17 de maio de 2017

O COMUNISMO ESTÁ VIVO!

A cada dia se confirma esta tese. A da existência de duas vertentes de forças que pretendem o domínio da população mundial. E a competição entre elas está declarada. Ou não seria isso o que estamos assistindo diariamente através das notícias que nos são servidas sobre a política doméstica americana?

A eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos abriu o jogo. Hoje é possível reconhecer que os vencidos nas urnas desta vez não são apenas um partido doméstico, que sofreu uma derrota normal, que na próxima eleição pode ser revertida. Não é tão simples assim. Quem perdeu essas eleições é todo um sistema, que já fincara o pé em várias regiões do mundo e as domina politica e opinativamente.

O fato de Trump ter sido eleito certamente não se deve a sua performance pessoal. Deve ser uma força ponderável que o levou ao posto e está conseguindo lá mantê-lo, a despeito dos contínuos ataques e acusações que ele vem sofrendo. Acusações estas, por mais absurdas que sejam, vêm sendo endossadas através de serviços de notícias e políticos daqui e dacolá. Ou não seria um disparate querer proibir a um presidente de uma nação, avisar dirigentes de outro país, de que fora informado (por serviço secreto) da intenção de terroristas de derrubar aviões através de bombas escondidas em notebooks. Salvar vidas é alta traição? Ou o outro pecado capital que estão lhe atribuindo, é o de ter pedido ao chefe do FBI que abandone determinada linha de investigação. Então um presidente não pode dar ordens ao seu subalterno? E esse chefe do FBI, demitido, foi se queixar para quem?

Não esperem deste velho blogueiro que ele seja capaz de “dar aqui a ficha”, das forças envolvidas. Com certeza uma delas é a nossa velha conhecida, a dos COMUNISTAS. São os que dizem que querem a redenção do trabalhador, do proletariado, e combatem o CAPITALISMO. Sob essa bandeira e com apoio da União Soviética, essa frente conseguiu estabelecer suas cabeças de ponte mundo afora e ocupar espaços.

É um assunto complexo ao extremo. Organizações secretas, casas reais, grupos eclesiásticos também estão envolvidos, ou com uma, ou com outra frente.

Os Estados Unidos foram alvo especial dos comunistas. Já em 1950 o general, mais tarde senador, Joseph McCarthy notabilizou-se por sua guerra pessoal ao comunismo e em 1958 Cleon Skousen, ex agente do FBI, publicou o livro THE NAKED COMMUNIST, no qual revela as 45 METAS DO COMUNISMO. Posteriormente foram registradas nas atas do Congresso americano. Reproduzo a seguir parte destas metas, da qual se pode dizer que já foi alcançada e não só nos Estados Unidos.

Communist Goals (1963) Congressional Record--Appendix, pp. A34-A35 January 10, 1963

