16 de março de 2018

RACISMO lá e cá



Lembram do BANNON? Steve Bannon, o estrategista da campanha eleitoral de Donald Trump, ex-chefe do portal “Breitbart” e criador do movimento ALT-Right? O site Breitbart, criado por Andrew Breitbart em Israel, hoje presente também em Londres e na California, defende posições de direita com apoio de uma ala judaica que vem crescendo. Pois Bannon, depois de deixar a Breitbart em janeiro deste ano, continua em ação. 
Está viajando pelo mundo e há poucos dias discursou no congresso partidário da Front National em Lille.

Sua fala pode ser vista como o tiro de partida que dá início ao combate contra o Globalismo. Entre outras afirmações Bannon disse:

Nosso movimento populista e nacionalista já está presente nos Estados Unidos há talvez 10 ou 15 anos. Estamos aqui para aprender com vocês. Mas depois do meu giro de observação deste desenvolvimento em torno do mundo posso afirmar: No Japão, na Coreia, no Oriente Médio, no Kansas, passando por Arizona até o Alabama e agora na Europa Ocidental, a História está do nosso lado. Deixem que eles vos chamem de racistas, de xenófobos, de nativistas, usem estas expressões como medalhas de honra, pois a cada dia nos ficamos mais fortes e eles enfraquecem.”

São palavras que conflitam drasticamente com o que nós aqui no Brasil pensamos sobre discriminação racial. Por mais que mídia e certos setores estejam se esforçando por criá-la, aqui não há motivo para que exista. Aqui, no NOVO MUNDO, as nações são MULTICULTURAIS por formação. Antes de Pedro Alvares Cabral o Brasil tinha uma população estimada em menos de uma pessoa por quilômetro quadrado (talvez 0,5), hoje tem cerca de 25, ou seja, cinquenta vezes mais. A cultura que aqui vingava 500 anos atrás hoje tenta sobreviver em reservas, enquanto o espaço foi preenchido por gente advinda dos mais diversos recantos do globo, até de países nossos antípodas. Lenta e progressivamente as culturas e costumes, que os imigrantes e os imigrados (escravos) trouxeram de suas diversas origens, foram se adaptando.

Os NATIVOS não podem ter gostado, mas eram muito poucos para poder pensar em dizer “esta terra é nossa, deixem-nos em paz”.

Bem diferente é a situação dos nativos europeus de hoje. A “casa” deles está cheia. A densidade demográfica lá gira (girava) em torno de 230 habitantes por quilômetro quadrado. A área urbanizável está mais que preenchida. O espaço rural não tem condições para alimentar a população existente. Mas a população está sendo induzida e até forçada, por todos os meios, a aceitar pacificamente a invasão organizada de massas de pessoas, cuja cultura, religião e costumes lhe são estranhos. Teria que se mostrar RACISTA e XENÓFOBA hoje, porque amanhã isso acaba em tragédia, em um confronto, para o qual não estão preparados.

É por isso que Bannon tenta estimular uma reação, em quanto talvez ainda seja tempo.


18 comentários:


  1. e caricato ver os nacionalistas em polvorosa com falsas esperancas de messias que vao sendo corridos de todo o lado, este ate foi corrido pelo trump.

    das razoes porque os nacionalistas ja nao tem futuro so passado. que se fixou nos anos vinte e trinta das camisas marrons e pretas.
    as explicacoes para estas voltas do nacionalismo sao sempre emocionais , como o medo do crescimento islamico, o despeito pela pouca representacao política, a revolta contra o desemprego; trata-se sempre de uma suspensao momentanea da racionalidade, de um interludio emocional antes do regresso a lucidez democratica e universalista: mas que entretanto e enquanto isso ,pode lancar os paises em guerras como no passado, nao se julga sequer digna de analise a doutrina, se e que ela existe, do nacionalismo. percebe-seem primeiro lugar, se o nacionalismo advoga os princípios específicos de cada nacao como guias orientadoras, seria impossível formular uma doutrina geral do nacionalismo cada um seria um nacionalismo específico. alem disso, a classificacao dos cabecilhas nacionalistas como demagogicos ou populistas torna irrelevantes as suas ideias: prometem o que for preciso para serem eleitos, nao acreditam no que professam e contradizem-se despudoradamente. interessa mais, nos chefes nacionalistas, a sua maldade que torna irrelevantes as ideias, na medida em que estas sao manipuladas e nao correspondem a uma crenca verdadeira e aos problemas da democracia. os varios nacionalismos sao assim amalgamados numa ideia disforme, que parece abarcar todo o tipo de teses.


