duas guerras realizou ataques contra os países vizinhos, como a União Soviética, enfraquecida pela revolução, Lituânia, Alemanha e Tchecoslováquia, incorporando áreas fronteiriças ao seu território. Mal Hitler tinha sido empossado, o chefe de estado Polonês, Mal.Pilsudski já chegou a convidar a França para atacarem a Alemanha em conjunto. Seu sonho era empurrar a fronteira oeste para próximo de Berlim (o que afinal aconteceu após término da Segunda Guerra).

A Inglaterra, principal interessada em acabar com o crescimento econômico que a Alemanha vinha desenvolvendo, aproveitou-se da situação e fez da Polônia uma armadilha. Garantiu-lhe proteção armada contra qualquer agressão estrangeira, fazendo os poloneses deitar e rolar. Tanto que já mobilizaram suas tropas em março de 1939 e rechaçaram todas as propostas de acordo. Riam das advertências alemãs e, convencidos de sua superioridade, consideraram os blindados alemães feitos de papelão. Sua cavalaria chegou a atacá-los com lanças.

O que é esquecido pela história é que em 5/9/1939 a Eslováquia também declarou guerra à Polônia e dez dias depois a União Soviética invadiu o país pelo leste e acabou ocupando metade do território polonês. Curiosamente o verdadeiro estopim da guerra, a garantia de proteção dada por britânicos e franceses, contra estes países não foi acionada.
E para terminar:
“Estamos em guerra com Hitler desde o dia em que tomou posse”.
THE JEWISH CHRONICLE/Londres -8.5.1940
Então, quem foi o grande culpado?

68 comentários:

  1. Em 1919 e não 2019. hehe

    Abraços Sr. Norberto,excelente postagem,como sempre!
    Gostaria de aproveitar para perguntar se tem previsão para um novo livro.

    Obrigado por continuar na luta.

    Jean

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Вот она, уродливая ошибка природы - крысочеловек!
      https://archive.is/PIIpv#selection-4035.0-4035.165

      Excluir
  2. Excelente artigo Sr. Toedter!

    Parabéns atrasado! É um prazer e uma honra ter sua companhia na luta contra a desinformação!

    Fica esse artigo aqui como texto didático na linha dos deus dois últimos artigos:

    Hitler queria Guerra? - Por Patrick Joseph Buchanan

    https://worldtraditionalfront.blogspot.com/2018/09/hitler-queria-guerra-por-patrick-joseph.html

    ResponderExcluir
  3. Muito bom artigo Sr.Toedter!
    Quem iniciou a Segunda Guerra Mundial? Escondem o principal motivo da invasão de Hitler na Polônia! A segunda guerra mundial iniciou em 01 de setembro de 1939 quando a Alemanha invadiu a Polônia e dois dias depois, em 03 de setembro de 1939, por força de um tratado de ajuda recíproca entre Inglaterra, França e Polônia, os ingleses e franceses declararam guerra contra a Alemanha. Não foi a Alemanha que declarou guerra contra a Inglaterra e a França, mas sim esses dois países “democratas” e imperialistas criminosos que naquela época dominavam o mundo como os maiores colonialistas-imperialistas na terra declararam guerra contra a Alemanha! Mas esses “democratas” escondem até hoje o que aconteceu com os alemães que a sua terra foi dada para os polacos e que antes da segunda guerra começar, na Polônia cerca de 58.000 civis alemães residentes no território da Pomerânia e Silésia, que e terra alemã é foi roubada da Alemanha depois de Primeira Guerra no tal Tratado de Versalhes, aqui foram assassinados milhares de alemães pelos racistas polacos com requintes de crueldade, como mostrado pelas fotos da Cruz Vermelha Internacional das famílias de alemães mortas a machadadas, facadas, pauladas e a tiros em Bromberg, na década de 30. Hitler só invadiu a Polônia para salvar seus concidadãos da morte pelas mãos daqueles racistas poloneses que estavam trucidando os alemães na sua terra roubada pela Polônia. O que Hitler fez foi salvar seus concidadãos que estavam sendo assassinados pelos polacos. Quando Hitler invadiu a Polônia ele estava tentando resolver esse problema, que era somente entre esses dois países, a guerra só se tornou mundial após as criminosas democracias colonialistas-imperialistas que dominavam o mundo, como a Inglaterra e a França para defender um país agressor pois seu povo estava a assassinar pessoas inocentes. Os alemães que ficaram escravizados no lado polonês pediam clementemente que Hitler interviesse para conter aquele genocídio. Em 1939, quando sem outras alternativas, o líder alemão ordena a invasão do oeste da Polônia, com a União Soviética invadindo simultaneamente a parte leste. Mas os tais “democratas” aliados ao comunismo declararam guerra somente à Alemanha. E quem se beneficiou com tudo isso?Somente os polacos que ficaram com a maior parte das terras alemãs Pomerânia e Silésia e ainda os polacos receberam bilhões de dólares como indenizações de guerra da Alemanha! Essa e boa, eu roubo as terras de alguém, mato os seus cidadão e depois recebo ainda “indenizações de guerra”!!! Depois de 1945, 14 milhões de alemães foram expulsos das suas terras e casas da Europa do Leste e, 3 milhões foram mortos com crueldade típica dos assassinos comunistas, espancamentos, linchamentos, fuzilamentos ect. E hoje os mesmos criminosos aliados comunistas, capitalistas e seus chefes judeus estão trazendo milhões de miseráveis invasores estrangeiros vindos como gafanhotos famintos para viver melhor na terra dos “nazistas”, já que Alemanha hoje é a maior potência econômica da Europa e tem vida melhor do que os seus “vencedores” incompetentes, o que acho uma vergonha para todos os babacas “anti-nazistas”! E a maior vergonha é pra os polacos! Por que? Por causa disso aí: Após a adesão da Polônia à União Européia em 1 de maio de 2004, mais de 500.000 mil polacos pobretões e atrasados em todos os sentidos frente os alemães, se enfiaram na terra dos “nazistas” alemães pra ganhar salário “nazista” de 2.285 mil euros por mês na Alemanha, já que na sua miserável Polônia o salário e de 380 euros ao mês!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Podes, por favor, citar a fonte somente destas últimas informações, sobre a adesão da Polônia à UE e as condições salariais alemãs e polonesas? Obrigado.

      Excluir
  4. Prezado Sr.Toedter, se me permite só uma pouca coisa mais a dizer?

    Os inimigos do povo alemão tem que acabar com essa deslavada mentira de que Hitler “invadiu a Polônia em 1939”! Na verdade Hitler reconquistou as províncias alemãs Pomerânia e Silésia que foram dadas aos polacas no infame Tratado de Versalhes depois da Primeira Guerra Mundial! O próprio historiador romano Publio Cornelio Tácito(56 d.C.-117 d.C.) escreveu sobre os Vandalos e Silingos (de aí vem a Silésia!), tribos germânicos que 200 anos antes de Cristo chegaram na atual Alemanha e Polônia e lutaram contra o Império Romano! Ora, todos os historiadores eslavos falam até hoje que as tribos eslavos de poloneses, checos, eslovacos, eslovenos, croatas, sérvios, búlgaros e macedônios, chegaram na Europa só no século V depois de Cristo, quer dizer com 700 anos depois dos alemães! E um insignificante país Polônia foi criado só em 990, por um tal Miecislau I (962-992). Depois de 1945, as províncias alemãs Pomerânia e Silésia foram dadas de novo para os comunistas polacos que expulsaram os alemães e hoje está tudo “polonizado”! Trocaram os nomes alemães com nomes polacos, só alguns exemplos: Breslau a capital da Silésia hoje é “Wroclaw”! Stettin a capital da Pomerânia hoje é “Szczecin”! Oppeln, hoje é “Opole”! Grüner Berg, hoje é “Zielena Gora”! e assim vai afora!

    ResponderExcluir
  5. que Hitler “invadiu a Polônia em 1939”!

    Irrra


    Mas o rapazito mas isso e um facto fisico, caramba homem, quer tu queiras ou nao invadiu ponto. Podes dar as voltas que quiseres justificar como quiseres mas quem aparece nas imagens a violar a fronteira polaca levando na frente uma barreira alfandegaria sao soldados alemaes no dia 1 setembro 1939, se conseguires mostrar soldados polacos a fazer isso mostra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! Muitas coisas precisam ser mostradas! Até inventaram que Hitler dera ordens de extermínio dos judeus. Bastou o revisionismo entrar e a falácia voltou de ré! Aí surgem os malabarismo de códigos secretos que os judeus alegam ter os nazis usados rssss

      Ou ele deu ordem?

      Esse é o ponto de partida.

      Mas ao menos as violações às minorias alemãs são fatos, bem como a agitação para por as potências europeias contra os nazis a esse pretexto.

      Por fim, outro fato que até hoje não me respondem, é por que se a invasão alemã na Polônia foi motivo de Inglaterra declarar guerra, por perda de soberania nacional polonesa, ao fim da Guerra não os Aliados não devolveram a soberania à Polônia e a deixaram nas mãos dos soviéticos?

      A Polônia era tudo para o início da guerra e valia nada no final da guerra?

      Deve ter havido outros motivos nessa guerra. Tenho vários aqui abaixo:

      As origens da Segunda Guerra Mundial - Por Georg Franz-Willing

      https://worldtraditionalfront.blogspot.com/2018/03/as-origens-da-segunda-guerra-mundial_17.html

      Excluir
    2. Por que a invasão soviética contra a indefesa, despreparada, quieta e inofensiva Finlândia não ensejou o mesmo que declaram e praticaram contra a Alemanha?

      https://www.youtube.com/watch?v=47iGA8KwPQQ

      Cobalto

      Excluir
    3. Falar mal sem provar é difamar - ponto.

      23 de março de 1939: A Polônia, de forma provocadora, rejeitou as exigências alemãs após a declaração de mobilização parcial em

      25 de agosto de 1939: Hitler declara ao embaixador britânico Neville Henderson: "A suposição de que a Alemanha quer conquistar o mundo todo é ridícula. O Império Britânico tem 40 milhões de quilômetros quadrados, a URSS 19 milhões e a Alemanha 600.000 quilômetros quadrados. isso mostra que tem a intenção de conquista. 🧐30 de agosto de 1939-th: em Cracóvia matou cônsul alemão August Schillinger ea Alemanha ainda não responde a guerra ..

      17 setembro de 1939-th: tropas soviéticas ocupam 3/5 do território polonês, mas nenhum Londres nem Paris declarou guerra aos soviéticos, nem de tropas ravili em defesa da Polónia. http://s-mahat.org/cgi-bin/index.cgi?cont=315

      https://api.ning.com/files/NDUeDq6g1iI17opKp1pD0yQ8af-mOvCiXP01LSbAFjEenilYp7c-avXp1QkkDKmVZtM2ow0ennNw09ksm1dzPCytCnMkfGlA/AmricaalibertadoraESEALGUMTEPERGUNTARENTODIGANATURALMENTEQUENSTELIBERTAMOS.png = "E SE ALGUÉM TE PERGUNTAR, ENTÃO DIGA, NATURALMENTE, QUE NÓS TE LIBERTAMOS"

      http://www.germanvictims.com/2014/01/forcing-germany-into-war/

      Fora o mundo realmente salvo?????... de que ou de quem???? http://s-mahat.org/cgi-bin/index.cgi?cont=290

      Os semitas“ – segundo Helena Petrovna Blavatsky em ISIS SEM VÉU – „a raça menos espiritualizada – jamais lograram elaborar uma linguagem, através da qual se possa formular elevados ideais morais e intelectuais“

      "A terra ainda não gerou tal povo que seria tão impuro e foi, tão sujo por dentro, tão vil e repugnantemente depravado. E aqui os judeus estão" à frente "de todos. vide aqui - cap. VIII
      https://archive.is/PIIpv#selection-4035.0-4035.165


      Em qualquer época ou lugar se o MELHOR chega ao poder EMPIRICAMENTE TUDO MELHORA https://www.youtube.com/watch?v=hipprBJflN4&t=0s&bpctr=1553373225 + https://www.youtube.com/watch?v=bpvYMat7VUw&t=75s

      „Herrgott, gib uns die Kraft, daß wir uns die Freiheit erhalten, unserem Volk, unseren Kindern und unseren Kindeskindern, nicht nur uns Deutschen, sondern auch den anderen Völkern Europas.