4. Permitir o livre comércio entre as nações, sem que importe sua filiação comunista ou que seja de armas.
7. Reconhecimento da China Vermelha e admissão às NU
11. Promoção das Nações Unidas como única esperança da humanidade.
13. Aviltar juramentos de lealdade.
15. Conquistar um ou ambos os partidos políticos americanos.
16. Usar decisões técnicas de tribunais para enfraquecer instituições americanas alegando que suas atividade violam direitos civis.
17. Obter o controle das escolas. Usar para transmitir socialismo e propaganda comunista corrente. Suavizar o curriculo. Controlar associações de professores. Colocar a linha do partido nos livros escolares.
18. Obter controle dos jornais estudantis.
19. Usar manifestações dos estudantes para fomentar protestos públicos contra programas ou organizações que estão sob ataque comunista.
20. Infiltrar a imprensa. Ganhar controle da indicação de livros, da produção de editoriais, das posições que definem condutas.
21. Ganhar controle de posições chave no rádio, TV e cinema.
22. Continuar descreditando a cultura americana degradando todas as formas de expressão artística. Uma célula comunista foi incumbida de eliminar boas esculturas de parques e edifícios, substituindo-as por deformadas, ridículas e sem nexo.
23. Controlar críticos de arte e diretores de museus de arte. Nosso plano é promover o feio, o repulsivo e o insignificante.
24. Eliminar todas as leis contra obscenidade, chamando-as de censura e violação da liberdade de expressão e da liberdade de imprensa.
25. Derrubar preceitos culturais, promovendo a pornografia e a obscenidade em livros, revistas, filmes, rádio e TV.
26. Apresentar homossexualidade, degeneração e promiscuidade como "normais, naturais e saudáveis".
27. Infiltrar as igrejas e substituir a religião revelada por religião "social". Descreditar a bíblia e enfatizar a necessidade de maturidade intelectual, que não necessita a muleta da religião.
28. Eliminar as orações, ou qualquer forma de expressão religiosa nas escolas, com a justificativa de que violam o princípio da "separação entre igreja e estado".
29. Desacreditar a Constituição Americana chamando-a de inadequada, antiquada, desconexada às necessidades modernas, um obstáculo à cooperação entre nações no sentido global.
30. Desacreditar os Pais Fundadores Americanos. Apresentá-los como aristocratas egoístas que não tinham nenhuma consideração pelo homem comum.
31. Diminuir todas as manifestações de cultura americana e desencorajar o ensino de História americana, dizendo que foi apenas um detalhe de um "grande quadro". Dar maior ênfase à história russa depois que os comunistas assumiram.
32. Dar suporte a todo movimento social para um controle central de toda educação cultural, agências sociais, programas de bem estar, clínicas de saúde mental etc.
36. Infiltrar e ganhar controle de sociedades.
38. Transferir alguns dos poderes de detenção da polícia para agências sociais. Tratar todos os problemas de comportamento como transtorno psiquiátrico, que pode unicamente ser compreendido e tratado por psiquiatras.
39. Dominar a profissão psiquiátrica e usar leis de saúde mental a fim de ganhar controle coercitivo sobre aqueles que se opõem às­ metas comunistas.
40. Desacreditar a família como instituição. Encorajar a promiscuidade e facilitar o divórcio.
41. Enfatizar a necessidade de afastar crianças da influência negativa dos pais. Atribuir danos, bloqueios mentais e retardamento das crianças à supressiva influência dos pais.
44. Internacionalizem o Canal do Panamá.
45. Rechaçar a Reserva Connally para que os Estados Unidos não possam evitar que o Tribunal Mundial absorva jurisdição sobre nações e indivíduos.
Fonte: http://www.rense.com/general32/americ.htm#sthash.VrHNVNTy.dpuf

É respeitável o que conseguiram realizar nestes cinquenta ou sessenta anos. Respeitável também é a relação de nomes que fazem parte desta frente. Basta ver os que estão procurando derrubar o novo presidente dos Estados Unidos ou se manifestam contrários a ele. Não devem faltar também aqueles que jogam nas duas posições.
Toedter


4 de maio de 2017

$ORO$ - O HOMEM QUE COMPRA MENTES

Ele tem importância até no nome… Só mais recentemente se ouve falar dessa figura com mais frequência, apesar de há muito estar agindo nos bastidores. Por isso começo com uma de suas, talvez a principal, comparsas.

Quem assistiu cenas da visita que a bruxa Merkel fez ao presidente Putin viu como esta mulher é descarada. É visita em outro país e ousa reclamar que ali falta liberdade de expressão e que a repressão às manifestações devia ser repensada. Isso dito por quem em casa não permite liberdade de expressão alguma. Putin só respondeu que o seu país não se imiscui em assuntos de outros países e espera que os outros façam o mesmo em relação ao seu.

ALEMANHA

É de se perguntar quem é essa coisa, que tem o título de Chanceler da Alemanha. Ser humano não pode ser, porque pelo menos a “cara é de pau” mesmo. O país que ela gerencia, a RFA, ou República Federal da Alemanha, nem país é. É uma empresa, uma SA, e ela foi eleita pelos “acionistas”. A opinião pública é eficientemente orientada pela mídia e pelas ONGs alimentadas pelo dinheiro distribuído pelo GEORGE SOROS a mando dos Rothschild.