    o nacionalismo e a guerra, sempre que esteve no poder envolveu os respectivos paises em guerras. por nacionalismo entende-se um grupo de indivíduos que partilham a mesma lealdade a um grupo etnico ou nacional, sendo ele tanto mais poderoso quanto menos espaco houver para outras lealdades, como a política, a social, a religiosa, já para não falar da lealdade a família ou aos amigos que so sao validas se concordantes com o que eles querem. um nacionalista poe o amor a sua nacao acima de todos os outros. esta disposto a morrer e, sobretudo, a matar por ela. Por isso um nacionalista e um assassino em potencia. O nacionalismo e um equívoco porque a lealdade a nacao nao e a mesma coisa que a lealdade ao estado. quando pomos a lealdade aos nossos estados-nacao a frente das restantes, a família, ideologias, Igreja, ao que seja, estamos a trair a nacao porque os estados-nacao modernos com algumas notaveis excepcoes sao amalgamas de nacoes que deten o monopólio dos meios de violencia, em determinado territorio, subordinando a sua populacao. o nacionalismo e, por extensao, xenofobia e racismo. a ideia da prevalencia da minha nacao sobre a tua nacao implica necessariamente uma exclusao.o nacionalismo e um disparate. e nao se confunde com patriotismo: este e o amor de pertencer a uma nacao, o orgulho de fazer parte dela, com enfase nos seus valores e princípios. nao exclui, nao condena, nao exige exclusividade, nao e contra ninguem . o nacionalismo, ao contrario, baseia-se na ideia da superioridade dos meus sobre os outros, sendo por isso, “o pior inimigo da paz” (Orwell dixit)

    ResponderExcluir
  2. Esse anônimo parece aquele personagem ROLANDO LERO da escola do PROFESSOR RAYMUNDO da TV GLOBO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Captei vossa mensagem, amado guru"

      "Amado mestre, aqui me tendes, de corpo presente, fiel e leal servidor, pronto para absorver o mínimo que seja de vossa grandessíssima sabedoria."

      E entao que aconteceu desta vez aos judeus??? Kkkkkkkkkk lol :-)

      Excluir
    2. As guerras foram provocadas pelo internacionalismo apátrida, que teve a habilidade de fomentar o ódio entre as nações.

      As nações são o baluarte de defesa dos povos contra a escravidão e a exploração desses globalistas ou internacionalistas. Nunca houve tantas guerras e desgraças como hoje em dia. Essa miséria humana que vislumbramos na atualidade não diz respeito aos interesses dos povos e nações, que só almejam desenvolver as suas estirpes de maneira independente e soberana.

      http://inacreditavel.com.br/wp/a-guerra-que-teve-muitos-pais/

      Excluir
  3. "Os NATIVOS não podem ter gostado, mas eram muito poucos para poder pensar em dizer “esta terra é nossa, deixem-nos em paz”. "

    os nativos não disseram nada disso nem pensaram nada disso, e eram bem mais que umas barcaças com alguns marinheiros que la desembarcaram. mas pelo contrario foram bem recebidos na praia os portugueses no primeiro contacto, leia a carta de pero vaz de caminha e fica a saber o que os nativos pensavam.
    dizer que no novo mundo não há racismo e uma tirada folclórica, começou e prolongou-se desde que se introduziu ai a escravidão e se levou negros de africa. mas recentemente que tem a dizer da execução de uma cidadã no rio por exemplo. nada, rien, niente. como eu o compreendo.kkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ora pois... ehehehe

      Não é que Don Manuel I atolado na dívida pública, em grande parte devida ao sistema usurário judaico encrustado em Portugal arrendou o mercado na África para os judeus? Daí monopolizaram o tráfico negreiro no Atlântico Sul (e Atlântico Norte também) bem como os engenhos açucareiros no Brasil...