      Denn es ist nicht ein Krieg, den wir alle dieses Mal nur für unser deutsches Volk führen. Es ist ein Krieg für ganz Europa — und damit wirklich für die ganze Menschheit.“ – Adolf Hitler, 30. Januar 1942 im Sportpalast in Berlin
      https://www.fliegende-wahrheit.com/2017/10/24/adolf-hitler-ein-gewinn-fuer-die-ganze-menschheit/

      Excluir
  6. Mas o rapazito o facto físico é que a barreira alfandega foi violada pra libertar as terras alemãs ocupadas pelos racistas-imperialistas polacos que até hoje estão usurpando criminosamente-racisticamente as terras alemãs Pomerânia e Silésia!

    ResponderExcluir
  7. "Por que a invasão soviética contra a indefesa, despreparada, quieta e inofensiva Finlândia não ensejou o mesmo que declaram e praticaram contra a Alemanha?"

    Mais um que entra aqui a perorar porque declararam guerra a alemanha e nao a russia pela sua invasao tambem da polonia e da finlandia, pois e mais uma vez temos que recorrer aos factos fisicos, e que a inglaterra tinha um pacto com a polonia mas nao com a finlandia e nos termos do acordo anglo-polaco de 25 de agosto de 1939, os britanicos tinham prometido a polonia assistencia se fosse atacada por uma potencia europeia, por isso quando o embaixador polaco edward raczyński recordou ao secretatio de estado ingles, lord halifax o pacto, ele, sem pruridos e sem rodeios, disse que era opcao da gra-bretanha declarar ou nao guerra a uniao sovietica ou a quem quissesse. Dai que olha nao estavam para ai virados, embirraram com o hitler pronto. ralha-lhes, barafusta com eles mas mais tarde soube-se.e a vida,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi vc que não entendeu.

      Ao não declarar guerra a URSS pela agressão INJUSTIFICADA contra a Finlândia, mostra que a declaração de guerra contra a Alemanha era jogo de cartas marcadas. Os "mocinhos" ocidentais França, Inglaterra e subterraneamente os EUA, queriam era sim a destruição da Alemanha, tinha nada a ver com "paz na Europa" e outros blá blá blás semelhantes. O desenrolar dos fatos geopolíticos demonstram claramente que Hitler podia fazer o que quisesse pra evitar a guerra (e fez bastante), que os "mocinhos" fariam-na de qualquer jeito. Contra a Alemanha haviam regras especiais que não se aplicavam em casos similares ou piores a outros países.

      Quando Hitler foi defender os alemães em terras saqueadas em favor da Polônia pelos "mocinhos" no Tr. Versalhes, era o casus belli que desesperadamente precisavam, por isso o tal tratado de guerra SÓ COM A POLÔNIA. Era a última chance dos "mocinhos" ferrarem a Alemanha, porque Hitler estava desfazendo toda a virulência do T.Versalhes de forma que não podiam culpar a Alemanha de nada. As anexações todas aconteceram via plebiscito, mas nesse ínterim, a França tentou induzir Hitler/Alemanha a guerra ao invadi-la na fronteira sob pretextos dos mais escusos e fúteis como "cobranças de dívidas de guerra" etc. Hitler ficava quieto. Portanto, a última chance dos "mocinhos" era a Polônia, para tanto, fizeram a maior propaganda, tratado com cláusulas secretas e promessas falsas pra que os poloneses não negociassem com Hitler. E Hitler lhes propusera uma aliança anti-bolchevique que também a polacada recusou.

      E foram os "mocinhos" que tornaram uma ação de justiça dos alemães em guerra mundial por, ao menos 2 ações inconfessáveis :
      1º) a cilada da Polônia descrita acima, e
      2º) Pacto Churchill-Stalin de 15 de outubro de 1939. Foi um acordo secreto entre os "mocinhos" Churchill e Stalin, estabelecendo os planos para uma guerra em 4 frentes contra a Alemanha. O plano foi assinado por Stalin em 28 de janeiro/1940, e por Churchill em 08 de fevereiro de 1940.

      Tudo carta marcada, é de uma baboseira sem tamanho repetir "Hitler começou a Segunda Guerra". Bobagem das mais idiotas, mentirosas e criminosas que existem. E percebam que os "mocinhos" ainda hoje não abrem seus arquivos secretos sobre esse período!! Pelo contrário!! Todos renovaram os prazos de sigilo!! Por quê?! Hitler não é o malvadão?! Abrir esses arquivos secretos não seria como chover no molhado?!

      Cobalto

      Excluir
  8. Censura comemorada pelos movimentos judaicos!

    Atualização – março 2019

    Centenas de títulos apagados dentro de um dia – parte 1 – Por Germar Rudolf
    https://worldtraditionalfront.blogspot.com/2019/03/centenas-de-titulos-apagados-dentro-de_39.html

    Responder

    ResponderExcluir
  9. Uma perguntinha de algibeira, onde esta a declaracao de guerra da alemanha a polonia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Outra perguntinha de algibeira: por que a Polônia tanto recusava as várias e generosas ofertas de paz da Alemanha? Talvez nessas atitudes hostis e intransigentes de políticos, militares, jornalistas, maçons e cidadãos poloneses você encontre a sua declaração de guerra alemã.

      Cobalto

      Excluir
    2. Como constato a minha pergunta nao teve resposta

      Excluir
    3. Respostas são os fatos e não relatos https://www.osentinela.org/andre/marion-marechal-substituicao-do-povo-nativo-da-europa-nao-e-teoria-da-conspiracao/?unapproved=2699&moderation-hash=ce5aa27ffff04d6c00e8447e1371de2f#comment-2699

      Excluir
    4. Primeiro que eu também constato que não recebi nenhuma resposta.

      Segundo, o missivista Ulysses pegou a charada. Você não e fica se gabando ... rs

      Terceiro, eu lhe retruquei novamente , porém , creio que deu pane no envio da msg e sumiu. E como a msg era carinhosamente grande, não a reescreverei. Sugiro, caso não consiga dormir por não perceber a responta nem a sumida msg por tão fulcral questão, tomar calmantes. E enquanto se tranquiliza com os medicamentos, tente responder por que a URSS judaico-maçônica não declarou guerra a Polônia, Lituânia, Estônia, Letônia e Finlândia?

      Cobalto

      Excluir
    5. NÃO FOI ELE! Foi Gideon Levy que escreveu ...

      Em um recente artigo instigante, Gideon Levy , provavelmente uma das últimas genuínas vozes israelenses pela paz, afirma que "não é Netanyahu quem é responsável pelo racismo" israelense, extremo nacionalismo, divisões, incitação, ódio, ansiedade e corrupção ". Por trás de Netanyahu, diz Levy, há uma nação de eleitores e outras autoridades eleitas que não são muito diferentes de seu líder.
      (...)
      Levy reafirma a observação que venho fazendo há duas décadas . O problema com Israel não é de natureza política . O conflito com os palestinos ou os árabes não é de natureza política, como alguns personagens delirantes dentro do movimento de solidariedade palestina vêm proclamando há anos. Israel se define como o estado judeu. A fim de compreender Israel, suas políticas, suas políticas e a natureza intrusiva de seu lobby, devemos entender a natureza do judaísmo. Precisamos aprender a definir as diferenças entre os judeus (o povo), o judaísmo (a religião) e o judaísmo (a ideologia). Temos que entender como esses termos estão relacionados entre si e como eles influenciam a política israelense e judaica globalmente.

      Para entender o que Levy está se referindo, devemos nos aprofundar no núcleo da identificação judaica e, de uma vez por todas, compreender a noção de clausura judaica. Levy afirma que “o racismo e a xenofobia estão profundamente entrincheirados aqui, muito mais profundamente do que qualquer Netanyahu… O apartheid não começou com ele e não terminará com a sua partida; provavelmente nem vai se amassar. Uma das nações mais racistas do mundo não pode reclamar do racismo do primeiro-ministro ”. Netanyahu, como tal, não é a doença. Ele é um mero sintoma.
      (...)
      Levy aponta no centro do fracasso sionista. Se o sionismo inicial era uma promessa de civilizar o judeu da diáspora por meio do "regresso a casa", Israel fez o oposto completo. Não resta muita coisa da promessa sionista de tornar o povo judeu como todos os outros ": como Israel está prestes a perpetrar outro crime de guerra colossal em Gaza, temos que admitir que estamos lidando com uma identidade institucionalmente racista e perigosa como nenhum outro.

      http://www.thetruthseeker.co.uk/?p=185773http://www.thetruthseeker.co.uk/?p=185773

      Cobalto

      Excluir
  10. Ainda ninguem percebeu porque a concentracao de forca ate final da guerra foi a alemanha de hitler e nao a urss nem sequer o japao.esforcem-se um bocadinho, nao custa nada e uma questao de regimes

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  12. Sentimento de culpa, vergonha do passado?

    Sentido de redencao.

    "Família alemã quer doar 10 milhões de euros à caridade depois de descobrir passado nazi"

    O porta-voz da família Reimann, Peter Harf, revelou ao jornal Bild am Sonntag o plano de doar 10 milhões de euros à caridade depois de descobrir o apoio de antepassados aos nazis e o uso de trabalho forçado na empresa da família durante a guerra. "O patriarca Reimann e o seu filho primogénito foram os culpados. Os dois empresários morreram e deveriam ter sido presos", disse Peter Harf, o porta-voz da família Reimann.

    Albert Reimann morreu em 1954 e o seu filho em 1984. A companhia que fundaram, a JAB Holding, é uma grande multinacional que possui marcas que vão desde Clearasil (cosméticos) até Calgon (limpeza). Com uma fortuna estimada em 33 mil milhões de euros, acredita-se que a família Reimann é a segunda mais rica da Alemanha.

    https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/familia-alema-quer-doar-10-milhoes-de-euros-a-caridade-depois-de-descobrir-passado-nazi

    Sempre se desconfiou do nazismo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O sentimento de culpa , que pode ser falsamente induzido , mas independente disso , só pode acontecer/sentir/viver quem possui consciência, alma, amor ao próximo. Elementos, ao que tudo indica, praticamente inexistente em certas criaturas que se auto outorgam privilegiadas.

      Cobalto

      Excluir
    2. O Mito da Alemanha como uma nação maligna / Benton L. Bradberry -

      Capítulo 1


      Como resultado da perda de duas guerras mundiais apocalípticas, a Alemanha adquiriu a reputação de ser a nação maligna da Europa e, talvez, a nação maligna de todos os tempos. Apenas mencionando a palavra “ alemão” Ainda traz uma imagem no espírito de tropas de assalto robóticas e de ganso, sob o comando de oficiais prussianos de pescoço duro, prontos para marchar para infligir assassinato e destruição gratuitos a seus vizinhos amantes da paz. Temos sofrido lavagem cerebral por propaganda implacável para considerar os alemães intrinsecamente militaristas, agressivos, brutais, racistas e antissemitas, com predileção por obediência cega a figuras de autoridade. Centenas de filmes de Hollywood, a implacável propaganda do Holocausto e inúmeros livros e artigos de revistas reforçaram permanentemente essa imagem negativa da Alemanha na mente popular. Motivos racionais para os horrores inexplicáveis que os alemães são acusados de terem cometido rotineiramente não são necessários. É axiomático que sua natureza maligna explica tudo.

      Considere o filme “ Lista de Schindler ”, do diretor judeu Stephen Spielberg, por exemplo. O comandante nazista do campo de concentração (supostamente o campo de Plaszow fora de Cracóvia, não longe de Auschwitz), está de pé, sem camisa, na varanda de sua casa com um rifle de caça sobre os ombros nus. O rifle está equipado com uma mira telescópica. No filme, a casa está localizada em uma colina acima do acampamento para que ele possa olhar para baixo sobre a multidão de prisioneiros circulando no complexo abaixo. Ele ergue o rifle no ombro e, através do telescópio, começa a examinar casualmente de um prisioneiro para outro. A imagem através do telescópio agora preenche a tela do cinema. As miras do osciloscópio param em um prisioneiro selecionado aleatoriamente. Ele puxa o gatilho e o prisioneiro cai no chão, morto.


      A tela, em seguida, corta para o comandante nazista para mostrar despreocupado entediado como ele aciona o parafuso de seu rifle e casualmente levanta de volta para seu ombro. Ele atira novamente e novamente um prisioneiro cai no chão, morto. Entediado com a sua " prática de alvo " , ele volta sua atenção para a bela, sexy e nua mulher deitada em uma cama dentro da casa da sacada. A mulher é supostamente uma de suas empregadas domésticas judias selecionadas do campo, que também aparentemente serve como sua escrava sexual. Seu rosto expressa um cinismo desdenhoso, embora pouco convencional.

