22 de agosto de 2016

AQUECIMENTO!


Não, não vou falar do propalado “aquecimento global”, no qual não acredito mesmo. É a situação política na Europa que está entrando num estado de febre ameaçadora. A França já faz tempo que vive um estado policial com a suspensão temporária dos direitos individuais. Não tem mais nada de democracia. Ontem, domingo, a alemã “Frankfurter Allgemeine Sonntagszeitung” anuncia, segundo a agência AFP, que no pronunciamento esperado para a próxima quarta-feira
o governo da RFA conclamará a população a se abastecer e manter um estoque individual de mantimentos para um período de dez dias.
Segundo a nota o povo deve se preparar para enfrentar uma possível situação crítica durante um período que um governo necessitaria, numa possível crise, para as medidas urgentes que possam estabilizar o abastecimento. As pessoas devem manter uma reserva de alimentos, água (2 litros/dia), energia e dinheiro em espécie. Não ficou claro se tais preparativos indicariam a possibilidade de haver uma situação bélica. É verdade que o governo a pouco tempo fez alterações em sua estratégia militar, sendo a Rússia agora considerada nação inimiga. A OTAN avalia como possível um ataque russo ao seu território. Só que isto já deve estar merecendo revisão diante da aliança que está se formando entre Putin e Erdogan, uma vez que a Turquia é membro da OTAN.

Paralelamente o GATESTONE INSTITUTE de Nova Iorque publica em seu portal uma longa lista de atos criminosos de estupro e assédio sexual que vêm sendo praticados por refugiados em território alemão. Já foi amplamente comentado aqui, que isto era esperado e, com toda certeza, faz parte do plano de desestabilização da Europa.

E, igualmente dentro do programado, o governo alemão está anunciando amplas medidas que deverão ser encetadas para reforçar a segurança interna, tais como aumento dos efetivos das forças policiais, controle das comunicações e treinamento das forças armadas para intervenções internas. Há quem receie que estas intervenções internas possam ser dirigidas contra o próprio povo nativo, caso este comece a revolta contra a presença estrangeira e seu desrespeito às leis e costumes do país. De junho para julho aumentou em 49% a concessão de licença a alemães para porte de armas não fatais (gás de pimenta e pistolas com munição de festim).

As iniciativas anunciadas, ou a serem anunciadas pelo governo alemão, podem se resumir a manobras eleitorais. É que este ano estão sendo realizadas as eleições para as assembleias legislativas estaduais. As que já aconteceram demonstraram o crescimento de um partido político novo que tem a sigla AfD, cuja tradução quer dizer ALTERNATIVA PARA A ALEMANHA. Cresceu apesar da forte campanha difamatória que sofre da mídia teleguiada. É considerado de extrema direita, o que por si só já inclui os termos nazista e racista. Na realidade o partido é o único que se posiciona contra a política suicida da Angela Merkel, que não quer impor limites à invasão do país por refugiados. Veja mais sobre a AfD neste blog em maio 2016 sob A ALEMANHA REAGE. Ao que parece povo está começando a abrir os olhos e a se livrar da doutrinação que Merkel, seu gabinete e as ONGues comandadas por George Soros estão inflingindo ao país.

Daí o anúncio de “aumentar a segurança” pode ter um duplo sentido. É aguardar para ver. Acho que até o final do ano ainda muita coisa está por acontecer e isto não só na Europa.

Toedter 

16 de agosto de 2016

A PALESTRA DO XEIQUE

Um XEIQUE americano se apresenta numa mesquita na Malásia, fazendo uma palestra, cujo tema é a situação geopolítica mundial (2014). É muito interessante. Os gestos, a mímica e o ar professoral do apresentador dão vida à imagem, mas como não tem legendas em português, e o importante é o teor da mensagem, lanço mão de um recurso um tanto inusitado. Deixo a imagem inicial parada e mostro apenas o texto traduzido, buscando manter a maior fidelidade em relação ao original.

VAMOS À PALAVRA DO XEIQUE:

Em 1907 Grã-Bretanha e França atraíram a Rússia a fazer parte de uma aliança. Ofereceram "mel". "Venha participar de uma Tripla Entente Grã-Bretanha, França e Rússia.”