      Curioso que os livros de Gonçalves Salvador que escancaram isso (foram cinco) não são publicados mais no Brasil, e como ele nasceu em geração anterior ao politicamente correto, não sofreu lavagem das ideias e mesmo pela editora da USP aqui em São Paulo publicou tudo isso sem freios, a não ser mitigar a palavra judeu por "cristão-novo" na maior parte da obra, mas não que não tenha usado a palavra judeu ou hebreu... o orientador dele também escreveu sobre análoga relação do judaísmo, só que na América Espanhola.

      Mas esse judeu português é um Chutzpah modelo, reúne amnésia seletiva e pró-atividade da desinformação ehehehehehe!

      Excluir
    2. "Não é que Don Manuel I atolado na dívida pública, em grande parte devida ao sistema usurário judaico encrustado em Portugal arrendou o mercado na África para os judeus"

      o seu nabo d. Manuel I correu com os judeus de Portugal, alias por imposição dos reis católicos de espanha, onde havia laços familiares entre as cortes, e por isso por imposição dos espanhois, os famosos reis católicos que já tinham corrido com os judeus de espanaha, D. manuel correu com eles daqui. quem ganhou foi a holanda que acolheu os judeus idos de ca que com os seus capitais impulsionaram o comercio e formaram as primeiras sociedades capitalistas por quotas,a famosa companhia das indias ocidentais e um exemplo mas tambem tiveram impulsos culturais como um filosofo espinoza por exemplo. Portugal so perdeu, nessa troca, mas e preciso ser nabo. uma pessoa fala em alhos e ele responde em bugalhos esta certo, o rolando lero. kkkkkk.

      Excluir
    3. "Para satisfazer uma exigência feita pelos Reis Católicos de Espanha, Fernando e Isabel, como condição para a realização do casamento de D. Manuel I com a Infanta D. Isabel, filha daqueles reis, o rei de Portugal promulgou em 5 de Dezembro de 1496 o édito de expulsão de judeus e de mouros do território português, tal como os reis espanhóis haviam feito em 1492. O rei D. Manuel I tentou fazer com que a princesa reconsiderasse (já que precisava dos capitais e do conhecimento técnico dos judeus para o seu projecto de desenvolvimento de Portugal), mas foi tudo em vão. Em 5 de Dezembro de 1496, Dom Manuel assinou o decreto de expulsão dos hereges (judeus e mouros), concedendo-lhes o prazo até 31 de Outubro de 1497 para que deixassem o país. Aos judeus, o rei permitiu que optassem pela conversão ou desterro, esperando assim que muitos se baptizassem, ainda que apenas pro forma.
      No que tocava aos judeus, o rei estava plenamente ciente da importância que aquela comunidade representava, nomeadamente na vertente económica."

      agora faca se esperto e va ler o edito de expulsão ficara assim a saber mais alguma coisinha. kkkkk

      Excluir
    4. Oh oh oh. .. Já citei as referencias. .. Quem quiser o texto documentado, literalmente, busque as obras de Gonçalves Salvador. .. Fernão de Noronha, judeu que deu nome ap arquipélago brasileiro, foi um ícone dos inícios do arrendamento aos judeus. .. ops. "Cristãos" novos. .. ehehehe singrando o Atlântico nos navios negreiros!