      O objetivo do tiroteio, além de trazer a empregada doméstica nua e judia, é mostrar ao oficial nazista totalmente depravado, sem consciência, moralidade ou empatia por outros humanos; em resumo, um psicopata. Presume-se, é claro, que os prisioneiros assassinados eram todos judeus. Dois temas judaicos populares são combinados aqui: o mal nazista e a perseguição judaica.

      Este episódio é inteiramente fictício, baseado em um romance de Thomas Keneally, um australiano que só visitou os campos de concentração uma vez em 1980. Nenhum evento real como descrito acima jamais foi registrado, mas a grande maioria dos freqüentadores do cinema o engolem inteiro e aceitá-lo como história real.

      Excluir
    3. O verdadeiro campo de Plaszow estava localizado do outro lado de uma colina da casa do comandante, e completamente fora da vista da varanda do comandante. Teria sido impossível para ele derrubar o complexo como mostrado no filme, mesmo que ele estivesse inclinado a fazê-lo, o que é altamente improvável. O verdadeiro comandante de Plaszóvia, Amon Goeth, no qual o personagem do filme se baseava, morava na casa de seu noivo, Ruth Kalder, com quem teve um filho. Ruth disse que eles pretendiam se casar, mas foram incapazes de fazê-lo devido ao caos no final da guerra. Ela teve seu nome e o nome da criança mudou para Goeth depois da guerra com a ajuda do pai de Amon Goeth. Amon Goeth foi enforcado após a guerra pelo governo polonês principalmente por ser um membro do partido nazista e um membro da Waffen-SS, não por atirar em prisioneiros. Ruth descreveu Amon Goeth como um homem culto que tinha uma linda voz de cantor. Goeth, de fato, tinha duas empregadas domésticas judias, selecionadas do campo enquanto ele era o comandante, mas não há informação de que ele tivesse relações desfavoráveis com elas. Essa história foi incluída apenas para adicionar tempero ao filme.


      Outro exemplo é o filme “ Sophie's Choice ”, de outro diretor judeu, Alan J. Pakula, no qual “ Sophie ” e seus dois filhos pequenos são enviados para Auschwitz (Auschwitz é o templo sagrado do folclore do Holocausto). Durante o processo de “ seleção ” (a “seleção” é agora uma das “ estações da cruz ” da religião do Holocausto) imediatamente após sua chegada, Sophie é informada por um oficial nazista estereotipicamente maligno https://flashbak.com/when-nazis-attack-mens-action-mags-and-hitlers-perverted-minions-28735/ (supostamente o Dr. Joseph Mengele da notoriedade de Auschwitz). ) que ela só pode manter um dos seus filhos e que o outro deve ir para a câmara de gás. Ela é forçada a escolher qual deles manter e qual deve ser enviada para a câmara de gás, portanto, “ a escolha de SophieO malvado oficial nazista https://flashbak.com/wp-content/uploads/2015/01/nazi-pulp-81-1024x690.jpg não fornece nenhuma razão ou explicação para exigir que uma criança morra ou forçá-la a fazer essa escolha dolorosa. Que ele é um nazista “ malvado ” é considerado uma explicação suficiente. Este filme absurdo foi baseado em um romance do escritor americano do sul William Styron, que não tinha conhecimento em primeira mão dos campos. Auschwitz foi simplesmente usado como cenário de um conto que surgiu de sua imaginação. NADA DISSO OCORREU NA VIDA REAL. NO ENTANTO, ESTÓRIAS MALÍGINAS NAZISTAS COMO ESSAS SÃO A MUITO TEMPO UM MARCO EM HOLLYWOOD.

      O público que vai ao cinema tem sido tão condicionado por esse papo furado que a ficção se tornou realidade na mente do público. Todos nós sofremos lavagem cerebral para aceitar tais absurdos sem ceticismo. Os alemães são " maus " , então eles fazem " mal" coisas. Nenhuma outra explicação necessária.

      No entanto, a Alemanha nem sempre foi vista sob essa luz. A imagem da Alemanha como nação sinistra, predatória e guerreira só se enraizou no século XX. A Alemanha do século XIX, em contraste, era vista como um lugar de paz e iluminação. O historiador inglês Frederic William Maitland descreveu a maneira como o povo inglês via os alemães durante o século XIX: “… Era comum e plausível pintar o alemão como um ser impraticável, sonhador e sentimental, olhando com olhos azuis suaves para uma nuvem de música e metafísica e fumaça de tabaco .”

      Excluir
    4. A altamente influente escritora francesa e diretora do Salon, Madame de Stael, retratou os alemães durante o período das Guerras Napoleônicas como nação de; " Poetas e pensadores, uma raça de sonhadores gentis, pouco práticos e de outros mundos, sem preconceitos nacionais e pouco inclinados à guerra ".

      Os americanos também tinham uma opinião benigna dos alemães antes do século XX. O historiador americano Henry Cord Meyer escreveu: “… Vistos em sua nova nação unida [a Alemanha foi unida em uma nação em 1871] ou neste país [imigrantes alemães nos Estados Unidos], os alemães eram geralmente vistos como pessoas metódicas e enérgicas que eram modelos de progresso, enquanto em sua dedicação à música, à educação, à ciência e à tecnologia despertou a admiração e emulação dos americanos ”.

      Em 1905, Andrew Dickson White, notável historiador americano, educador e embaixador dos Estados Unidos na Alemanha, escreveu apenas nove anos antes do início da Primeira Guerra Mundial: “A Alemanha, de uma grande massa confusa de guerreiros, pensadores e obreiros, militante com objetivos conflitantes, esgotando-se em vãs lutas e atacada por vizinhos malévolos, tornou-se [após consolidação] um grande poder nas armas, na arte, na ciência, na literatura; uma fortaleza de alto pensamento; um guardião da civilização; o aliado natural de toda nação que busca o melhor desenvolvimento da humanidade ”.

      O povo alemão historicamente fez grandes contribuições em todas as esferas da realização cultural, intelectual e científica. No campo da música, havia tais gênios do século XVIII como Bach, Hayden, Mozart, Beethoven, Schubert e Schumann, para citar alguns. Este gênio musical continuou no século XIX com os Strausses, Mahler e Richard Wagner. Havia as contribuições literárias de Goethe e Schiller; as obras históricas de Ranke e Niebuhr; os estudos filosóficos de Kant e Hegel; e as grandes contribuições científicas de Alexander von Humboldt e William Conrad Roentgen. Estes são apenas alguns exemplos de uma lista muito longa. O sistema prussiano de educação superior e o florescimento cultural que caracterizou a Prússia durante os anos seguintes às guerras napoleônicas influenciaram muito a Europa e a América. O sistema escolar público americano, assim como o nosso sistema universitário, foi modelado deliberadamente de acordo com o sistema escolar público e o sistema universitário da Prússia. A Alemanha era admirada pelo mundo como um centro de aprendizado, por sua alta cultura e por suas conquistas em todos os campos; mas também por sua cultura de honestidade, trabalho árduo, ordem e economia, que existiam mesmo no nível mais baixo da sociedade.

      Excluir
    5. Estudiosos e jornalistas britânicos tinham sido muito favoráveis a todas as coisas alemãs, incluindo sua história, cultura e instituições ao longo do século XIX. O altamente respeitado historiador de Cambridge Herbert Butterfield comentou extensivamente sobre a alta consideração da Grã-Bretanha pela Alemanha. “Na Inglaterra, prevaleceu a visão de que a história alemã era particularmente a história da liberdade, pois era uma história que compreendia a federação, o parlamento, as cidades autônomas, o protestantismo e uma lei de liberdade levada pelas colônias alemãs ao leste eslavo. Naqueles dias, eram os Estados latinos que eram considerados congeniais ao autoritarismo, apegados ao papado na Itália, à Inquisição na Espanha e às ditaduras bonapartistas na França militarista. A reversão desse ponto de vista no século XX, e sua substituição por uma opinião comum de que a Alemanha foi o agressor e o inimigo da liberdade ao longo de todas as eras, sem dúvida será o tema da própria pesquisa histórica algum dia,.

      E então o autor britânico Thomas Arnold (13 de junho de 1795 - 12 de junho de 1842) viu a Alemanha não como uma nação com uma predisposição única para o autoritarismo e arregimentação, mas como um “ berço da lei, virtude e liberdade”, e considerou uma " distinção do primeiro grau " que os ingleses pertenciam à família germânica dos povos. As fotos e desenhos a seguir representam a maneira como o mundo viu a Alemanha durante os séculos XVIII e XIX, até o começo da Primeira Guerra Mundial. Antes da Primeira Guerra Mundial, a Alemanha era vista como uma terra pacífica de contos de fadas e castelos sonhadores. trabalhadora, cumpridores da lei, pessoas disciplinadas.


      Imagem positiva da Alemanha muda do dia para a noite

      Essa visão da Alemanha foi mudada quase que da noite para o dia com a eclosão da Primeira Guerra Mundial. Depois que a guerra começou em 1914, uma imagem grotesca de uma Alemanha voraz, sanguinária e excepcionalmente agressiva tomou forma rapidamente e se tornou a imagem estereotipada da Alemanha na Europa e na América. Essa nova imagem da Alemanha foi o resultado direto de uma virulenta campanha de propaganda anti-germânica conduzida pelo governo britânico e depois acompanhada pelo governo dos Estados Unidos, em que mentiras deliberadas e sistemáticas, distorções e histórias falsas de atrocidades foram disseminadas para os públicos britânico e americano. . As emoções de ambos os públicos britânico e americano foram deliberadamente levadas a um ápice febril de ódio pelos " hunos ".Uma hostilidade patológica contra todas as coisas alemãs, que mais tarde se tornou uma parte tão familiar e integrante do pensamento ocidental sobre a Alemanha, teve seu nascimento nesta hábil campanha de propaganda. Após a Segunda Guerra Mundial, o historiador Harry Paxton Howard examinou essa transformação da reputação da Alemanha, que começou imediatamente após o início da Primeira Guerra Mundial.

      Excluir
    6. Foi dito, disse ele, que a Alemanha não era apenas má, mas sempre fora assim, e que a Alemanha, ao contrário dos fatos, sempre fora inimiga histórica da Europa e da América. Ele escreveu:
      “ Na verdade, no sentido literal da palavra, o maior trabalho de revisar a história foi feito durante a Primeira Guerra Mundial, quando nossas 'histórias' foram completamente revisadas para mostrar que a Alemanha sempre foi nossa inimiga, que a Alemanha iniciou a guerra em 1914. que a Alemanha tinha iniciado a Guerra Franco-Prussiana em 1870 e que na Guerra Revolucionária não havíamos lutado contra os britânicos, mas contra os hessianos - para não falar de coisas como os alemães cortando as mãos dos bebês belgas, em vez dos belgas. cortando as mãos dos congoleses. Esta foi uma revisão real de nossas histórias, que distorceu a mente americana por mais de quarenta anos . ”Harry Paxton Howard.

      Todos os beligerantes, é claro, incluindo a Alemanha, usaram propaganda contra seus inimigos, como todos os beligerantes fizeram em todas as guerras ao longo da história, mas os esforços de propaganda da Alemanha e das Potências Centrais foram amadores e ineficazes comparados aos britânicos. Em seus esforços de propaganda, os alemães tendiam a apelar para a razão em vez de para as emoções.

      Eles nunca retrataram seus inimigos como feras sanguinárias e inumanas. Os Aliados, em particular a Grã-Bretanha, em contraste, provaram-se mestres em manipular habilmente a opinião mundial pela propagação generalizada de contos fantásticos da vilania alemã. Desde o início da guerra, histórias de atrocidades alemãs encheram jornais britânicos e americanos. (Os jornais americanos dependiam, naquela época, dos serviços noticiosos britânicos para a maioria de suas notícias sobre a Europa, que se deparavam com cabos submarinos controlados pela Grã-Bretanha. Os alemães não tinham acesso à mídia americana. A Grã-Bretanha assegurou isso. - Cabos atlânticos para a América.

      As primeiras histórias sobre atrocidades surgiram da marcha alemã pela Bélgica no início da guerra. O objetivo da Alemanha não era atacar a Bélgica, por si só, mas passar pela Bélgica, a fim de ultrapassar as defesas francesas e, em seguida, fazer uma viagem em direção a Paris. Essa estratégia era conhecida como Plano Schlieffen , que os alemães acreditavam ser a única maneira de conseguir uma rápida vitória sobre a França.