O "mel" que usaram para seduzir a Rússia foi o seguinte: "Quando nós ganharmos a guerra contra o Império Otomano, vocês receberão Constantinopla (Istambul)", uma coisa que Rússia queria.

Mas a promessa que fizeram à Rússia eles não cumpriram e enganaram a Rússia, como o fizeram com os árabes.

Todos esses "Sábios" com títulos de doutores são embusteiros. Quando dizem "o sol está brilhando", não acreditem!

Saiam para fora e vejam vocês mesmos para o céu, se realmente o sol está brilhando.

Quando o Exército russo foi lutar na Primeira Guerra Mundial - eles tiveram então as maiores perdas, a maioria dos soldados vitimados na Primeira Guerra eram russos.

E os russos estavam começando a ganhar a guerra, o Império Otomano estava afundando e o Exército Russo distante uma braçada de Constantinopla.

Mas "eles" não queriam que a Rússia conquistasse Constantinopla, não. E o que fizeram?

Judeus russos organizaram a Revolução Bolchevista, que derrubou a monarquia russa. Assassinaram o Czar e toda a sua família.

Eles deram o golpe e desta maneira excluíram a Rússia da Primeira Guerra Mundial. E o Exército Russo teve que parar pouco antes de Constantinopla.

Em outras palavras, os judeus russos deram uma facada nas costas da Rússia. Ainda mais, fizeram mais uma coisa.

Levaram o comunismo à Rússia. Comunismo não é russo. Estes bobalhões não entendem isso.

O comunismo foi criado para destruir a Rússia. Por que esses imbecis não entendem isso? O comunismo não é russo.

O comunismo foi gerado para destruir a Rússia, para destruir a religião ortodoxa russa.

Eles levaram o comunismo à Rússia e criaram a União Soviética.

E nos 60 a 70 anos seguintes essa invenção sionista, chamada União Soviética, fez guerra contra a religião.

Fez guerra contra a religião russa, matou sacerdotes, fechou igrejas, conventos etc. Isso durou 60 a 70 anos.

E depois, quando foi fundado o Estado de Israel, a mesma União Soviética abriu suas fronteiras para a colonização de Israel por judeus russos.

Se vocês hoje forem a Israel poderiam pensar que estão na Rússia. Tantas pessoas lá falam russo, são os judeus russos (cerca de 1 milhão; de cinco judeus em Israel um é judeu russo).

Em seguida, 6 anos depois da fundação de Israel, a União Soviética fez algo esquisito e místico.

A Crimeia é território russo. É uma parte da Rússia.

A União Soviética decidiu dar a Crimeia de presente à Ucrânia.

Por que fizeram isto?

Os historiadores não irão lhes contar. Portanto deixem eu lhes dizer sobre isto.

Eles deram a Crimeia à Ucrânia para dar uma segunda facada nas costas da Rússia.

Por que, a Rússia perdendo a Crimeia, isso fortalece a segurança de Israel.

A Marinha russa é estacionada na Crimeia.

E é uma linha direta a Crimeia para Constantinopla.

Da Crimeia a Marinha russa pode deixar o Mar Negro e chegar ao Mediterrâneo, passando pelo estreito do Bósforo.

E a cidade de Constantinopla fica ao lado do Bósforo.

Então, deram a Crimeia de presente à Ucrânia (1954).

Nunca perguntaram pela concordância da população da Crimeia, não.

Nunca pediram permissão dos russos, do povo, não.

Porém Washington nada quis saber disto.

Este deficiente mental que agora ocupa a Casa Branca em USA. Esse Boboca.

Ele quer dar a impressão de ser um sábio.

Ele não quer escutar. Como é que ficam os direitos desta gente russa. Eles não foram desrespeitados?

Os Estados Unidos têm o direito de mandar no Iran?

Eles exigem a devolução da Crimeia, que fora ilegalmente tomada aos russos? Isso foi feito em nome de Israel. Obama nada quer saber disto.

Isso não lhes serve.

Mas nesta mesquita vamos desmascará-los, gostem ou não.

Eles fizeram mais do que isto.

Eles não deram apenas a Crimeia à Ucrânia, antes ainda se desfizeram da Ucrânia Oriental, que também era russa.

Era russa.

A União Soviética deu de presente à Ucrânia.