Essa empresa tem um Superior Tribunal Constitucional, 
mas não tem CONSTUIÇÃO. Tem uma Lei Fundamental que foi imposta à empresa pelos “acionistas” há 72 anos. PARTIDOS POLÍTICOS? São os Departamentos que executam as ordens da direção. O único que deixaram ter alguma voz é o chamado A ESQUERDA. Se alguém insinuar que simpatiza com ideias de direita, lhe ensinam logo que pode no máximo vegetar no ostracismo e tem que ficar sob controle da ANTIFA. Se é empregado, perde o emprego. Agora, se é extrema direita vai para a cadeia! Pois é essa mesma gerente desta empresa, a que sai pelo mundo afora querendo dar lições de democracia.

Alemanha também vai enfrentar eleições neste ano, mas nada que possa preocupar o Soros e seu patrão. Para os seus planos vai dar tudo certo. Um partidinho de direita já está ameaçado de proibição pelo tribunal, do qual falei acima, e outro, que quis levantar a cabeça, teve a diretoria decomposta.

FRANÇA
Outro país, outrora soberbo e orgulhoso de suas tradições, que agora proporciona a impressão de que se tornou empresa e que obedece à política definida por acionistas estranhos, é a França. O seu povo francês ainda preserva um pouco do seu orgulho étnico e nacionalista. Não é lobotomizado quanto o alemão. Aqui o atual gerente Presidente Hollande, também judeu como sua colega na Alemanha, não conseguiu aprovação dos franceses. Seu candidato já está fora do segundo turno das eleições que acontecem nos próximos dias. Enquanto os dois partidos, tradicionalmente mais fortes, foram reprovados, surgira, em surpreendente ascensão, uma candidatura dita da extrema direita, a de Marine Le Pen.

Marine Le Pen está há tempos batalhando na política à testa do seu partido Front National e agora ameaçava efetivamente vencer nestas eleições. Tinha que ser impedida. Soros, em nome do seu patrão Rothschild, logo arranjou um antídoto: Emanuelle Macron, jovem, boa aparência, sabe falar, ex-diretor de um banco do Rothschild. Injetaram em sua campanha os recursos necessários e lá está ele, à frente nas pesquisas! Vejamos o que vai dar.

A verdade é que Soros está em todas, também do outro lado do Atlântico.

ESTADOS UNIDOS
Aqui ele pegou um osso mais consistente. Quem acabou eleito foi Donald Trump, que é de outra facção. O patrão do Soros queria que a Clinton vencesse. Agora estão esperneando o que der e arranjando um problema em cima do outro para o presidente eleito. Ali parece que começou a ficar claro que existem dois grupos disputando o mando mundial. Segundo afirma o blog HenryMakow.com, um seria o da esquerda, dos comunistas, também chamados de Globalistas. A este pertenceriam, por exemplo, Obama e Hillary que perderam as eleições, apesar de apoiados por Soros. São rothschildianos que querem um mundo só, tudo igual, sem fronteiras, menos gente, uma classe reinante e uma trabalhadora. O Trump venceu, não porque é mais simpático, mas porque está do outro lado, o dos Sionistas. Também eles ambicionariam governar o mundo, mudariam algumas fronteiras, mas, em geral, mantendo os países indiretamente sob o seu controle.

Acho que este último parágrafo poderia nos dar um certo alento, uma vez que sendo dois os pretendentes, podem eles se desgastar e o mundo voltar a ter esperança de dias melhores.

Toedter

21 de abril de 2017

mídiaQmente

Se alguém esperou uma imensa onda de protestos e condenação depois dos ataques terroristas às duas igrejas cristãs, que aconteceram no último Domingo de Ramos no Egito, decepcionou-se. Afinal foi uma bárbara agressão a fiéis em pacífico culto religioso, em uma data das mais importantes do calendário cristão.