      Germany’s “violation” of neutral Belgium served as Britain’s pretext for going to war against Germany, though the decision to go to war for other reasons (mainly economic) had already been made. Belgium was only a pretext. To enter the war, it was necessary to win public support, and the propaganda opportunities resulting from Germany’s invasion of Belgium, as well as the fabricated stories of German atrocities in Belgium served that purpose. “Eyewitnesses” were found who described hairy knuckled Huns in Pickelhaube helmets tossing Belgian babies in the air and catching them on their bayonets as they marched along, singing war songs. Stories of German soldiers amputating the hands of Belgian boys were widely reported (reputedly to prevent them from firing rifles). Tales of women with their breasts cut off multiplied even faster. There were also tales of crucifixions of Allied soldiers. Europeans and Americans were more religious then than they are today and the crucifixion stories aroused outrage. (It should be mentioned that of all forms of evidence accepted in modern courts of law, eyewitness testimony is considered the least reliable.)

      Excluir
    7. Mas as histórias de estupro eram as favoritas de todos os contos de atrocidades. Uma " testemunha ocular " descreveu como os alemães arrastaram vinte jovens mulheres de suas casas em uma cidade belga capturada e as estenderam em mesas na praça da aldeia, onde cada uma foi estuprada por pelo menos doze " hunos " enquanto o resto dos soldados observava e aplaudiu.

      Depois de ser alimentado com uma dieta constante deste tipo de propaganda, o público britânico exigiu uma verdadeira vingança contra o abominável huno. Um grupo de belgas percorreu os Estados Unidos (às custas do governo britânico) contando essas histórias para os americanos. (A Grã-Bretanha queria atrair os Estados Unidos para a guerra.) O presidente Woodrow Wilson solenemente recebeu o grupo na Casa Branca.

      A propaganda retratou a Grã-Bretanha como " um cavaleiro em um cavalo branco" em defesa da Bélgica neutra e violada. Isso era manipulação cínica da opinião pública, é claro, porque se a Alemanha não tivesse violado a neutralidade belga, a Grã-Bretanha teria feito isso sem pensar duas vezes.

      A Alemanha negou furiosamente todas essas histórias. O mesmo fizeram repórteres americanos que estavam com o exército alemão e sabiam que eram mentiras. Mas essas negações não chegaram aos jornais americanos. Os britânicos controlavam o que entrava nos jornais americanos e eram os britânicos que geravam as histórias sobre atrocidades. Para aumentar a credibilidade dessas histórias fantásticas de atrocidades, o governo britânico pediu ao visconde Bryce no início de 1915 que comandasse uma comissão real para conduzir uma investigação. O governo britânico, claro, pretendia que Bryce apoiasse essa falsa propaganda, o que ele obedientemente fez. Bryce era um conhecido historiador de boa reputação na América. Ele não só serviu como embaixador britânico em Washington, mas também escreveu vários livros elogiosos sobre o governo americano. Os britânicos sabiam que ele era altamente respeitado e admirado na América, e que ele tinha uma reputação de retidão e honestidade. A América acreditaria no que ele dissesse. Bryce também era intensamente leal ao seu próprio país e, portanto, perfeito para o trabalho.

      Bryce e seus seis colegas comissários, todos advogados, historiadores e juristas, “ analisaram ” , se é que se pode chamar assim, 1.200 depoimentos de “ testemunhas oculares ” que afirmaram ter visto essas atrocidades alemãs em primeira mão. Quase todos os relatos de testemunhas oculares vieram de belgas que haviam deixado a Bélgica para a Inglaterra como refugiados, embora alguns relatos também tenham vindo de soldados britânicos na França. A comissão nunca interrogou uma única dessas testemunhas oculares, mas confiou em suas declarações escritas (sombras dos Julgamentos de Nuremberg após a próxima guerra). Desde que houve uma guerra, não houve " no local Investigações de qualquer atrocidade relatada. Nem uma única testemunha foi identificada pelo nome, incluindo os soldados que forneceram relatos escritos. No entanto, a comissão confirmou oficialmente que todas as histórias sobre atrocidades, por mais fantásticas que fossem, eram verdadeiras. Essa investigação falsa era apenas outra parte da campanha de propaganda anti-alemã da Grã-Bretanha.

      Excluir
    8. O " RELATÓRIO BRYCE " foi lançado em 13 de maio de 1915, e o governo britânico garantiu que fosse para todos os jornais da América. O impacto foi fenomenal, especialmente vindo logo após o torpedeamento do navio britânico Lusitania,que causou a morte de 135 americanos.

      Americanos de costa a costa ficaram indignados. Uma onda de repulsa por todas as coisas alemãs varreu o país. O ódio dos alemães atingiu o pico de febre. De repente, o público americano clamava por guerra. (Há uma suspeita bem fundamentada de que o Lusitania foi criado como um chamariz pelo Primeiro Lorde do Almirantado, Winston Churchill, expondo-o deliberadamente a um ataque submarino alemão com o propósito de trazer a América para a guerra).

      Mas havia céticos do RELATÓRIO BRYCE . Na Inglaterra, Sir Roger Casement chamou o relatório de mentira e escreveu um relatório próprio, refutando-o, embora ninguém desse muita atenção a ele. O advogado americano, Clearance Darrow, estava tão cético que viajou para a França em 1915 e procurou em vão por uma única testemunha ocular que pudesse confirmar até mesmo uma das histórias do Bryce. Cada vez mais duvidoso, Darrow anunciou que pagaria US $ 1.000, equivalente a US $ 25 mil hoje, a qualquer um que pudesse produzir um garoto belga cujas mãos tivessem sido amputadas por um soldado alemão ou qualquer outra vítima belga ou francesa que tivesse sido mutilada por tropas alemãs. Nenhum foi encontrado.

      As “ provas ” fornecidas pelo COMITÊ BRYCE em sua investigação, bem como os métodos empregados para coletá-las, violavam todas as regras elementares de evidência. Estudiosos cuidadosos demonstraram há muito tempo que todo o relatório era composto apenas de distorções e falsidades. Mas a Grã-Bretanha estava determinada a empurrar os Estados Unidos para a guerra e Bryce e seus colegas eram cúmplices dispostos nesse esforço. Eles justificaram suas mentiras e exageros porque serviam à causa mais elevada da Madre Inglaterra. Depois da guerra, a maioria dos historiadores descartou 99% das atrocidades de Bryce como invenções. Um deles chamou o relatório de “ em si uma das piores atrocidades da guerra ”. “ Depois da guerra”, Conta Thomas Fleming em seu livro Illusion of Victory ; “ Historiadores que procuraram examinar a documentação das histórias de Bryce foram informados de que os arquivos tinham desaparecido misteriosamente. "

      Com o desenrolar da guerra, outra história fabricada foi amplamente divulgada. Foi relatado que os alemães estavam operando uma " fábrica de cadáveres ", onde os corpos de soldados alemães e aliados mortos em batalha supostamente foram derretidos por gorduras e outros produtos úteis para o esforço de guerra alemão. Os alemães foram acusados de fabricar sabão com gordura humana. Peles humanas eram usadas para fazer artigos de couro fino, como abajures, luvas de direção e calções de montaria. Dizem que os ossos desses cadáveres foram moídos e usados como fertilizante em fazendas alemãs.

      Um detalhado relato dessa chamada " fábrica de cadáveres " apareceu no respeitado jornal britânico The Times , em 17 de abril de 1917.

      Excluir
    9. Segundo a história, trens cheios de cadáveres chegaram a uma grande fábrica. Os corpos foram presos a ganchos conectados a uma corrente sem fim. O artigo descreveu cuidadosamente o processo dentro da fábrica de cadáveres.

      “Os corpos são transportados nesta corrente sem fim para um compartimento longo e estreito, onde passam por um banho que os desinfeta. Eles então passam por uma câmara de secagem e, por fim, são automaticamente levados para um digestor ou grande caldeirão, no qual são deixados cair por um aparelho que se solta da corrente. No digestor eles permanecem de seis a oito horas e são tratados pelo vapor, que os separa enquanto são lentamente mexidos pelo maquinário. Deste resultado de tratamento vários produtos. As gorduras são quebradas em estearina, uma forma de sebo e óleos, que precisam ser redestilados antes de poderem ser usados. O processo de destilação é realizado fervendo o óleo com carbonato de sódio, e alguns dos subprodutos resultantes disso são usados pelos fabricantes de sabão alemães. A destilaria de petróleo e a refinaria encontram-se no canto sudeste das obras. O óleo refinado é enviado em pequenos barris como os usados para o petróleo, e é de cor marrom-amarelada.. ”Observe o detalhe meticuloso.

      A história era uma invenção total, mas era uma história “ plausível ”, especialmente com todos os detalhes, e não foi possível para os alemães refutá-la completamente enquanto a guerra ainda estava acontecendo. Depois da guerra, é claro, a história foi exposta como a mentira que era. Nenhuma fábrica de cadáveres existia. É interessante que a história de fazer sabão fora dos corpos emergiu novamente durante a Segunda Guerra Mundial, quando os alemães supostamente fizeram sabão fora dos cadáveres judeus. Essa mentira ainda é amplamente acreditada e continua a ser um marco da propaganda do Holocausto Judaico. Os abajures da pele humana

      A história também teve sua origem na Primeira Guerra Mundial e emergiu novamente durante a Segunda Guerra Mundial, quando os alemães supostamente estavam fabricando luminárias da pele judaica. Não havia nada para isso, mas também continua a ser um marco da propaganda do Holocausto Judaico.

      “ O propósito da propaganda de guerra ” , observa o historiador Thomas Fleming, em seu livro “ THE ILUSION OF VICTORY ”;
      " Tão difundida tanto pela elite anglo-americana quanto pela elite americana, foi criar uma imagem pública difundida dos alemães como 'monstros capazes de um triste sadismo' - revestindo assim um apelo ao ódio coletivo assassino com um verniz de santimonia ".

      - O truque - disse Fleming - é deixar o público alvo ao mesmo tempo tremendo de horror diante de um espetáculo de depravação subumana, ofegante com um desejo visceral de vingança e arrebatadoramente hipócrita sobre a pureza de seus motivos humanos. As pessoas que sucumbem a isso são facilmente incorporadas a uma mente coletiva de ódio oficialmente sancionado e preparadas para perpetrar crimes ainda mais hediondos do que aqueles que eles acreditam tipificarem o inimigo ”.

      Excluir
    10. O RELATÓRIO BRYCE e toda a propaganda anti-alemã inquestionavelmente ajudaram a Inglaterra a vencer a guerra. Convenceu milhões de americanos e outros neutros de que os alemães eram bestas em forma humana, e isso, tanto quanto qualquer outra coisa, ajudou a trazer a América para a guerra. Mas houve conseqüências adversas para essa campanha de propaganda de atrocidades lúgubres. Isso envenenou a opinião pública contra os alemães a tal ponto que não poderia ser desfeito. Foi um fator óbvio, por exemplo, na decisão britânica de manter o bloqueio total da Alemanha durante sete meses após o fim da guerra, que, aliás, era uma violação do direito internacional. O bloqueio provocou a morte de um milhão de civis alemães e o sofrimento insuportável de outros milhões. O bloqueio em si foi de longe a maior atrocidade da Primeira Guerra Mundial,

      Ao criar ódio cego à Alemanha, a campanha de propaganda anti-alemã também contribuiu para os duros termos de paz impostos à Alemanha no final da guerra, que então semearam as sementes da Segunda Guerra Mundial. Embora historiadores e outros estudiosos tenham exposto essas histórias da atrocidade alemã como absurdas, a imagem da vilania alemã permaneceu fixa.

      A benigna opinião mundial da Alemanha, que existiu até 1914, foi substituída, de um dia para o outro, pelo mito da selvageria alemã única, que deixou um resíduo permanente de germanofobia nas mentes ocidentais. Isso explica por que “ nossos meninos ” estavam tão dispostos a destruir cidades alemãs inteiras e matar centenas de milhares de civis alemães com bombardeios aéreos durante a Segunda Guerra Mundial. Essa propaganda de ódio, por mais falsa que seja, também teve o efeito de desmoralizar totalmente o povo alemão.