Por que deram estes territórios de presente à Ucrânia?

A resposta é, quando chegar o momento adequado, as mesmas pessoas, que criaram a União Soviética, produziram agora um método de como fazer a União Soviética desmoronar.

O mesmo método que estão usando atualmente na Venezuela - manifestações em massa - que utilizaram no Egito e na Tunísia.

Eles são mestres neste método.

Antes eu acreditava que Alá fizera a União Soviética ruir. Com a bondade de Alá.

Mas eu estava enganado.

Não, não foram os sionistas que destruíram a União Soviética. Não mais necessitavam dela.

Da mesma forma como amanhã não mais necessitarão da Arábia Saudita, não mais necessitarão Islamabad (Paquistão), quando compreenderão isto?

Serão jogados aos cães, serviram-lhes o tempo suficiente.

Portanto, eles destruíram a União Soviética. Por quê? Para que a Ucrânia pudesse surgir como Estado independente.

E isso é um perigo para a Rússia.

Prepararam o caminho. Agora a Ucrânia está constituindo um Estado independente.

De forma que colocaram a coleira no pescoço da Rússia.

E desde o dia em que a União Soviética foi destruída até ontem (referendo popular na Crimeia) estavam tensas as relações entre Ucrânia e Rússia.

Mas até agora as pessoas na Ucrânia tinham a sabedoria e a sã consciência de eleger um governo pró-Rússia (Janukowitsch).

Os sionistas decidiram usar aqueles métodos, vocês sabem, as manifestações de rua.

E em outubro, novembro e dezembro do ano passado (2013) o mundo padeceu dessa doença (manifestações de rua), Caracas (Venezuela) e em toda parte do mundo.

E ao fim os sionistas conseguiram o que queriam.

Eles têm o dinheiro e podem mandar seus "especialistas". Atiradores de precisão, que matam, e outros, que usam os coquetéis-molotovs e assim por diante.

Acabaram conseguindo o que queriam - criaram o caos.

Queira Alá proteger deles a Malásia! Amem, amem!

E o presidente da Ucrânia (Janukowitsch) fugiu.

Antes ele fora eleito democraticamente, senhor Obama, de acordo com vossos métodos! No sentido do teu sistema!

Ele foi eleito legalmente, presidente da Ucrânia legitimamente eleito! Foi obrigado a fugir.

E esses hipócritas em Washington, Londres e Paris querem que acreditemos sejam eles pessoas honestas - eles não o são!

Em lugar de se colocarem ao lado do Presidente legalmente eleito e exigirem o respeito à Justiça,

eles mostraram sua cara verdadeira. Estes hipócritas,

e imediatamente reconheceram o novo governo da Ucrânia.

O novo governo da Ucrânia é antirrusso. É isto o que eles queriam.

Por este motivo destruíram a União Soviética, para fazer da Ucrânia um Estado independente

e instalar posteriormente na Ucrânia um governo antirrusso.

Não tivesse, com a bondade de Alá, havido a intervenção de Putin e não tivesse sido Putin tão espetacularmente bem-sucedido,

então teria sido posto em ação o seguinte plano:

O novo governo da Ucrânia teria se tornado membro da OTAN e a Rússia não teria meios de evitar.

E se o novo governo tivesse aderido à OTAN, a OTAN teria mandado suas tropas à Ucrânia.

Inclusive armas nucleares.

Então a Ucrânia teria iniciado uma guerra contra a Rússia querendo que a Rússia deixasse a Crimeia.

Rússia deveria fechar sua base da Marinha na Crimeia e se mandar.

A coleira estaria firme no pescoço da Rússia e teria que por o rabo entre as pernas (igual a um cachorro)

e retirar sua Marinha e sua frota do Mar Negro.

Rússia deixaria de ser uma potência marítima. Zig-Zag. Acabou, fim.

Israel teria festejado. Era o plano mestre.

Mas Alá planejou, o plano de Alá teve sucesso.

E agora é tempo de o mundo muçulmano reconhecer isto e manter à vista.

Não posso exercer influência sobre os governos. Com governos a gente só desperdiça tempo. Mas as pessoas, os povos podem compreender.

Que isso foi um plano de Alá.

E o plano que os inimigos andaram tricotando por tanto tempo, este plano foi derrocado no último momento por Alá.