O noticiário em torno do acontecimento foi magérrimo, o mesmo ocorrendo com os comentários e discussões a respeito. É claro, se a mídia não lhe dá importância, a reação pública resulta abafada. Resta a indagação POR QUÊ. E a resposta é aquela que temos insistido em enunciar. É que estamos sendo submetidos a um inexorável MIND CONTROL. Omitindo informação ou falseado os dados, o pensamento e a reação das massas são conduzidos no sentido desejado pelo Sistema. Consequentemente o que aconteceu não estava programado. Basta lembrar o carnaval encenado após o ataque ao Charlie Hebbdo, em Paris. Enquanto uma ocorrência é notícia durante dias ou semanas, merece cerimônias de luto com presença de chefes de estado, uma outra, mais calamitosa, passa quase em branco. Confirma o que sempre afirmamos, os meios de comunicação obedecem todos a um comando central, o que hoje representa o principal recurso usado pelo Sistema para formatar a opinião coletiva.

Creio que a partir da Segunda Guerra Mundial completou-se a estruturação do que eu chamaria de CCN – Central Coordenadora de Notícias . Pensando bem, é um órgão indispensável para quem projeta um ONE WORD, ou uma NEW WORLD ORDER, ou ainda, como nós a conhecemos, NOVA ORDEM MUNDIAL.

Graças ao trabalho da CCN (não confundir com CNN), por exemplo:
> O mundo ficou convencido de que Adolf Hitler era um louco demoníaco, que queria dominar o mundo e que seus seguidores eram carrascos sanguinários que assassinaram milhões de pessoas.
> O mundo não tomou conhecimento dos crimes de guerra praticados pelas forças do Sistema nos conflitos bélicos dos quais participaram
> Desde Hô Chi Minh do Vietnã até Bashar Al-Saddat da Síria, todos os adversários do Sistema foram caraterizados como odiáveis, opressores, ditadores.

Talvez um dia a sociedade reconheça esse estado de coisas.

Depois de um hiato representado por uma época em que a doutrina da Escola de Frankfurt festejou conquistas após conquistas, tenho agora a impressão de que está subindo ao palco uma geração que está fazendo perguntas. Parece estar compreendendo que este dolce farniente mental só acelera o caminho para o nada. Está realizando que neste mundo impera a mentira, que a degradação está tomando conta da sociedade através da promoção da discórdia. População de cor é instigada contra a branca, mulher contra homem, filhos contra pais, alunos contra professores, diversidades são usadas para criar concorrências, animosidades. Costumes e tradições vão se perdendo. Quando antes se buscava elevar a moral, disseminar princípios éticos, hoje se espraia a contravenção, a promiscuidade e querer levar vantagem tornou-se regra.

Há poucos dias foi celebrado o renascimento daquele que disse “ser o caminho, a verdade e a luz”. É o que o mundo está precisando.

Toedter

10 de abril de 2017

GUERRA DAS RELIGIÕES


Estaríamos voltando à Idade Média? Devidamente modernizada naturalmente. Além de todas as sataníces que essa máfia cabalística vem nos preparando, há uma da qual se fala pouco, mas não é menos tenebrosa: a GUERRA DAS RELIGIÕES! Para isso criou-se o tal Estado Islâmico, que de “Estado”, como organização administrativa de uma nação, nada tem. Mas já assusta o mundo divulgando vídeos dos seus costumes mais bárbaros.

E agora estão chegando mais perto. Ontem o EGITO foi palco de atos terroristas por demais sangrentos. O terror dos jihadistas se voltou diretamente contra a maior religião mundial, contra a religião CRISTÃ. Duas igrejas da comunidade copta, uma em Alexandria e outra em Tanta, foram alvos de ataques suicidas a bomba, justo na hora em que era oficiada a missa dominical. Era Domingo de Ramos, data em que a afluência de fiéis é elevada. Registraram-se pelo menos 44 mortos e centenas de feridos. O Estado Islâmico assumiu a autoria. Isto aconteceu a três semanas da anunciada visita do papa Francisco ao país.