      Excluir
    5. "Oh oh oh. .. Já citei as referencias"

      O nabo o que provam essas referencias???? Que o fernando noronha era um cristao novo convertido ao cristianismo e que se tornou um dos primeiros grandes exploradores de pau-brasil, mas isso nao retira que existe controversia sobre o arquipelago e seu descobrimento, pelo menos tres nomes s. lourenco, s. joao e quaresma tem sido associados com a ilha na epoca de sua descoberta. com base em registros escritos, a ilha fernando de noronha foi descoberta em 10 de agosto de 1503 por uma expedicao portuguesa, organizada e financiada por um consorcio comercial privado liderado pelo comerciante de lisboa,fernao de loronha. a expedicao estava sob o comando geral do capitao gonçalo coelho e levou o aventureiro italiano americo vespucio a bordo, sendo que este escreveu um relato sobre o assunto, mas quem fazia o trafico de escravos para o brasil o nabo quem era??? ingleses franceses holandeses portugueses , havia companhias que tinham alvara real de escravatura. as companhias das indias, portugal foi lhe outorgado por bula a "dum diversas" .uma bula papal emitida a 18 de junhode 1452 pelo papa nicolau V e dirigida ao rei afonso V de portugal acompanhada pelo breve apostolico divino amore communiti. por aquela bula os portugueses eram autorizados a conquistar territorios nao cristianizados e consignar a escravatura perpetua os sarracenos e pagaos que capturassem, por issso e considerada frequentemente como o advento do comercio e trafico europeu de escravos na africa ocidental, senhor nabo o que isso tem a ver com d. manuel I com os judeus e trafico de escravos?????se ha campo onde nao se pode acusar muito os judeus foi, justamente, de estarem envolvidos nos negocios da escravatura. o mesmo ja nao se pode dizer dos teus amigos de mafoma os arabes que foram os maiores traficantes de escravos na historia e da historia moderna.ha e nao esquecer os europeus como ja disse, um nabo nao percebe nada disto. kkkkkkk

      Excluir
    6. "Fernão de Noronha, judeu que deu nome ap arquipélago brasileiro, foi um ícone dos inícios do arrendamento aos judeus. .. ops. "Cristãos" novos."

      oh nabo o fernao de loronha, era um cristao novo e que nunca pos os pes no arquipelago que leva o seu nome, ele foi o principal financiador da expedicao que descobriu esse arquipelago ou seja bancou somente o custo da frota, em sinal de reconhecimento a coroa portuguesa atribuiu-lhe a posse, mas nunca ele nem a familia la puseram os pes, mas a leitura de propaganda da nisto, nem sabe porque foram criadas as capitanias e porque nao vingaram,as capitanias foram criadas por d. joao III em 1534 e que ja tinham sido utilizadas com sucesso na madeira e cabo verde por exemplo, como um meio de a coroa ultrapassar um problema que nao conseguia resolver, como impor a autoridade financiamento e defesa num territorio longinquo,fez isso atribuindo tal tarefa a iniciativa privada, atraves de donatarios que eram nobres e amigos do rei, o donatario era a autoridade maxima dentro da sua capitania, tendo a responsabilidade de desenvolvê-la com seus proprios recursos. com a morte do donatario a administracao da capitania passava para seus descendentes, o governo portugues nao tinha recursos financeiros proprios para investir no processo de colonizacao brasileira e o territorio sofria ameacas de franceses e holandeses por isso apostou num sistema admnistrativo de capitanias mas que nao teve sucesso e logo deu origem a um governo geral em 1548 centralizando o poder sobre o territorio. judeus kkkkkk, cada lorpa vai ver a genealogia deles seu nabo.

      Excluir
    7. Aos leitores, não caiam nas tergiversações deste chutzpah!

      Procurem as seguintes obras de Gonçalves Salvador:

      Cristãos Novos, Jesuítas e Inquisição.

      Os cristãos novos e o comércio do Atlântico meridional

      Magnatas do Tráfico Negreiro (fácil de achar pdf na Internet esse! )

      Cristãos Novos em Minas Gerais durante o ciclo do Ouro

      Cristãos Novos: Povoamento e Conquista do Solo brasileiro.

      Tudo referenciado e com fac simile dos documentos , mostrando o judeu no centro da escravatura e exploração colonial!