E Putin teve condições de motivar as pessoas na Crimeia a realizar um referendo. E neste referendo mais de 90%, ou mais, votou a favor da reunião com a Rússia.

Reintegração com a Rússia, porque a Crimeia é parte da Rússia.

E queriam voltar para a Rússia.

Portanto Putin teve sucesso em aplicar uma derrota ao Movimento Sionista.

Uma importante derrota em sua mais de centenária história desde a sua formação.

Não seria isto um sinal de Alá! É tempo para que acordem!


Agora, para quem quer ver o vídeo original, aqui está o endereço:


Toedter

2 de agosto de 2016

VULGARIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO


Para começar nosso “papo” de hoje, eu perguntaria se alguém conhece um cidadão ou cidadã que não possua este tijolinho chato – em todos os sentidos da palavra – chamado de smartphone? Acho que ao menos metade dos brasileiros, nisto incluídos crianças e idosos, têm uma dessas traquitanas no bolso, ou melhor, na mão. Só este fato justifica chamar o aparelho de fone inteligente. Em curtíssimo prazo essa coisinha produziu uma movimentação financeira impressionante no país. Se considerarmos um preço médio de 800 reais cada um e multiplicarmos por 100 milhões (metade da nossa população) de compradores teremos a significante importância de 80 BILHÕES de reais.

A coisa tem dois aplicativos básicos e que constituem a fascinação absoluta dos seus usuários: FACEBOOK e WHATSAPP. São gratuitos, mas tudo não funciona sem internet. Não adianta ter internet contratada para o seu computador, tem que ser própria para o pestinha. Calculada a R$ 50,00 resulta em mais 5 BILHÕES por MÊS!

Belo negócio de um valor produtivo próximo a zero, porém extraordinariamente rentável. Para quem? Certamente não é o nosso país que está lucrando com isso. Alegar-se-á que trouxe enormes benefícios à comunicação, e tudo de graça! Não sei se as torres de retransmissão cada vez em maior número e cada vez mais potentes – há pouco era G2, hoje estamos em G4 – contribuem exatamente para o bem-estar e saúde das pessoas. Não são poucos os cientistas que advertem para os efeitos prejudiciais à saúde, principalmente dos organismos em formação das crianças. Seriam causados pela radiação eletromagnética das antenas e dos próprios aparelhos. Quanto ao progresso na comunicação, que os tais smartphones estariam oferecendo, não seria de se perguntar, se na realidade não estamos apenas diante de uma VULGARIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO.

Na verdade a introdução em escala mundial deste sistema representa mais uma etapa do exercício do MIND CONTROL (controle da mente) ao qual a humanidade vem sendo submetida desde que uma certa oligarquia, há muito tempo disposta a conquistar o domínio global, conseguiu o controle e domínio da NOTÍCIA. Não é preciso ser psicólogo para saber que um cérebro ocupado com entretenimento pouco ou nada está disposto à reflexão. Eles, os globalizadores, não estão interessados em súditos que pensem. Quem pensa, raciocina, formula conceitos próprios e é muito mais difícil de dirigir e controlar. O futuro dispensará pessoas inteligentes, serão substituídas por computadores.

É fácil constatar a alienação que está se espraiando. Pouca gente achou estranho, conjectura ou se surpreendeu ao assistir recentemente um papa católico, cristão, representante de uma religião que até há pouco tempo era a que tinha o maior número de adeptos no mundo todo, se fazer de arauto de interesses judaicos. Também é difícil encontrar alguém que se compadeça dos povos que continuamente estão sendo expostos a bombardeios, morte e destruição. Em nossa volta poucos ou talvez ninguém, mesmo entre os que têm lá sua origem genética, está se preocupando com a programada extinção da identidade dos povos da Europa, claramente em curso. São resultados do DOMÍNIO DA NOTÍCIA e do ENTRETENIMENTO.

A coisinha chata ainda vai dar muito o que falar. Vejam o caso do UBER que veio para demolir uma instituição mais que centenária, a do TAXI. O Taxi sempre esteve sob regulamentação do poder público, que controlava a expedição de licenças, a fim de equilibrar oferta e procura. Motoristas esperavam anos para obter a licença. Agora vem o UBER, protegido por algum poder oculto, e supera todas as restrições. O serviço já funciona em outras nações e opera comandado pelo Whatsapp. E salve o consórcio do Zuckerberg!