      [FIM da parte 01]

      FONTE https://katana17.wordpress.com/2016/10/01/book-the-myth-of-german-villainy-by-benton-bradberry-part-01/

      Leitura complementar pdf ENGLAND AND GERMANY from Nesta Webster

      https://vielspassimsystem.wordpress.com/2016/01/12/adolf-hitler-hat-keine-juden-vergasen-lassen-aber-juden-haben-nichtjuden-massenhaft-vergast/

      Excluir
    11. "Ninguém queria guerra na Inglaterra ou na Alemanha, exceto Winston Churchill e os War Hawks que o controlavam e à imprensa (assim como nos EUA de A.then e hoje). Quando o primeiro-ministro Chamberlain retornou de uma viagem à Alemanha, onde entrou em conversações individuais com o chanceler Hitler, ele anunciou ao Parlamento e ao povo britânico que "não haverá guerra".

      "Nem o Kaiser Wilhelm nem Adolf Hitler queriam a guerra. Tanto a Primeira Guerra Mundial quanto a Segunda Guerra Mundial foram impostas à Alemanha pelas potências aliadas. O grande pecado da Alemanha estava emergindo tarde demais como um estado-nação consolidado e perturbando o já estabelecido equilíbrio de poder na Europa. Grandes potências estabelecidas, como a Grã-Bretanha, a França e a Rússia, se uniram em 1914 para destruir esse novo rival.Quando a Alemanha se ergueu das cinzas da Primeira Guerra Mundial para se tornar uma grande potência, eles terminaram o trabalho com a Segunda Guerra Mundial. a destruição da Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial só pode ser comparada à destruição romana da antiga Cartago, e foi feita pela mesma razão - destruir um rival comercial - a história “oficial” das Guerras Mundiais I e II, a história nós aprendemos na escola, é um mito.

      Como o título "O MITO DA VILANIA ALEMÃ " indica, este livro é sobre a descaracterização da Alemanha como "vilão" final da história. A história "oficial" da civilização ocidental no século XX lança a Alemanha como o perturbador da paz na Europa, e a causa da Primeira Guerra Mundial e da Segunda Guerra Mundial, embora os fatos não confirmem isso.

      Durante as duas guerras, histórias de atrocidades fantásticas foram inventadas pela propaganda aliada para criar ódio ao povo alemão com o propósito de trazer a opinião pública para apoiar as guerras. A propaganda do "Holocausto", que surgiu após a Segunda Guerra Mundial, solidificou ainda mais essa imagem da Alemanha como o maior vilão da história. Mas quão verdadeira é essa história “oficial”? A Alemanha foi realmente o maior vilão da história? Neste livro, o autor pinta um quadro diferente. Ele explica que a Alemanha não foi o autor da Primeira Guerra Mundial ou da Segunda Guerra Mundial, mas, em vez disso, foi a vítima da agressão aliada em ambas as guerras. A instabilidade operada pela Primeira Guerra Mundial tornou possível a Revolução Bolchevique de 1917 na Rússia, que trouxe à existência o comunismo mundial. Hitler e a Alemanha reconheceram o comunismo mundial, com sua base na União Soviética, como uma ameaça existencial à civilização ocidental e cristã, e ele dedicou a si mesmo e à Alemanha a uma luta mortal contra ele. Longe de ser o perturbador da paz européia, a Alemanha serviu de baluarte que impediu a revolução comunista de invadir a Europa. Pena é que os Estados Unidos e a Grã-Bretanha não tenham visto a Rússia comunista sob a mesma luz, em última análise, com conseqüências desastrosas para a civilização ocidental. O autor acredita que a Grã-Bretanha e os Estados Unidos se uniram ao LADO ERRADO da guerra. http://nuevoaccion.com/noticias/el-asesino-del-general-patton-confiesa-que-lo-mataron-para-ayudar-a-la-urss-diez-anos-tardo-el-historiador-robert-wilcox-en-reunir-el-material-necesario-para-escribir-la-biografia-de-este-famoso-gene/

      OS FATOS NÃO ACUSAM - REVELAM > https://api.ning.com/files/7kAfBfaFDIusX8oFriHe4eH3V1*Keoqp3GYD9VMcgWGiq5QZeiB*Q35UiQSuONHpcgIT3W0eQ-Zix62BHUAGAiBo9nsjbux-/CARROSDECOMBATEpedrovarela.jpg




      Excluir
    12. Sobre o autor - BENTON L. BRADBERRY atuou como oficial e aviador na Marinha dos Estados Unidos de 1955 a 1977, desde o início da Guerra Fria até o fim. Sua geração foi inundada pela propaganda anti-alemã e pelo folclore do "Holocausto". Então, em seu papel de oficial e piloto naval, ele estava imerso na propaganda anticomunista e na psicose de guerra da era da Guerra Fria. Ele teve uma fascinação ao longo da vida com a história deste período e leu profundamente em todos os aspectos do mesmo. Ele também viu grande parte da Europa durante seus anos na Marinha e viajou muito pela Europa desde então. Um cético natural, há muito tempo começou a duvidar que a "propaganda" contasse toda a história. Ele passou anos pesquisando “o outro lado da história” e agora escreveu um livro sobre isso. O autor é formado pela Escola Naval de Pós-Graduação em Monterey, Califórnia, com um diploma em Ciência Política e Relações Internacionais ".


      ABAIXO INTRODUÇÃO DO LIVRO DE NESTA WEBSTER England and Germany https://archive.org/stream/GermanyAndEnglandNestaWebster/Germany%20and%20England%20Nesta%20Webster_djvu.txt

      "Este é o pequeno livro que abriu meus olhos sobre a massa de mentiras em massa que todos nós fomos informados sobre a Alemanha sob o nacional-socialismo, e especificamente o chanceler, Adolf Hitler.

      Na minha opinião, a maior mentira era que "Adolf Hitler planejava conquistar o mundo e escravizar os habitantes de todas as nações". Na realidade, aqueles que fazem essas acusações são aqueles que planejam conquistar o mundo. A derrota da Alemanha foi uma derrota para todos os habitantes do mundo, exatamente como Adolf Hitler previu.

      O grupo que promulga essa grande mentira foi bem sucedido em seus esforços para instilar um profundo senso de medo e ódio do homem que queria apenas restaurar algumas das áreas de terra que haviam sido cortadas fora da Alemanha pelo Tratado de Versailles após a Primeira Guerra Mundial. o povo alemão de volta ao rebanho de suas fronteiras naturais de países e proteger a Europa ocidental da tirania comunista / bolchevique que ameaça causar sua destruição em todo o continente e no mundo.

      Em outro pequeno livro intitulado. The Nameless War, o capitão A. H. M. Ramsay dá provas convincentes da declaração acima. Para alguns dos nossos leitores, este será um momento decisivo (como foi para mim). Quanto mais mentiras descobrir, mais verdade você deseja. Aqueles de vocês que preferem permanecer alegremente ignorantes partirão agora. Aqueles de vocês que conhecem a verdade e odeiam a verdade estarão espumando na boca que as mentiras estão sendo expostas.

      O capitão Ramsay era um veterano da Primeira Guerra Mundial, um ex-membro da Guarda de Sua Majestade, e - na época de sua prisão e prisão - um membro do Parlamento Britânico. Ele foi preso sem acusações formais e jogado na Prisão de Brixton por quase três anos porque descobriu e tentou revelar os culpados que estavam clamando, orquestrando e promulgando o que se tornou a Segunda Guerra Mundial "

      https://storage.ning.com/topology/rest/1.0/file/get/158358871?profile=original ADOLF HITLER UM PALADINO PARA HUMANIDADE https://www.fliegende-wahrheit.com/2017/10/24/adolf-hitler-ein-gewinn-fuer-die-ganze-menschheit/


      Excluir
  13. A "pergunta" do milhao

    Tem piada que nao ha declaracao de guerra da alemanha a polonia e vice versa nem a russia, mas ha de um povo que nem estado nem governo nem exercito nem pais tinha a alemanha.😂😂😂😂. Nao ha duvida os gajos sao terriveis querem dominar o mundo.

    ResponderExcluir
  14. Como os terríveis gajos talmudistas querem dominar o mundo nos explicou o Rabino Emanuel Rabinovich em seu discurso para o Conselho de Rabis Europeus ainda em 1952: “Nós iremos abertamente revelar nossa identidade para as raças da Ásia e da África. Eu posso dizer com segurança que a última geração de crianças brancas está nascendo agora. Nossa Comissão de Controla irá, para os interesses da paz e extermínio das tensões raciais, proibir brancos de relacionarem com brancos. A mulher branca deverá coabitar com os membros das raças negras, e o homem branco com a mulher negra. Assim a raça branca desaparecerá, pois misturando negro com branco significa o fim do homem branco, e o nosso inimigo mais perigoso se tornará apenas memória. Embarcaremos em uma era de dez mil anos de paz e plenitude, a Pax Judaica, e nossa raça governará soberana sobre a terra. Nossa inteligência superior nos permitirá facilmente reter maestria sobre o mundo de povos negros.”

    ResponderExcluir
  15. Mas quem e esta malta assim atrofiada de neuronios.

    Um facto fisico

    tu estas num pais se es brasileiro que o confirma
    E pa que atrasado estas ainda, estas no seculo xv mentalmente, ja ao tempo que as pessoas coabitam, desde que se conhecem, ou seja desde que ha viagens no planeta. O fim do homem branco? Sim de todos os homens brancos pretos amarelos vermelhos as cores. Ve la olha que isso de defesa do homem branco,um australiano pensou o mesmo que tu e entrou numa mesquita aos tiros,tenho a certeza,que se fosse numa guerra a serio e mobilizado declarava-se objector de consciencia.lol

    ResponderExcluir
  16. A Canção dos Alemães - História do Hino Nacional Alemão
    Composição da Melodia do Hino Nacional Alemão por Joseph Haydn 1797
    Texto de Heinrich Hofmann von Fallersleben 1841
    https://www.youtube.com/watch?v=gOOe62t57sA

    Cobalto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na cancao dos alemaes so a terceira estrofe e oficialmente cantada como hino oficial, as outras que foram no tempo do nazismo por decoro os alemaes acharam por bem nao fazer parte do hino oficial da alemanha, por causa da sua historia e da epoca negra do nazismo. Tudo que lembre nazismo e para deitar ao lixo.
      Alias na primeira estrofe refere-se a areas geograficas do imperio alemao que ja nao fazem parte da alemanha, e tudo muito antigo.

      Entao a segunda estrofe e sem pes nem cabeca, va !a venha o vinho. O vinho e o canto ate nao combinam mal.

      Ficamos com a terceira estrofe, hino alemao

      I

      Alemanha, Alemanha acima de tudo
      Acima de tudo no mundo,
      Quando sempre, na defesa e resistência
      Fica unida fraternalmente,
      Do Mosa ao Nemen
      Do Ádige ao Belt
      Alemanha, Alemanha acima de tudo
      Acima de tudo no mundo.

      II

      Mulheres alemãs, fidelidade alemã,
      Vinho alemão e canto alemão
      Devem manter no mundo
      O seu velho e belo som,
      inspirá-nos para acto nobre
      durante toda a nossa vida.
      Mulheres alemãs, fidelidade alemã,
      Vinho alemão e canto alemão.

      III

      Unidade e justiça e liberdade
      Para a pátria alemã.
      Zelaremos todos para isso
      Fraternamente com coração e mão!
      Unidade e justiça e liberdade
      São a garantia da felicidade.
      Floresça no esplendor dessa felicidade.
      Floresça pátria alemã!

      Excluir
    2. “Von der Maas bis na die Memel, von der Etsch bis na den Belt” (Do Mosa ao Neman, do Ádige ao Belt), ou seja, a Pátria Alemã ia além dos limites do Reno e alcançava as regiões habitadas pela população que falava o Idioma Alemão.

      O Hino Alemão foi composto por Joseph Haydn em 1797 para o aniversário do Imperador Francisco II, último líder do Sacro Império Romano-Germânico. Na década de 1840, o Império estava ruindo, mas o movimento de unificação das nações germânicas ganhava força. August Hoffmann compôs uma nova letra escrevendo seus versos da “Canção dos Alemães” durante o período que esteve exilado na Ilha de Helgoland, de domínio inglês. Ele ouvia vários hinos de outros países serem entoados e percebeu que a Alemanha não tinha um hino que enaltecesse a Pátria e nem alimentasse o sentimento de orgulho em ser Alemão. Enfatizando justamente essa ideia de que uma união do Povo Alemão era mais importante do que qualquer coisa. Por isso a música começava com o “Deutschland, Deutschland über alles, Über alles in der Welt”, ou “Alemanha, Alemanha acima de tudo, Acima de tudo no mundo”. A expressão “tudo” remete a problemas e complôs internos, e “mundo” com complôs e ameaças externas. Tem nada a ver com superioridade racial como gostam de mentir os hasbarás mal-amados e os bovinizados.