      O resto. ... ah ... o resto é balbuciar deste hasbarah!

      Em tempo. .. ele mesmo,esse hasbarah, fala acima de consórcio privados , "investidores "... tudo do mesmo, os holdings e sociedades anônimas que nada mais é que o emaranhado do judaísmo internacional.

      Hoje o parasita e traidor eterno vive mais do que nunca de leis esdrúxulas contra a pesquisa .

      Werner Sombart compôs uma obra prima que é taxada de "antissemiatismo acadêmico " ehehehe. ...

      Anti judsismo é mais discernimento que ignorância ...

      Afinal, precisam mentir e obstruir a pesquisa histórica para manter a mentira. .. e quando escancarada a corrupção do judaísmo no mundo eles até hoje não deram réplica melhor que tudo não passa de coincidência!

      Nada mais que isso!

      Excluir
    8. Quanto ao motivo das capitanias não terem vingado o próprio Solidonio Leite, judeu, escreveu um livro só sobre isso, de como os judeus sabotaram as capitanias! O título da obra deste judeu é "os judeus do Brasil "

      "Estranho" tais obras não serem mais publicadas ehehehe

      Excluir
  4. "Cristãos Novos: Povoamento e Conquista do Solo brasileiro.

    Tudo referenciado e com fac simile dos documentos , mostrando o judeu no centro da escravatura e exploração colonial! "



    logo,nos primeiros anos apos a descoberta do brasil, arrefeceu o interesse do rei d.manuel pela nova terra.assim como o de fernao de noronha pelo arquipelago com o seu nome, uma vez que nao possuia nada para explorar, mas explicando aqui melhor ao rapaz o porque e de como foi colonizado e por que cidadaos, e falamos da colonizacao nao de donatarios de capitanias nem de escravatura judaica coisa que o rapaz imagina e delira falando entao da colonizacao judaica.

    Uma expedicao enviada a costa do brasil no ano de 1501, e que regressou a portugal em 1502, nao apresentou resultados que fossem motivadores para entusiasmar o governo portugues, pois no brasil "nada fora encontrado de proveito, exceto infinitas arvores de pau-brasil, de canafístula, as de que se tira a mirra e outras mais maravilhas da natureza que seriam longas de referir" (carta de Américo Vespucci a Soderini). a corte era naquele tempo verdadeiramente uma grande casa de negocio e, como, por um lado, estivesse fundamente absorvida com as dispendiosíssimas expedicoes a india, nao via lucros apreciaveis e imediatos na exploracao do brasil,tendo o monarca recebido em 1502, de um consorcio de judeus dirigido pelo cristao-novo fernando de noronha, ( que era um repreeentante em portugal dos bancarios alemaes fugger, com quem d. manuel ágraciou com as chamadas cartas de privielgios alemas, mas isso e outra historia, e o tal fernando comprava bens dos judeus que foram expulsos de portugal por ordem real, e uns seguiam para a holanda e outros para o brasil,) uma proposta para exploracao da nova colonia e que ele a aceitasse de bom grado; era a colonizacao do brasil que se lhe oferecia, para ser feita a expensas de particulares, por isso