Então, por princípio e por protesto estou me negando a ser usuário do aparelho que tem o formato de um tijolinho chato. Talvez um dia se torne obrigatório. Por enquanto não me faz falta.

Finalizando, não custa lembrar que lá na primeira metade do século passado existiu um homem que tentou por todos os meios obstruir as tratativas deste poder oculto, que está levando a humanidade à total subserviência. Vencido, fizeram do seu nome o hoje mais difamado e odiado no mundo todo, tarefa que pelo WhatsApp fica ainda mais fácil.

Toedter

20 de julho de 2016

POR QUE SE TORNOU MUÇULMANO?

Aqui MUHAMMAD ALI responde.

Novamente o MEDALHA DE OURO da Olimpíada de 1960 (Roma), na época ainda chamado CASSIUS CLAY, nos dá importante depoimento sobre RACISMO. Começa light e vira bastante sério. Veja:
video

Sempre quando se fala em olimpíada os já citados Agentes do Mal aproveitam para denegrir a Olimpíada de Berlim (1936), onde teria acontecido a tão falada ofensa racial, praticada pelo Führer Adolf Hitler, que não cumprimentou Jesse Owens, então o atleta mais veloz do mundo. Como se fosse comum chefes de estado: 1º estarem presentes ao desenrolar de todos os jogos e, 2º, cumprimentarem um por um os ganhadores de medalhas. Mas mais esta mentira - já vivemos um século de mentiras - serviu para criar e alicerçar o conceito de que o alemão “nazista” era RACISTA. Esta mentira teve efeito tão contundente, que faz com que o alemão de hoje não ousa empregar nem mesmo um derivativo, que lembre a palavra raça. Constrangido, não consegue protestar contra a invasão em massa que seu país vem sofrendo por povos estranhos.

Os detratores sempre alegam as Leis de Nurenbergue editadas em 15.9.1935 pelo governo nacional-socialista alemão. Na realidade estas leis são três. A primeira descreve a bandeira nacional do Reich. A segunda define o direito à cidadania alemã. Foi o Reichsbürgergesetz. Finalmente a terceira, a polêmica, denominada Gesetze zum Schutz des Deutschen Blutes und der deutschen Ehre(Leis de Proteção ao Sangue e à Honra Alemã). Esta é a que impede o casamento entre judeus e alemães ou pessoas de sangue afim. Lhes proíbe a cidadania alemã. Define com detalhes quem é judeu. Proíbe-lhes o hasteamento da bandeira alemã, mas permite que exponham suas próprias cores. Não se encontra no texto alguma disposição que os segregue da população. Há que se considerar aqui que a comunidade judaica mundial - o estado de Israel ainda não existia - já havia se colocado em oposição à Alemanha, declarando-lhe GUERRA e anunciando boicote aos seus produtos ao redor do mundo.

Assim, se houve a prática de RACISMO, no verdadeiro sentido segregacionista, isto aconteceu no outro lado do Atlântico, nos Estados Unidos, nos proeminentes USA. Foram os RACISTAS os que hoje se arvoram lideres do nosso mundo e promovem a difamação dos germânicos. É contra eles que vale o presságio sinistro feito por Muhammad Ali, nesta entrevista na BBC londrina, que acabaram de assistir. Foi nos Estados Unidos que até 1967 vigoraram leis que discriminavam os negros, os mesmos negros que haviam importado a força! E é bom não esquecer que o Apartheid funcionou também na África do Sul britânica, isto até 1985.