      Ademais, uma Alemanha unificada protegeria melhor sua população, garantiria justiça e liberdades civis (“Einigkeit und Recht und Freiheit, Für das deutsche Vaterland!”). Esses temas presentes no poema definiam o espírito humano e nacional que existia na época. Algo cada vez mais incompreensível nesses tempos modernos de judaico-marxismo cultural globalizador materialista.

      A versão de Hoffmann, “Deutschlandlied” composta por três estrofes, com a Unificação Alemã, foi ganhando força aos poucos e passou a ser adotada em algumas cerimônias oficiais. E em 1922, foi confirmada como o Hino Alemão oficial. Portanto, é PRÉ-HITLER. Vá estudar, preguiçoso.

      Também, caro paneleiro, os versos “Do Mosa ao Neman, do Ádige ao Belt” foram retirados pra que as novas gerações de Alemães não se apercebam dos crimes que foram (e são) vítimas, para que não venham a reclamar aquilo que lhes foi roubado, para não saberem da grandeza real que é a Alemanha, para não saberem a mesquinhez e vilania que aqueles que invejam a natural Grandeza Alemã.

      A 2ª estrofe é “sem pé nem cabeça” para quem não conhece poesia, a alegria, o modo de vida e o espírito da Alemanha, também conhecida como sendo uma terra de poetas, compositores e artistas. “Sem pé nem cabeça” também para quem, além de preguiçoso, não tem o que fazer.

      E para sua curiosidade, caro metido a expert em Hino Alemão, existe uma quarta estrofe (extra-oficial) após a I Guerra Mundial:

      “Deutschland, Deutschland über alles
      Und im Unglück nun erst recht.
      Nur im Unglück kann die Liebe
      Zeigen ob sie stark und echt.
      Und so soll es weiterklingen
      Von Geschlechte zu Geschlecht:
      |: Deutschland, Deutschland über alles
      Und im Unglück nun erst recht. :|”

      Acaso as terras que Israhell reivindica também não é “tudo muito antigo”?!

      Israhell também lembra nazismo, vamos “deita-la ao lixo”?! Israhell também lembra deicídio, crucificação do Inocente Filho de DEus, lembra os inúmeros julgamentos de Deus Altíssimo contra um povo de “dura cerviz”, lembra Jeremias 9: 3 que profeticamente denuncia :

      “A língua deles é como um arco
      pronto para atirar.
      É a falsidade, não a verdade,
      que prevalece nesta terra.
      Eles vão de um crime a outro;
      eles não me reconhecem”,
      declara o Senhor.

      Versículo nenhum pouco “sem pé nem cabeça.” Você devia se olhar no espelho antes de falar de quem quer que seja.

      Cobalto

      Excluir
  17. Mas quem e este Macarongo talmudista "português" que esconde o seu ódio biblico e que na verdade esse réprobo e usurário, esta pensando exato como o seu professor de ódio talmudista lá em Nova York, o tal de Ignatiev:De acordo com o criminoso racista judeu Noel Saul Ignatiev “a chave para resolver os problemas sociais de nossa época é abolir a raça branca.” “Não se enganem sobre isso,” ele diz, “nós pretendemos manter surrando os homens brancos mortos, e os vivos, e as fêmeas também, até a construção social conhecida como ‘a raça branca’ estar destruída, não ‘desconstruída’, mas destruída.” Noel Ignatiev, professor no Massachusetts College of Art, tem por anos defendeu a eliminação total dos caucasianos. Durante a sua conferência final, ele disse a seus estudantes do sexo masculino brancos "você não merecem viver. Vocês são um câncer, vocês são uma doença." Noel Ignatiev: Se você é um homem branco, você não merece viver. Você é um câncer, você é uma doença, os homens brancos nunca contribuíram com nada de positivo para o mundo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente!

      Abaixo dois artigos sobre isso que o hasbará, obviamente, se esguia para não defrontar situação que se revela a natureza do judaismo internacional, caso não fosse assim os próprios judeus já tinham obliterado a carreira de Ignatiev. Em tempo este é mais um exemplo da pseudo-ciência judaica!

      Harvard odeia a raça branca? – Por Paul Craig Roberts
      https://worldtraditionalfront.blogspot.com/2018/06/harvard-odeia-raca-branca-por-paul.html


      Judeus, comunistas e o ódio genocida nos "Estudos sobre a branquitude”
      https://worldtraditionalfront.blogspot.com/2018/02/judeus-comunistas-e-o-odio-genocida-nos.html

      Excluir
  18. Boa noite sr Norberto, tudo bem?
    vejam isso:
    www.alegriadesatan.com
    EDUARDO-SP

    ResponderExcluir
  19. Aí vem agora o Culus-Cacate holocau$tico com o Hino alemão! Compare o Hino alemão com os sangrentos Hinos francês, português e mexicano! Vai pra Jerusalém seu Apedeuta holocau$tico "português", e canta a tua "hatikvah".ha,ha,ha.

    La Marseillaise/A Marselhesa (tradução)
    Às armas cidadãos!
    Formai vossos batalhões!
    Marchemos, marchemos!
    Que um sangue impuro (!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!)
    Ague o nosso arado
    O quê! Tais multidões estrangeiras
    Fariam a lei em nossos lares!
    Contra vós, todos prontos a vos vencer!
    Franceses, guerreiros magnânimos,
    Amor Sagrado pela Pátria
    Conduz, sustém-nos os braços vingativos!!!
    Bem menos desejosos de lhes sobreviver
    Que de partilhar seus caixões,!!!!!!!
    Teremos o sublime orgulho
    De os vingar ou de os seguir.
    Às armas, cidadãos,
    Formai vossos batalhões,
    Marchemos, marchemos!
    Que um sangue impuro !!!!!!!!!!!
    Ague o nosso arado!
    O hino alemão; Alemanha Acima de Tudo, é uma brincadeira frente a essa ”Marselhesa” francesa cheia de Sangue Impuro, braços vingativos, partilhar seus caixões e outras frases sangrentas!

    Segue o Hino português começando com as suas armas, as armas sobre a terra, sobre o mar!No hino alemão não tem nenhuma palavra como essas do hino português! Segue o hino português


    Heróis do mar, nobre povo,
    Nação valente, imortal,
    Levantai hoje de novo
    O esplendor de Portugal!

    Às armas, às armas!
    Sobre a terra, sobre o mar,
    Às armas, às armas!
    Pela Pátria lutar
    Contra os canhões marchar, marchar!

    Abaxo palavras extraídas do Hino Mexicano! No hino alemão não existe palavras dessas aí!
    Em sangrentos combates os viste,
    Por amor a ti palpitando seus seios,
    Arrastar, calmamente, a metralhadora
    E a morte ou a glória buscar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E agora porque isto nao ha como factos

      O hino alemao e isto expurgado das referencias ao imperIo e nazismo. Que nao existem.

      E agora esgadanhem-se a vontade.escrevam livros etc.

      III

      Unidade e justiça e liberdade
      Para a pátria alemã.
      Zelaremos todos para isso
      Fraternamente com coração e mão!
      Unidade e justiça e liberdade
      São a garantia da felicidade.
      Floresça no esplendor dessa felicidade.
      Floresça pátria alemã!


      Excluir
    2. O monstro, aqui ensejado, está na maneira de ver e não na natureza do ser. Mateus 07:16 "Pelos seus frutos os conhecereis" - Os criadores e promotores do comunismo/bolchevismo/maçonaria esgadanham-se sempre em seus fervorosos genocídios, mas atribuem aos seus adversários, sua própria natureza. A verdade não acusa - revela. https://vielspassimsystem.wordpress.com/2016/01/12/adolf-hitler-hat-keine-juden-vergasen-lassen-aber-juden-haben-nichtjuden-massenhaft-vergast/


      https://storage.ning.com/topology/rest/1.0/file/get/158358871?profile=original ADOLF HITLER UM PALADINO PARA HUMANIDADE https://www.fliegende-wahrheit.com/2017/10/24/adolf-hitler-ein-gewinn-fuer-die-ganze-menschheit/

      https://redice.tv/red-ice-radio/the-myth-of-german-villainy

      Benton L. Bradberry serviu na Marinha dos EUA de 1955 a 1977 durante a Guerra Fria. Ele é graduado pela Escola Naval de Pós-Graduação em Monterey, Califórnia, com um diploma em Ciência Política e Relações Internacionais. A geração de Bradberry foi inundada com a PROPAGANDA ANTI-ALEMÃ e o FOLCLORE DO "HOLOCAUSTO" e ele passou anos pesquisando "o outro lado da história", que foi compilado em seu livro "O mito da vilania alemã". http://911tv.org/Library/LB-0003%20Bradberry%20-%20Myth%20of%20German%20villainy.pdf

      Bradberry começa descrevendo algumas das típicas propagandas anti-alemãs que ele encontrou ao longo do caminho na Europa durante seus anos na Marinha e em viagens recentes - um quadro vil e maligno tão diferente do verdadeiro caráter dos povos alemães altamente civilizados e cultivados que ele descoberto. Benton explica como a Primeira Guerra Mundial e a Segunda Guerra Mundial foram impostas à Alemanha, que estava superando as forças aliadas na tecnologia, ciência e medicina, em um esforço da Grã-Bretanha, França e Rússia para destruir seu rival mútuo. Entramos no financiamento sionista que ajudou a assegurar a presidência dos EUA para Woodrow Wilson, que foi o início da campanha de propaganda anti-alemã que levou os EUA a declararem guerra à Alemanha. Bradberry destaca a saga da Revolução Bolchevique Comunista que foi instigada por Lênin e Trotsky, e ele detalha o quão profundamente incorporada a facção judaica estava no Terror Vermelho que deixou cerca de 40 milhões de cristãos russos mortos. Depois, tocamos no levante espartaquista comunista, no Tratado de Versalhes e no bloqueio de fome imposto pelos ingleses que forçou a Alemanha a recorrer a medidas drásticas.

      Na metade dos membros, Ben mostra como a minoria altamente coesa dos judeus conseguiu dominar o Partido Comunista e o setor bancário, e se tornou excessivamente representada em todas as instituições e profissões durante os anos caóticos em que a economia alemã foi destruída. Discutimos a eleição de Hitler para chanceler e sua promessa de restaurar a Alemanha para os alemães, e como ele conquistou os corações e mentes de seus amados compatriotas, mulheres e crianças. Benton explica a declaração da guerra santa contra a Alemanha pelo movimento sionista internacional, e examinamos as 25 políticas do movimento nacional-socialista. Consideramos os incríveis desafios que Hitler enfrentou na reconstrução da Alemanha e as ações extremas que foram empregadas para purgar o país de seus elementos corrosivos. Então, olhamos para os eventos que cercam a disputa pela terra do corredor polonês e o início da Segunda Guerra Mundial, os pretextos falsos que confrontaram a França e a Grã-Bretanha contra a Alemanha, e o quadro geral da terrível carnificina da Alemanha depois da guerra. No final, voltamos nossos pensamentos para a atual situação de refugiados na Europa, Merkel, Trump e a GUERRA CONTRA OS BRANCOS. https://www.osentinela.org/andre/marion-marechal-substituicao-do-povo-nativo-da-europa-nao-e-teoria-da-conspiracao/?unapproved=2699&moderation-hash=ce5aa27ffff04d6c00e8447e1371de2f#comment-2699

      Excluir
    3. Tem tudo a ver com o hino, parabens pelo esclarecimento

      Excluir
  20. E agora esgadanha-se e vai lendo o teu talmud.

    Der jüdische Anarchist Erich Mühsam, „dichtete“ Im Jahre 1923 eine neue Lyrik für das Deutschland-Lied. Seria que o anarquista judeu Erich Mühsam „poetizou“ em 1923 uma nova lírica para a Canção Alemã. Esse terrorista-marxista foi conselhistas da República Soviética da Baviera (Bayrische Räterepublik) - também conhecida como República Soviética de Munique (Münchner Räterepublik1918-1919) - foi um governo comunista dos judeus Kurt Eisner, Eugen Levine e outros israelitas, de vida curta no estado alemão da Baviera .




    Strömt herbei, Besatzungsheere,
    schwarz und rot und braun und gelb,
    daß das Deutschtum sich vermehre,
    von der Etsch bis an den Belt!
    Schwarzweißrote Jungfernhemden
    wehen stolz von jedem Dach,
    grüßen euch, ihr dunklen Fremden:
    sei willkommen, schwarze Schmach!