Seria um sinal de que o problema está se aproximando do ocidente? Vamos nos lembrar que já são milhões os homens de fé islâmica que a satânica Dra. Merkel fez invadir a Europa. Eles estão lá, a absoluta maioria sem fazer nada, sendo tratados a “pão de ló” pelo Estado. A tal União Europeia é um aglomerado de povos que estão à deriva. Não têm timoneiros, ou os que têm são mal intencionados.

Na verdade a MÁ INTENÇÃO dos que têm responsabilidade nos governos ocidentais transpira por todos os poros. Basta se olhar a palhaçada que agora foi armada em torno da Síria. Esse Bashar al Assad está se defendendo contra todos os lados, lutando de costas para a parede, e agora vê armarem pela segunda vez uma bandeira falsa contra ele. Até mesmo a mídiaQmente parece ter ficado com vergonha de continuar afirmando que Assad teria usado armas químicas contra o seu povo, depois da ridícula atitude do atual mandatário da nação mais poderosa do mundo. Este, que em artigo anterior eu considerara “enigmático”, agora revelou-se boneco do teatrinho de fantoches.

E enquanto os foguetes, vídeos e noticiários aquecem os ânimos, na Europa o islã se espraia. Diz-se que há os que interpretam o seu alcorão de forma pacífica e que há os jihadistas, os guerreiros, os violentos que pretendem impor sua lei ao mundo. O que está se verificando na Europa é a prevalência dos que não pretendem se integrar, que não querem adotar os costumes do país que os hospeda. Os conflitos dos quais se tem notícia são constantes, sem falar nos atentados terroristas com vítimas fatais amplamente noticiados.

Inegável o fato de jihadista ver no cristão um inimigo a ser convertido, por bem ou por mal. Desde o século VIII os muçulmanos estão de olho na Europa. É, pois, um sentimento antigo, mas que hoje certamente teria perdido o sentido, não fossem as pavorosas provocações que vêm sendo feitas pelo ocidente ao mundo muçulmano desde a bandeira falsa do 11 de setembro de 2001.

Estaríamos então diante de uma possível GUERRA ENTRE RELIGIÕES? Tudo indica ser provável. Onde dois brigam, um terceiro se aproveita.

Toedter

28 de março de 2017

NEGAÇÃO?

Novo “Filme do Holocausto” tem estreia marcada no Brasil para o fim deste mês. Veja o poster:

Segundo o trailer o filme coloca em oposição uma jovem e linda professorinha e um homem rude e grosseiro. Ela defende o Holocausto e ele nega. É previsível quem vai ganhar a disputa e a total simpatia do público. Mas o fato de se realizar mais este esforço doutrinário, após 70 anos de ininterrupta catequização, faz supor que o barco dos holopromotores está fazendo água. São muitos os que mundo afora, até mesmo desafiando ou sofrendo efeitos de leis facciosas, demonstraram a insustentabilidade da tese do assassinato ordenado de seis milhões de pessoas.

Assim, como certamente muitos outros, este blogueiro tem motivos pessoais para duvidar do que a respeito deste tema a mídiaQmente impingiu ao mundo durante todo este tempo.

POR QUE EU NÃO POSSO ACREDITAR NO HOLOCAUSTO

Vivi na Alemanha durante a Segunda Grande Guerra. Não era combatente, mas integrado na população civil, vivenciando tudo que de comum se passa nas hostes do povo.

Os servidores públicos, os membros do partido, das forças de segurança, das forças armadas, também fazem parte do povo e, quando não em ação – soldados gozavam suas licenças ao lado de suas famílias – conviviam normalmente com seus concidadãos. Na convivência a troca de ideias faz parte da natureza humana. Por maior que seja o segredo imposto sobre determinado tema ou assunto, sempre existe alguém que não resiste ao impulso de confidenciá-lo a familiar, ou a amigo. Então terá o destino de qualquer boato ou fofoca, começará a circular. Talvez um segredo destes possa ser preservado por curto prazo, mas não por QUATRO ANOS. Também não por tanta gente, que teria que estar envolvida ou tivesse ciência. O assassinato de MILHARES de pessoas a cada dia (6 milhões em 4 anos = 4.106 por dia), significaria um número imensurável e mesmo inimaginável.