Cassius Clay, seu irmão Rudolph e a mãe eram metodistas. O pai católico. Quando adotou a religião muçulmana, Cassius passou a usar o nome Muhammad Ali. Faleceu em junho deste ano, deixando esposa e nove filhos.
Toedter


12 de julho de 2016

GUERRA CIVIL

Acredito que não há quem não tenha ouvido falar de MUHAMMAD ALI, antes chamado CASSIUS CLAY. Ele faleceu recentemente, oportunidade em que mereceu muitas homenagens, tanto de autoridades, quanto do público e da imprensa do mundo inteiro. No auge da sua fama foi entrevistado pela BBC. Recebi um vídeo com um trecho desta entrevista e achei que o momento pede, ou até impõe, que seja divulgada. São pouco mais de quatro minutos, vale a pena:

video
Agora pergunto, não é isto mesmo? Não é um posicionamento correto, natural? Não é ofensivo a quem quer que seja e constitui uma garantia de convivência pacífica. Porém PAZ é a última coisa que os AGENTES DO MAL, os satanistas, os Illuminati querem. A DIVERSIDADE, que promovem insistentemente, só vale para orientação sexual. Origens raciais diversas para eles não existem, é todo mundo igual. Temos aí a célebre IGUALDADE que já faz parte da bandeira deles desde a Revolução Francesa.

Vêm eles exercendo uma atividade cada vez mais intensa no sentido de deformar a nossa sociedade. Durante séculos nossa civilização era marcada por um progressivo desenvolvimento, aprimoravam-se as virtudes de uma cultura toda ela voltada para a busca do bem, do belo, do crescer, do melhorar, do bem-estar social. Cada vez mais camadas da população eram atingidas pela educação. O conhecimento chegou a raias antes inimagináveis. Porém logo depois da Segunda Guerra Mundial eles começaram a desembainhar seu arsenal de armas psicológicas com o intuito de reverter a tendência. São armas que promovem a tensão social e buscam aviltar os valores espirituais e morais. O comportamento desnaturado, perverso, é encorajado. A relação entre o masculino e feminino é tumultuada, a homossexualidade, o transgênero, a androginia, a promiscuidade são promovidos. A exploração do feminismo contribuiu para aumentar a oferta de mão de obra e baixar salários.

A arte engatou a marcha a ré. Música, canções, pinturas têm que ser agressivas. Em lugar do belo entrou a aprovação do repulsivo. Os monstros são parte obrigatória entre os brinquedos de crianças. Os espetáculos de UFC, até os praticados entre mulheres, atraem milhares de espectadores. As instituições são desacreditadas, o crime e a droga favorecidos. É a degradação geral.

E a maquinação que vem se tornando cada vez mais ostensiva é o fomento da dissensão, não só entre gêneros, entre pais e filhos, entre alunos e professores, mas geral, entre raças e povos. Arma poderosa é o incentivo à tensão racial, do qual o melhor exemplo estamos vendo hoje nos Estados Unidos, onde não falta muito para que aconteça a eclosão de guerra civil entre brancos e negros. É deveras surpreendente que ainda haja branco que queira ser policial. Mesmo aqui, nas nossas paragens, policial que não atira primeiro é policial morto.

Tudo vem sendo encaminhado em sentido contrário ao produtivo. É o caso flagrante da Europa que vem sendo invadida por povos de costumes, cultura e religião que nada têm de integrável com os vigentes nos povos destinados hospedá-los. Isto justamente acontece ao Velho Continente, o menor e mais densamente povoado de todos. É claro que os conflitos estão programados.

Pois é, diante de tudo isso não é de perguntar, como é que ELES, os agentes do MAL, conseguem impor tal situação a nós outros, bilhões que somos? Penso que se todos nós tivéssemos consciência do que está acontecendo, as armas psicológicas, que eles estão empregando, não passariam de fogos de artifício. E, como disse Muhammad Ali, cada um viveria feliz e satisfeito.

Toedter

4 de julho de 2016

CARTA PÓSTUMA A ELIE WIESEL

O noticiário internacional, sempre claro, verdadeiro e objetivo, trouxe-me a informação da morte de Elie Wiesel. Quem não sabia quem foi esta personalidade, o sabe agora. Os diretores de jornais se esmeraram numa cobertura ampla e completa. Elie Wiesel e eu eramos praticamente da mesma idade. Vendo a sua foto por toda parte, deu-me vontade de lhe escrever uma carta, póstuma, como dizem. Aí vai:

Sr. Elie Wiesel!
Soube que durante a guerra nós dois já estivemos próximos um do outro, você em Auschwitz e eu visitando o meu pai ali perto, em Cracóvia. Na época eu nem sabia que ali perto existia uma localidade chamada Auschwitz. Descrevo isso melhor no meu primeiro livro “...e a Guerra CONTINUA”. Também escrevi livros como você. Não 50, apenas cinco. E só comecei cinquenta anos depois. Os seus lhe valeram um Prêmio Nobel da PAZ. Era a busca da PAZ o que seus livros pregavam? Verdade mesmo? Ou, muito pelo contrário, incitaram eles ao ódio e à inclemente acusação e condenação dos inimigos do seu povo (ou dos seus correligionários). Aos inimigos aos quais vocês já haviam declarado guerra sem trégua, muito antes dos outros, em março de 1933. Lembra? Tanto que logo começaram a emigrar da Alemanha. Dos 600 mil, que até então lá viviam, só restaram 200 mil quando começou o confinamento em campos de concentração. A gente acaba se perguntando onde teriam coletado 6 milhões, onde e como conseguiram exterminá-los, e uma pergunta que não me sai da cabeça, POR QUÊ? Aqueles que você tanto acusou de crimes insólitos não eram tradicionalmente parte de um povo cruel, que desprezasse a vida alheia. Nunca foi um povo chegado a conquistas e agressões. Um estudo feito por um Prof.Quincey Wright sobre os embates em que se envolveram nações europeias entre 1480 e 1940 revelou que os campeões foram Inglaterra e França, com 28 e 26% respectivamente. Os menos guerreiros foram Alemanha (inclusive Prússia) e Dinamarca, que entraram no fim da lista com 8 e 6%. Os alemães também não participaram do comércio de escravos, não exterminaram índios, não prometeram aos seus soldados liberdade de praticar estupros em áreas subjugadas. Ainda em agosto de 1945 George Patton, general de quatro estrelas, comandante das forças blindadas americanas, declarou: “Dos europeus o alemão é um povo verdadeiramente descente.” (poucos meses depois foi vítima fatal de estranho acidente) Você e o seu pai também preferiram os alemães aos russos. Quando os alemães não tinham mais como segurar a ofensiva das tropas soviéticas e estas se aproximavam de Auschwitz, foi dada aos internos a opção de, ou acompanhar os alemães em seu recuo, ou aguardar a “libertação” pelos russos. Pois vocês, e a maioria, preferiram acompanhar seus “algozes” alemães. Então não podem ter sido tão maus assim.

Mas você se colocou a serviço dos que queriam o extermínio deste pequeno povo e contribuiu extraordinariamente para que estejam conseguindo seu intento. De parte deles você realmente merece todos os encômios e todas as honrarias que lhe tem sido prestadas e o foram agora, por ocasião do seu funeral. Também da mesma forma como o atirador de bombas Barak Obama, você mereceu o seu Prêmio Nobel da PAZ, pois PAZ também se consegue calando o seu desafeto.
Era isso. Precisava lhe dizer.
Toedter


21 de junho de 2016

CUI BONO?

Regra fundamental em qualquer investigação é descobrir os reais motivos do ato sob exame. Os romanos nos deixaram duas palavras-chave, que nenhum criminalista ignora: CUI BONO? Para o bem de quem?

Nesta semana os britânicos devem decidir em referendo se permanecem na União Europeia ou não. O “não” seria o tão falado (e temido?) BREXIT. Mencionei que estaria sendo temido, porque é o que a imprensa teleguiada nos está sugerindo. Ou melhor, nos faz deduzir que é o que os GLOBALISTAS de forma alguma querem que aconteça. Para eles é da maior importância manter os ingleses na UE, a ponto de darem excepcional destaque ao ASSASSINATO da parlamentar JO COX, ocorrido cinco dias atrás. Jo Cox era uma ativista ferrenha a favor da permanência do Reino Unido, tão engajada quanto o próprio primeiro-ministro Cameron. A população está dividida, o assunto é superpartidário, mas, mesmo assim, o governo está fortemente empenhado em defender o lado do FICO.

Mas voltemos ao assassinato da Jo Cox. O autor do crime está preso. É uma obscura figura sobre a qual, ao que parece, só cabe fazer conjecturas. Entre estas uma das mais curiosas é a que faz reviver o partido mais longevo, senão o mais longevo, certamente o mais ressuscitado da história mundial: o autor teria ligações com setores nazistas! De qualquer forma consta que é a favor do BREXIT e cometeu ato condenável, assassinando uma jovem, bonita e simpática, combatente do lado contrário. CUI BONO? Quem se beneficia? Quem é favorecido por este ato sem lógica, intempestivo, cometido uma semana antes do referendo, quando as pesquisas estavam dando uma pequena vantagem para o lado do BREXIT? Dois ou três dias depois os noticiários já informavam que A VANTAGEM SE INVERTEU!