    Jungfern, lasset euch begatten,
    Beine breit, ihr Ehefrau’n,
    und gebäret nun Mulatten,
    möglichst schokoladenbraun!
    Schwarze, Rote, Braune, Gelbe,
    Negervolk aus aller Welt,
    ziehet über Rhein und Elbe,
    kommt nach Niederschönenfeld!
    Strömt herbei in dunk’ler Masse,
    und schießt los mit lautem Krach:
    säubert die Germanenrasse,
    sei willkommen, schwarze Schmach!

    Uma „poesia“ de um judeu cheia de ódio racista, escrita contra o povo alemão com 10 anos antes de chegar Hitler ao poder! Traduzi mais ou menos o seu „poema“ de ódio, porque não domino bem o alemão, mas dá para entender o ódio desse leguelhe troglodita biblico!

    Correm para cá
    Exércitos de invasores!

    Preto e vermelho
    e marom e amarelo
    Para os alemães
    Não se proliferam
    Do Etsch até Belt!

    Negro, branco, vermelho
    Jovens camisas estrangeiras
    Sopram orgulhosas de todas as coberturas

    Saudam vocês,
    Seus escuros estrangeiros;
    Sejam bem vindos
    Escura humilhação!

    Jovens invasores
    Vão se casando
    Abrem as pernas das mulheres
    Para nascer só mulatos
    Se possível cor de chocolate!

    Pretos, vermelhos, marons
    E amarelos
    Negros do mundo inteiro
    Marscham sobre o Reno e a Elba
    Vem em Niederschönenfeld!

    Correm para lá, massa escura!
    E atirem com grande barulho
    Limpem a raça germânica!!!!
    Seja bem vinda desgraça negra!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exactamente esse e o hino alemao

      Excluir
    2. Deus Altíssimo revelou aos judeus pelo profeta Jeremias 9:3:

      “A língua deles é como um arco
      pronto para atirar.
      É a falsidade, não a verdade,
      que prevalece nesta terra.
      Eles vão de um crime a outro;
      eles não me reconhecem”,
      declara o Senhor.

      Depois de 2.700 anos , nada mudaram. Ou seria Deus Altíssimo algum paranóico antissemita?!

      Cobalto

      Excluir
    3. Depois de 2.700 anos , nada mudaram. Ou seria Deus Altíssimo algum paranóico antissemita?!"

      Sabia la deus o que era isso de anti semita, 😀😀😀isso foram os anti semitas que escrevem como tu que lhe ensinaram.Ate que nao estava mal nao senhor se esta pretensa luminaria a estudioso da biblia nao amputasse a biblia e por conseguinte as decisoes de deus ai plasmadas, claro que ha cerebros assim so decoram aquilo que querem, o raio da biblia e que tambem diz, que o tal deus que expoe os seus estados de alma ao fiel amigo jeremias deu aquela terra aos israelitas, um pai por vezes tem desabafos acerca da boa ou ma perfomance da prole com os amigos mas nunca os deserda.logo.......... Ora pensem la e completem a historia, e que e humana a partir dai.😇😇😇😇😇😇😇😇

      Excluir
    4. Não acredita na Bíblia, não acredita nos profetas, chama Deus de ignorante, mas acredita que aquela região da Palestina é herdade divina aos judeus .... rs

      Trolls desesperado e confuso são engraçados ... rs

      Mas tem cura: leia a Bíblia e fique são. E beba muita água, vai lhe fazer bem.

      Cobalto

      Excluir
    5. Eu nao acredito por isso a onu tambem nao acreditou, e dividiu aquilo entre judeus e palestinos😀😀😀😀 mas quem acredita na biblia e que tem que engolir o sapo que esta escrito na biblia e a palavra de deus e por ela deu aquilo a israel e sua descendencia. Nao vale rir. Esta la sem tirar nem por. Portanto quem acredita nao pode lutar contra a palavra de deus neeeee ou entao tambem nao acredita na biblia😀😀😀😀 muita agua ajuda a engolir o sapo do grande eretz israel. Esta na biblia muita agua menos esforco.

      Excluir

    6. Aqui para nos que ninguem nos ouve, josue 1.6: “Se forte e corajoso, porque tu faras a este povo HERDAR A TERRA QUE, SOB JURAMENTO, prometi dar a seus pais”.portanto,deus lhes esta terra como heranca, foi uma promessa com juramento,deus disse a abraao que estava dando a terra a seus descendentes atraves de isaque para sempre, “dar-te-ei e a tua descendencia a terra das tuas peregrinacoes, toda a terra de Canaa, em possessao perpetua, e serei o seu deus” gn 17.8. e mais claro que a agua para qualquer um que cre que a bíblia expressa a mente de deus, que deus deu aquela terra para abraao e seus descendentes,os judeus sao descendentes de abraao por meio de isaque, deus, o dono da terra, a deu para eles tomarem conta, para qualquer um que cre que a bíblia e a palavra de deus, isso deve ser o suficiente. aqueles que nao creem no deus da bíblia nao aceitarao este argumento, mas se o deus da biblia e o deus verdadeiro, entao um dia eles serao julgados por sua incredulidade, tens uma hipotese de nao engolir o sapo, nao crer na biblia e ser julgado por deus por nao acreditar na sua palavra, ou crer nele na biblia e dar a terra do eretz israel aos judeus 😂😂😂😂😂 engolindo o sapo escolhe a via menos dolorosa.

      Excluir
    7. PARTE 1/2

      A ONU não dividiu, ela SUGERIU a divisão. Aquelas terras nem lhe pertenciam, como haveria de dividi-la e sem nem a participação dos palestinos nas reuniões. Fato. Contrário a sua desacertada informação, a ONU sugeriu a divisão da Palestina por conta das crenças religiosas judaicas sim. Fato. Mas como "a língua deles é como arco pronto pra atirar falsidades" (Jeremias 9:3), alegaram que a ONU DEU. Depois de 2.700 anos, nada mudaram. Fato.

      Ainda, a posse daquelas terras como demais promessas estão atreladas a obediência aos Mandamentos e a Justiça (que é Jesus) de Deus. Fato. Isso está no verso seguinte que vc tentou esconder:

      6 "Esforça-te, e tem bom ânimo; porque tu farás a este povo herdar a terra que jurei a seus pais lhes daria."
      7 "Tão-somente esforça-te e tem mui bom ânimo, PARA TERES O CUIDADO DE FAZER CONFORME TODA A LEI que meu servo Moisés te ordenou; dela não te desvies, nem para a direita nem para a esquerda, para que prudentemente te conduzas por onde quer que andares."
      (Josué 1:6, 7)

      Os verdadeiros descendentes de Abraão são a Igreja através da fé, através do "sacrifício de Isaque" que é uma representação do Sacrifício de Jesus na Cruz. Viu como vc não entende sobre esse evento de Abraão e Isaque? Os judeus perderam a herança ao deicidar Jesus, O Messias. Ao não crerem em Jesus, chamam Deus que O testificou, de mentiroso. Lemos em Mateus 21:43 :

      "Por isso, Eu vos declaro que o Reino de Deus será retirado de vós (referindo-se aos judeus) para ser entregue a um povo (os cristãos) que produza frutos dignos do Reino." Que frutos? Os Frutos do Espírito Santo que coincidem com os Mandamentos. Judeus não os fazem, além de ainda esperarem o Messias e sacrificarem animais pelas maldades que cometem.

      Lemos ainda outra maldição sobre os judeus em Marcos 8:36, num dos sermões de Jesus à uma multidão judaica:

      "Pois, que adianta ao homem (dizendo a uma multidão de judeus) ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?" Cabe como luva pros Rothschild, Warburg, AIPAC, FED, Elie "Sobrevivente" Weisel, Jewish Defense League, etc etc.

      continua ... Cobalto

      Excluir
    8. PARTE 2/2

      E novamente trapaceia ao citar a Bíblia, leiamos o verso seguinte pra termos a correta compreensão:

      8 "Dar-te-ei e à tua descendência a terra das tuas peregrinações, toda a terra de Canaã, em possessão perpétua, e serei o seu Deus."
      9 "Disse mais Deus a Abraão: GUARDARÁS A MINHA ALIANÇA, tu e a tua descendência no decurso das suas gerações."
      (Gênesis 16:8, 9)

      As promessas e aquela terra estão atreladas a obediência a Deus. Ou seja, são do povo de Deus, a Igreja. São os cristãos (verdadeiros) que "produzem os frutos dignos do Reino."

      Não luto nem contra a Palavra nem contra Deus, quem faz isso são os judeus (falsos judeus, já lhe explico). Em homenagem a sua rebeldia com Deus até deram o nome de seu país artificial de Israel (adquirido por extorsão, sabotagens, corrupção, assassinatos, atentatos terroristas etc) que significa "aquele que luta CONTRA Deus". E por não crerem que Jesus é o Messias e por serem o único povo deicida da Humanidade. Judeus não são o povo de Deus:

      "Portanto, não é legítimo judeu quem simplesmente o é exteriormente, nem é verdadeira, circuncisão a que é feita apenas fora do coração, no corpo físico (pênis). Absolutamente não! Judeu é quem o é interiormente, e circuncisão é realizada na alma do crente, pelo Espírito Santo, e não apenas pela letra da Lei. Para todos estes, o louvor não provém dos homens, mas de Deus!"
      (Romanos 2:28, 29)

      Em complemento e reforço para que vc tenha todas as condições de compreender:

      "Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem (*): eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo."
      (Apocalipse 3:9)

      (*) Jeremias 9:3:

      “A língua deles é como um arco pronto para atirar. É a falsidade, não a verdade, que prevalece nesta terra. Eles vão de um crime a outro; eles não me reconhecem”, declara o Senhor.

      Recomendo que leia a Bíblia e fique são, ajudará-0 também a não ser trollador e enganado por Satanás e sua sinagoga. E beba muita água, vai lhe fazer bem também.

      Cobalto

      Excluir
  21. Sem blá, blá, blá, mas curto é grosso, a tal Bíblia é isso aí:A judiaria "bolou" uma boa fraude bíblica com a estória do judeu Joshua ou “Jesus” e da sua ressurreição mágica-celestial. O Cristianismo na verdade é um anti-nacionalismo como o seu irmão de sangue judeu e, por isso são os maiores promotores do "multiculturalismo"! Foram eles que promoveram as políticas da "tolerância" que trouxeram a Europa ao atual estado de decadência suicida! Foram e são eles que abrem as portas para milhões de invasores parasitas estrangeiros e, do outro lado aprovam que Israhel devolve os africanos para a sua miserável África! Eles propagam a mistura de raças, mas na Europa, aliás, nem no Brasil, não tem um único judeu ou judia casados com negros, ciganos, mongóis, muçulmanos e ect. é em Israhel tem lei racial desde 1953, que proíbe a judeus e judias se casar com Goiym, ou não judeus! Esse Papa Francisco também é um comuna-maçom-globalista como aliás foram todos os papas mundialistas-marxistas-judaizados. O Cristianismo está na linha da frente no que toca à defesa do internacionalismo marxista porque a Cristandade é de origem judaica, como o próprio comunismo judeu inventado pelo comuna caviar Kissel Mordekay, criminosamente apresentado como “o filósofo alemão Karl Marx”! Jesus e Marx são na verdade uma gigantesca fraude ao serviço de Judéia. De um lado os apelos do judeu Jesus para que os goyim(Não Judeus) abram as portas ao inimigo e deixem entrar o Cavalo de Troia da covarde "piedade" e "compaixão" para com todos e Israhel expulsa os africanos! O Cristianismo é o fermento ideológico que preparou o caminho para a ignorância total com a tal “multicultura” que transformou á Europa e o Ocidente a uma carcaça podre devorada devagar por abutres nojentos globalistas! Não é a toa que Benito Mussolini(1883-1945(, disse essa grande verdade: A Bíblia é a moral crista são dois cadáveres!!! E melhor falou ainda com dois mil anos atrás o filósofo grego Pitágoras(570 a.C.-495 a.C.)-A Verdadeira Morte é a Ignorância!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anti-nacionalista?! Promotores do multiculturalismo?! Fomentam o Comunismo?! Tolerância?!
      https://www.youtube.com/watch?v=X8zCv0AHnCs

      E:
      https://www.youtube.com/watch?v=2uqf6kdBcRE

      Se não fosse o Papa chutar a bunda dos reis europeus pra ajudarem Viena, ela teria caída:
      http://catolicismo.com.br/materia/materia.cfm/idmat/62ECFEA5-9BC4-F7F9-69CC75E971FCB200/mes/Novembro2015

      O mesmo se deu pra expulsar os mouros da Ibéria, o Papa convocou nobres feudais cristãos pra uma cruzada contra os mouros na península.