Mas NADA TRANSPIROU. Falava-se em mortes, sim. Vítimas dos bombardeios aéreos, mortos em combate nas diversas frentes, mas em matadouros de gente ninguém falou. Anos atrás eu vi casualmente o ex-chanceler da Alemanha Helmut Schmidt ser entrevistado pela TV e declarando que durante a guerra NÃO teve conhecimento do Holocausto. Schmidt, neto de judeus, foi oficial do exército alemão.

Então, na Alemanha ninguém falava, nem segredava, que nos campos de concentração estaria ocorrendo o extermínio de quase a metade de um povo inteiro. Mas também entre as forças aliadas de ocupação isto não era assunto. Tenho guardado um exemplar do primeiro jornal que circulou em Hamburgo depois do fim da guerra, editado pelas forças de ocupação britânicas. Consistia de uma página só, redigida obviamente em alemão. Mas em toda a matéria não se encontra qualquer menção ao depois alegado “maior crime contra a humanidade”. Abaixo uma cópia.

Acima já aleguei que na Alemanha até o final dos combates em maio de 1945 nada se sabia sobre o tal Holocausto. Porém tenho outro motivo, talvez ainda mais convincente para NÃO ACREDITAR. Quando chegamos à Alemanha em 1942 minha mãe e eu ficamos morando em Hamburgo e meu pai empregou-se na empresa Sanitas AG de Berlim, produtora de aparelhos eletromedicinais, raio-X etc. Esta o encarregou de assumir a filial em Cracóvia, na Polônia ocupada pelos alemães, onde teve que ficar residindo. Eventualmente nós o visitávamos, ou ele conseguia dar uma chegada rápida a Hamburgo. Meu pai tinha facilidade em fazer contatos, principalmente com os médicos da região. Não sei como se entendiam, mas era uma região multilíngue, pois Cracóvia já fora cidade alemã, polonesa, austríaca e em 1918 voltou à Polônia. Se não me engano o Papa João Paulo II nasceu ali.

Agora o detalhe. Olhando o mapa podem constatar que a apenas 50 km de distância de Cracóvia se situa AUSCHWITZ. Em Cracóvia nunca meu pai ouviu falar que ali do lado exterminava-se gente.

Então como é que alguém pode querer que eu acredite nessa estória, que, camuflada de História teve o poder de ocasionar mudanças fundamentais no mundo. Já disse Edward Bernays (sobrinho de Freud) em seu livro PROPAGANDA – (1928): Uma GRANDE MENTIRA, repetida muitas vezes, torna-se VERDADE.
Não vou assistir o filme.
Toedter


17 de março de 2017

DEFESA DA PÁTRIA

Não faz muito tempo que as tendências globalizantes começaram a se manifestar abertamente. Deve ter sido por volta da virada do século/milênio. E não faltaram as vozes de advertência e mesmo o enfrentamento aberto, bem diferente dos dias de hoje.

É verdade que atualmente o assunto não está muito em evidência, uma vez que se aguarda o desenrolar do affair Trump. Este novo mandatário, como já ficou patente, decidiu puxar o tapete desta corja humanicida. Sim, humanicida, porque globalismo é um eufemismo para o verdadeiro significado da palavra, ou seja, domínio mundial. A fim de que tal projeto se concretizasse e pudesse se manter, haveria de correr muito sangue. Mas se hoje só lá ou cá se alevanta uma voz ou outra contra o plano macabro, há menos de vinte anos instituições de peso denunciavam a trama.

CLUBE DA AERONÁUTICA
Esta, na época muito ativa e presente agremiação, então sob a presidência do brigadeiro Ércio Braga, lançou um manifesto, preparado pelo “Movimento Para Restituir o Brasil aos Brasileiros”, que circulou em entidades da sociedade civil e organizações de militares da reserva. Foi esse grande jornalista Carlos Chagas, admirável profissional, que levou ao grande público detalhes da mensagem através dos jornais (1 e 2/11/2000) para os quais escrevia.