Lembra tantos outros casos de assassinatos políticos, ou não? Aqui mesmo, em 1954 o Major Rubens Florentino Vaz foi assassinado com o intuito de fazer Getúlio Vargas deixar o governo. O assassinato do arquiduque austríaco Franz Ferdinand provocou a 1a Guerra Mundial. Lee Harvey Oswald foi apenas um fantoche no homicídio de John F.Kennedy. São muitos os casos que a História nos conta.

Neste caso da Jo Cox o autor seria mesmo um fanático, acreditando que com isto poderia mudar o curso da história, ou poderia ser uma conspiração de círculos oficiais, pretendendo influenciar o resultado da consulta popular? O que seria tão importante para fazer a tradicional Inglaterra, com sua admirada Rainha Elisabeth, que acaba de festejar seu 90° aniversário, deixar-se envolver em ato tão estouvado? Dizem os defensores da permanência e, portanto, a mídia de forma geral, que a saída provocará prejuízos econômicos ao Reino Unido. Ora, ora, nunca tantos países europeus passaram por tantas dificuldades econômicas, como desde que integram essa comunidade político-econômica, constituída pelo Tratado de Maastricht em 1993. Ela tem hoje 28 Estados-membros. Mas Noruega, Suíça, Islândia, Sérvia, Bósnia Herzegóvina, Albânia, Ucrânia não fazem parte e, exceto a última, ninguém está se queixando. Logo a Inglaterra, que já foi um império mundial, teria problemas se deixasse a UE? Não, não é isto. O bloco europeu só tem que ser ampliado e cada vez mais submetido a leis e parágrafos válidos para todos, para ser mais fácil dominar suas populações. E os ingleses não serão exceção.

Acontece que os ingleses, ou parte deles, acordaram. Essa história de receberem “refugiados” não é bem a gosto deles. Querem manter sua identidade e estão desconfiando que o Canal da Mancha, que por ora ainda retem as avalanches que se espraiam sobre a Europa Central, um dia deixará de ser obstáculo. Querem se livrar da tutela de Bruxelas. O que está em jogo é algo mais do que um acompanhamento do noticiário diário pode indicar. Este referendo tem uma importância bem maior do que se imagina. Pode sugerir que o atentado a Jo Cox não é, ou foi, a única medida preventiva. Aguardemos.

Falando em “refugiados”, soubemos agora da ONU que eles já somam 65 milhões, mas não nos disseram se tudo isso está a caminho, a caminho de aonde, se é uma expectativa e em que são baseados esses dados. Lembro-me da Segunda Guerra. Apesar de países tão, ou mais, destruídos e populações tão, ou mais, sacrificadas, estas NÃO FUGIAM. Ninguém pensava, a não ser uns poucos privilegiados, em deixar a pátria, deixar para trás tudo que representava até então sua vida. Terminada a guerra, estavam lá para reconstruir. Esses 65 milhões, que a ONU contou, deixam suas terras para se dirigir ao desconhecido? Simples assim? O que fica vira deserto?

Ao final da Segunda Guerra houve sim, caravanas de refugiados. Eram 13 milhões de alemães DEPORTADOS das terras em que viviam na região oriental. Terras arrebatadas ilegalmente da Alemanha vencida e entregue a poloneses, tchecos e russos. Essas caravanas eram constituídas por mulheres, crianças e velhos e se movimentaram a pé, com os poucos pertences que lhes foi permitido levar. Os homens estavam longe, a serviço do seu país, ou já feito prisioneiros, ou ainda combatendo, ou já tendo tombado. Entre os “refugiados” de hoje os homens, fortes e jovens, são a maioria.

Um detalhe: Dos 13 milhões de alemães deportados apenas 7 milhões chegaram ao seu destino e nenhum jornal do mundo lamentou os que morreram no caminho.

Voltando ao nosso tema de hoje a pergunta: Quem é responsável pela morte de JO COX? Cui bono?

Toedter