      Acaso já ouviu falar sobre os anti-Papas?

      Também não deveria confundir nem misturar cristãos com cristãos falsos.

      Não, meu caro. Quem está a fazer isso tudo que vociferas são justamente os anticristãos como os maçons, os judeus, os pagãos, são esses que governam a Europa. Não são os cristãos verdadeiros. Veja:
      https://www.youtube.com/watch?v=cREF8CISAxg

      A Nova Ordem Mundial que terá sua sede em Jerusalém, trabalha pra vinda do Anti-Cristo, e não do Cristo verdadeiro.

      Enfim, outro que nunca leu a Bíblia, mas acha-se doutor. Concordo: "A Verdadeira Morte é a Ignorância."

      Cobalto

      Excluir
    2. Foram e são os anti-cristãos de todas as vertentes que escancaram a Europa pra imigração e depois vem culpar os cristãos.

      Queimam-se e profanam-se mais templos cristãos que de qualquer outra religião:
      http://sensoincomum.org/2019/03/25/igrejas-profanadas-franca-padre-esfaqueado/

      Faz isso acima numa mesquita ou sinagoga ou loja maçônica pra ver o escândalo na imprensa, mas como são igrejas, é nota de rodapé quando noticiam.

      Uma das maiores causas dos atuais dos problemas da Europa é justamente o não ou anti-cristianismo. Primeiro tiveram que atacar a Igreja sob todas as formas pra enfraquece-la, pra então depois conseguirem corromper os costumes dos povos europeus com tudo o que a Igreja sempre condenou: homossexualismo, aborto, feminismo, maternidade e divórcio perderem sua divindade, relativizações dos valores e crenças cristãs, marxismo cultural, etc; assim conseguiram que os europeus ficassem órfãos não só de valores e crenças cristãs, mas também de bases morais sólidas e verdadeiras.

      Reitero minha concordância: "A Verdadeira Morte é a Ignorância."

      Cobalto

      Excluir

  22. "A ONU não dividiu, ela SUGERIU a divisão. Aquelas terras nem lhe pertenciam, como haveria de dividi-la e sem nem a participação dos palestinos nas reuniões."

    Tens razao rapaz mas so te fragilizas ainda mais, e verdade que os palestinos nao foram ouvidos nem os judeus,ouviram pelas noticias os trabalhos da assembleia da onu e a votacao da criacao dos dois estados, e sabes porque nao foram ouvidos,ainda nao eram estados nao tinham direito a opiniao nem voto na onuonu nao faziam parte da onu.


    A onu dividiu em dois estados porque ja sabia, devido aos ataques entre arabes e palestinos e entre estes dois contra os ingleses potencia admnistrativa que um so estado onde vivessem as populacoes palestinas e judaicas eram inviavel, por isso aprovou a divisao em dois estados e criou um organismo chamadao unscoop para no terreno determinar as fronteiras da partilha,aprovadas em assembleia, so que seis estados arabes acharam-se com coragem suficiente para corrrer com os judeus do seu estado que tinham aceite e declarado independente e avancaram contra israel. Coitados tiveram pouca sorte foram derrotados e israel foi no seu alcance e invadiu territorio que nao era do seu estado pela partilha, e so o devolveria a troco de reconhecimento pelos arabes da existencia do seu estado, como os arabes teimaram em nunca reconhecer eis o problema. Mas se nao sabia a onu dividiu.ponto


    Aquilo nao era da onu 😂😂😂😂😂😂 entao de quem era moco? desde que o imperio romano provocou a diaspora judaica aquilo foi territorio sempre de ocupacoes, o ultimo "proprietario" tinha sido o imperio otomano que por ter sido derrotado na primeira guerra mundial 1918 perdeu esse dominio, mas ficou sem dono? Nao😁😁😁 por isso a recem criada sociedade das nacoes passou a ser a "poprietaria" que entregou sob mandato a gra bretanha, mas que esta renunciou ao mandato em 1947 em virtude da violencia que estava a ter que enfrentar de arabes e judeus, por isso saiu e entregou a onu que entretanto sucedera a sociedade das nacoes para que decidisse o destino do territorio, o onu como estavamos no pos segunda guerra mundial e sob a influencia das autodeterminacoes achou por bem entregar aquilo as respectivas populacoes arabes e judeus. Dizer que aquilo nao era da onu admnistrativamente e de ignorantes

    Vejamos agora os contorcionismos do rapaz, eu gosto de camaleoes porque sao dinamicos mudam de cor, mas vamos considerar as promessas a abraao, ha tres 1. a terra, 2. uma nacao de descendentes numerosos, 3. uma promessa espiritual ou de descendencia, a promessa da terra esta em genesis 12, esse capitulo conta do chamado de deus para abraao deixar seu pais e parentes e ir a uma terra que deus lhe mostraria, em obediência a este, abraao foi a terra de canaa (12:5), entao deus disse a abraao, “darei a tua descendência esta terra” (12:7). depois a promessa estendeu-se em genesis 15:18-21 onde deus disse a abraao “a tua descendência dei esta terra, desde o rio do egito ate ao grande rio eufrates”. a segunda parte da promessa, descendentes numerosos, e encontrada no 13:16 onde deus disse a abraao, “farei a tua descendencia como o po da terra” e “como as estrelas dos ceus” (15:5). a promessa de descendencia “espiritual” encontra-se no 22:18, “nela na sua descendencia serao benditas todas as nacoes da terra, porquanto obedeceste a minha voz”.estas promessas rapaz sao muito importantes, pois o resto da bíblia desenvolve-se nelas , se as amputas amputas a biblia e a palavra de deus, o velho testamento nas primeiras duas e o Novo Testamento na terceira. Custa eu sei mas as hipoteses de engolir o sapo mantem-se em pleno apesar do teu contorcionismo. Uma doacao perpetua de deus e uma doacao prepetua.o que e que nao entendeste nesta frase. Renuncia a biblia ou da a terra aos judeus. O seu a seu dono😂😂😂😂😂

    Ps. E olha adoro o jeremias e um ponto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foram os "mocinhos" que tornaram uma ação de justiça e humanitária dos alemães em guerra mundial por, ao menos 2 ações inconfessáveis :
      1º) a cilada da Polônia descrita acima, e
      2º) Pacto Churchill-Stalin de 15 de outubro de 1939. Foi um acordo secreto entre os "mocinhos" Churchill e Stalin, estabelecendo os planos para uma guerra em 4 frentes contra a Alemanha. O plano foi assinado por Stalin em 28 de janeiro/1940, e por Churchill em 08 de fevereiro de 1940.

      Tudo carta marcada, é de uma baboseira sem tamanho repetir "Hitler começou a Segunda Guerra". Bobagem das mais idiotas, mentirosas e criminosas que existem. E percebam que os "mocinhos" ainda hoje não abrem seus arquivos secretos sobre esse período!! Pelo contrário!! Todos renovaram os prazos de sigilo!! Por quê?! Hitler não é o malvadão?! Abrir esses arquivos secretos não seria como chover no molhado?!

      Cobalto

      Excluir
  23. Afinal , gostaria de saber se os israelenses são descendentes do povo hebreu ou se são provenientes da Khazaria ( hoje província da Georgia na Rússia ).Segundo o que eu pesquisei , os Khazares adotaram a religião e lingua hebraica. Foram expulsos pelos russos no seculo X , tendo seus habitantes se espalhado pela Europa; não tem nenhuma ligação histórica nem genealógica com o povo hebreu ( descendente de Abraão ). Na verdade , o povo hebreu hoje , póstula-se que esteja espalhado por todo Oriente Medio. Gostaria de um esclarecimento de alguém que seja estudioso do assunto .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1) Essa conversa de "descendentes de Khazaria" é bobagem. Esqueça isso. A maldade judaica precede a suposta conversão ao Judaísmo daquele povo da Geórgia. Pra se desvincularem dessas maldades é que vieram com essa conversinha de Khazaria, é tática diversionista.

      2) Descendentes de Abraão tem 2 tipos: o carnal (por genealogia) e o espiritual (pela fé). É pela fé em Cristo Jesus que nos tornamos "povo escolhido". Até no VT vemos isso quando pessoas de outros povos se tornaram hebreus, isso só foi possível porque creram em Deus, não foi porque nasceram do sêmen de Abraão. Não é o sêmen que salva e nos torna povo eleito, é a fé.

      3) Leia meus 2 comentários de 30/03/2019 acima.

      Cobalto

      Excluir
    2. Mais uma patetada, a khazaria e uma teoria que procura explicar genealogicamente que os judeus nao sao os descendentes dos antigos judeus mas da khazaria, esta teoria foi formulada pelos antisemitas e neonazis para dizer que por tal os judeus nao tem direito a sua terra prometida na biblia.

      Agora gostei da patetada dizer que o que conta e a fe em cristo.😂😂😂😂😂😂 mas cristo era judeu descendente de judeus e assumidamente judeu que cumpriu os rituais,e que manteve tudo so dizendo que vinha acrescentar um novo mandamento, amar os outros como a ti mesmo, mas issso agora nao interessa para nada, mas o deus dos judeus tambem disse que cristo era seu filho e nos por fevso pode somos todos judeus,pois nao praticamos os costumes mas temos o mesmo deus.😀😀😀😀 boa pateta tu es, dos seus livros do amigo jeremias e do seu deus, que mais podes tu querer apesar dos contorcionismos.

      Excluir
    3. Esqueceu de dizer que Jesus ao cumprir as profecias, comprovou ser o Messias. Portanto, seu assassinato pelos judeus (isso nunca dizem) é considerado o ÚNICO CASO NO MUNDO DE DEICÍDIO.

      Os judeus lutam contra a Palavra e contra o próprio Deus Altíssimo, isso faz que sejam os falsos judeus descritos em Apocalipse (*).

      Os judeus, em sua eterna rebeldia contra Deus até deram o nome de seu país artificial de Israel (NOTA: adquirido por extorsão, sabotagens, corrupção, assassinatos, atentatos terroristas etc, nada de maneira santa) que significa "aquele que luta CONTRA Deus". E por não crerem que Jesus é o Messias e por serem o único povo deicida da Humanidade. Judeus não são o povo de Deus:

      "Portanto, não é legítimo judeu quem simplesmente o é exteriormente, nem é verdadeira, circuncisão a que é feita apenas fora do coração, no corpo físico (pênis). Absolutamente não! Judeu é quem o é interiormente, e circuncisão é realizada na alma do crente, pelo Espírito Santo, e não apenas pela letra da Lei. Para todos estes, o louvor não provém dos homens, mas de Deus!"
      (Romanos 2:28, 29)

      Em complemento e reforço para que vc tenha todas as condições de compreender:

      (*) "Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo."
      (Apocalipse 3:9)

      A Nova Ordem Mundial que terá sua sede em Jerusalém (Israhell), trabalha pra vinda do Anti-Cristo, e não do Cristo verdadeiro.

      Recomendo que leia a Bíblia e fique são, ajudará-0 também a não ser trollador e enganado por Satanás e sua sinagoga. E beba muita água, vai lhe fazer bem também.

      Cobalto

      Excluir
    4. Ta bem abelha.tu es filho espiritualmente do deus israelita quer queiras ou nao e dos seus livros dos seus profetas e do seu filho. Somente isto. des tu as voltas que deres ao texto.e como por exemplo os comunistas marxistas maoistas e a origem da sua ideologia. Sao comunistas. Le a biblia e conta me contos do amigo jeremias lol,tu podes dizer sou cristao mas nao podes renegar a tua origem espiritual e escusas de meter os judeus que mataram jesus e deicidio. Porque isso nao fói deus que tinha decidido assim? Quis sacrificar o seu filho por todos para remicao dos pecados? Eles so cumpriram a vontade do altissimo seu deus que mandou sacrificar o seu filho que tambem era judeu,lollollol

      E escusas de vir com historinhas de criancinhas e o bicho papao do satanas, o inferno e o paraiso sao esta vida e somos nos que o fazemos,um tarrant por exemplo mostrou o que e o inferno e satanaslolollol
      Leiam a biblia e depois contorcionem-se a engolir sapos.

      Excluir

Escreva aqui o SEU pensamento sobre o assunto. É dispensável repetir o que já é de domínio público. A indicação de links deve ser acompanhada de breve descrição do conteúdo. Mensagens anônimas, agressões e baixarias não serão publicadas.