O documento começa apresentando um roteiro para preservar o estado-nação. Fala da necessidade de desenvolvermos uma agricultura forte e apoiada em tecnologia nacional. Das reservas minerais que devem ficar sob controle nacional e das fontes de energia que devem ficar sob controle do estado. Exige a manutenção de Forças Armadas respeitadas e independentes, bem como uma indústria bélica atualizada tecnicamente. A ciência e tecnologia devem ser fortalecidas e voltadas para os interesses brasileiros. O país precisa de um sistema de transportes eficiente e uma infraestrutura adequada. Os meios de informação devem ser usados para informar a opinião pública do que realmente se passa. A moeda nacional mantida forte e a indústria nacional voltada para atendimento do mercado interno e protegida pelo estado.

Por outro lado é denunciado o perigo representado por um GOVERNO MUNDIAL de objetivos contrários. Ele quer ciência e tecnologia somente na sede das multinacionais. Quer a privatização dos meios de transporte e a desativação das indústrias nacionais e a implantação de sucursais das multinacionais. Usa os meios de comunicação para distorcer, ampliar e esconder fatos. Quer uma opinião pública desinformada. O sistema financeiro deve ser desnacionalizado, impondo-se juros extorsivos para as dívidas interna e externa.

Os globalizantes, continua o manifesto, dão apoio a grupos dissidentes, ajudam a criar territórios independentes dentro dos estados-nações, até mesmo reunindo povos indígenas incapazes de autogestão. Estimulam a criação de organizações não governamentais (ONGs), que dizem preservar a ecologia, mas na verdade estão a serviço da NOM. Enfraquecem sindicatos e pregam a extinção da Justiça do Trabalho. Desvalorizam o trabalhador, favorecendo as importações em prejuízo da produção nacional. Dão suporte a religiões que pregam o uso da violência.

Para destruir a nação buscam desagregar a família. Estimulam a dissidência entre raças e religiões, entre patrões e empregados, entre militares e civis. O patriotismo é ridicularizado.


Pois é, caro leitor, isto foi a pouco mais de dezesseis anos atrás. Recomendava-se como imprescindível o fortalecimento da família e da nação, a preservação das nossas tradições, língua, direitos e deveres definidos na Constituição. Valeu alguma coisa? Onde estão hoje os BRIGADEIROS BRAGA? Os clubes militares ainda se preocupam com destino deste país?
                                                                                                  Toedter

7 de março de 2017

SANTA INGENUIDADE

                        OU BLACKOUT COLETIVO


Incompreensível, absurdo, ilógico, não dá para entender. Povos inteiros vêm sendo conduzidos ao cadafalso e ninguém grita, ninguém protesta, jornalistas não alertam, políticos colaboram e as massas sonham…
O processo de substituição cultural na Europa continua. É verdade que alguns processos de reação foram iniciados, principalmente na França e Holanda, mas ainda inspiram dúvidas. Mas não nos cabe perder a esperança de que um dia o mundo reencontre o caminho da normalidade. Por ora aqui estão algumas palavras e citações que nos revelam o que pode estar por trás dos acontecimentos.



A multi-cultura é um programa de extermínio da Nova Ordem Mundial. O objetivo final é a uniformização de todos os países da Terra através do cruzamento das raças com o propósito de se obter uma raça castanha escura, na Europa. Para tal, tencionam receber 1,5 milhão de migrantes, por ano, vindos do Terceiro Mundo. O resultado final será uma população com uma média de QI de 90, demasiado imbecil para perceber, mas suficientemente inteligente para trabalhar.
Eu tomo conhecimento dos argumentos absurdos dos nossos adversários, contudo, se resistirem à ordem global, declaro:
VAMOS MATA-LOS!

Thomas P.M. Barnett  é geo-estrategista militar americanoEle desenvolveu a teoria geopolítica que dividiu o mundo em “núcleo ativo (functioning core)” e “vazio não-integrado. Do seu livro “The Pentagon´s New Map”.
-x-
A nossa raça é a raça senhorial. Somos deuses sagrados neste planeta. Estamos tão afastados das raças inferiores como elas estão afastadas dos insetos. (…) Outras raças são consideradas excrementos humanos. É nosso destino assumirmos o comando sobre as raças inferiores. O nosso reino terreno será governado pelos nossos chefes com um bastão de ferro. As massas nos lamberão os pés e nos servirão como escravos! “
Menachem Begin, Primeiro-Ministro de Israel, em discurso perante o Knesset. segundo Amnon Kapeliouk, “Begin and the Beasts”, New Statesman, 25.6.1982
NOTA DO AUTOR: Apesar de largamente difundida, a origem desta citação revelou-se como NÃO AUTÊNTICA.
-x-

A meta, que nós nos esforçamos em alcançar tão concertadamente durante três mil anos, está finalmente ao nosso alcance e, por estar sua realização tão evidente, cabe-nos multiplicar dez vezes nossos esforços e cuidados. Posso prometer com segurança que, antes que passem dez anos, a nossa raça vai assumir seu lugar de direito no mundo, sendo cada judeu um Rei e cada gentio um Escravo. Afirmo com toda a certeza que a ùltima geração de crianças brancas está a nascer agora. Nossas comissões de controle, no interesse da paz e da eliminação das tensões inter-raciais, proibirão aos brancos de casar com brancos. A mulher branca tem que coabitar com membros da raça negra, o homem branco com mulher negra. Consequentemente, a raça branca desaparecerá porque a mistura de pessoas de cor com brancos significa o fim do homem branco, e o nosso inimigo mais perigoso apenas será uma recordação. A nossa inteligência superior permitir-nos-à facilmente dominar o mundo de povos de cor. “

Rabino Emanuel Rabbinovich, 1952, citado no livro ‘Candle of Light’ de Dr. Thomas L. Fielder’ pg 39.
-x-

Somos astutos, somos poderosos, e, na devida altura, vamos cruzar as vossas mulheres não judias com os pretos, e no espaço de 50 anos todos serão mestiços. Os pretos adoram fornicar as vossas mulheres brancas, e nós fomentamos isso na medida em que as usamos para nosso benefício. (…) Nós somos o povo eleito de Deus... a maioria dos judeus não o quer reconhecer, mas o nosso deus é Lúcifer – portanto, não menti – e nós somos o seu povo eleito. Lúcifer ainda  continua muito vivo”.

Harald Wallace Rosenthal na famosa entrevista concedida ao jornalista Walter White em 1976. Pouco depois, em 11 agosto do mesmo ano, Rosenthal foi assassinado durante um sequestro (provável bandeira falsa)de avião em Instambul, na Turquia. Ele era assessor parlamentar do senador Jacob K.Javits.
-x-

A guerra atual não é uma guerra contra Adolf Hitler. Tampouco é uma guerra contra Nazis. É uma guerra de povos contra povos. Só existe uma punição total: A Alemanha deve ser eliminada para sempre.”

Theodore Kaufman, presidente da American Federation of Peace, em seu livro GERMANY MUST PERRISH (Alemanha tem que perecer) – 1941.
-x-

Como se vê, toda operação sempre teve como alvo principal a Alemanha, provavelmente devido a sua localização central na Europa, donde se torna fácil irradiar a ação para o restante do continente. É precisamente o que aconteceu agora com a sua chanceler Angela Merkel. Ela desconheceu a lei Schengen, que regulava a imigração para fins de concessão de asilo político, e abriu as fronteiras à invasão descontrolada.

Então, os objetivos expressos nas citações acima parecem estar, de um forma ou outra, se concretizando. Apenas as futuras vítimas do processo não se conscientizam do que está ocorrendo. Muitos são sensibilizados pelos apelos de compaixão e altruísmo lançados pela MQM – Mídia Q Mente, mas não atentam para o fato de 75% dos migrantes serem homens jovens, na melhor fase reprodutora e que já houve muitas guerras destruidoras, mas os habitantes não fugiam, eles ficavam para reconstruir o que era seu. Migrações em massa o nosso planeta já as assistiu, mas eram provocadas pela natureza, pelo clima, não pelo homem.

Toedter