    Continua


    ResponderExcluir
  5. Continuacao

    um decreto, baixado em 1516 por d. manuel I, segundo o qual todo aquele que emigrasse para o brasil receberia, por conta da coroa, o equipamento necessário para aí construir um engenho de acucar nao se tendo o decreto descuidado de ordenar que fosse enviado um perito a nova colonia a fim de dar a necessaria assistencia.das facilidades concedidas pelo governo, sabe-se que eram todavia raros os colonos portugueses cristaos que quisessem emigrar para o brasil provavelmente em virtude da atraccao que sobre eles continuava a exercer a india, razao por que, ao lado de criminosos, condenados ou exilados, se destacaram os voluntarios judeus, devido ao edito de expulsao de portugal de d. manuel sobre os judeus, a maioria das levas imigratorias dirigiu-se predominantemente para a franca e sobretudo holanda, onde florescia o comercio e reinava tolerancia religiosa, os paises europeus, e em especial a holanda, eram preferidos pelos emigrantes mais abastados, enquanto ao basil se dirigiam os pertencentes as camadas sociais mais modestas, sobretudo os que tinham propensao a agricultura, mas a vida dos judeus posteriormente complicou-se nao so em portugal mas depois no brasil devido a intolerancia e a instalacao da inquisicao em portugal e a primeira manifestação de intolerancia verificou-se logo em 1573, na cidade do salvador, onde foi instalado um auto de fe. mas a queda e exodo dos judeus no brasil verificou-se quando os holandeses invadiram e conquistaram a cidade do salvador, a populacao judaica , que na baia era entao a mais numerosa do pais, submeteu-se alegremente aos conquistadores, era a possibilidade que eles vislumbravam de vir a ser melhorada a sorte dos judeus do brasil gracas a accao de uma outra potencia a holanda uma pais onde era tolerada a liberdade religiosa,mas com a queda de recife e subsequente rendicao dos holandeses, entrou em plena desagregacao a comunidade judaica no nordeste do brasil e comecou um exodo. uma pequena parcela resignou-se a ficar no brasil,os mais ricos e mais relacionados na europa e na holanda, entre eles o proprio chefe da comunidade o rabino isaac aboab da fonseca decidiu retornar a esse país, a maioria, a parte mais pobre, preferiu enfrentar o desconhecido,como ja tinha feito quando veio expulsa de portugal tinha e agarrado a oportunidade de colonizar uma terra desconhecida,mas desta vez aventurando-se em direcao das mais longínquas paragens das tres americas, os que regressaram a holanda, ali se reintegraram na comunidade judaica, sem deixarem maiores vestígios. os outros, espalhados entre diversas colonias francesas, inglesas e holandesas das americas, lançaram nas novas patrias a afirmacao da sua vitalidade, contribuindo eficazmente para o desenvolvimento economico das mesmas e implantando aglomeracoes judaicas, uma das quais viria a ser nos tempos modernos a extraordinaria comunidade judaica dos estados unidos da america do norte, que teve origem nos judeus fugidos do brasil que se fixaram na colonia holandesa de nova amesterdam fundada pela companhia holandesa das indias ocidentais, a futura nova iorque colonia conquistada pelos ingleses aos holandeses, e e assim rapaz a diaspora luso-brasileira dos judeus portugueses, deixa-te de delirios anti semitas que nao ves nada de nada.


    as capitanias falharam por varios motivos tamanho excessivo dos territorios, falta de recursos para repelir os ataques dos selvagens ou as invasoes estrangeiras, falta de uniao entre os donatarios falhou totalmente o sistema de colonizacao das capitanias, mesmo com as excepcoes que representavam as mais bem sucedidas de s. vicente e pernambuco.mas acho que tambem falho sobretudo por falta de interesse inicial da coroa portuguesa, os portugueses vivem a sombra do estado, uma tragedfia, os judeus nao tem culpa

    e agora deixa de falar para a plateia e vai estudar vai

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O próprio judeu Solidonio Leite em seu "Judeus do Brasil " reconhece a sabotagem judaica nas capitanias como um fator muito importante no fracasso delas. .. disso tudo a ação deletéria judaica mais uma vez nos bastidores é um capítulo lamentável.

      Quanto a Inquisição aí acima mencionada ela nada mais leva ao paroxismo o fanatismo abraamico. Não atoa luminares dela como Torquemada era judeu .

      Inclusive a ordem jesuíta (que junto como a dominicana ) que dirigia a Inquisição foi originalmente um reduto judaico. ... mas perderem o controle posteriormente
      . ..

      Os leitores interessados podem ver no livro abaixo, tambémpossível encontrar em PDF

      The Jesuit Order
      as a Synagogue of Jews
      Jesuits of Jewish Ancestry and Purity-of-Blood Laws
      in the Early Society of Jesus
      By
      Robert Aleksander Maryks

      Excluir
  6. adam smith o tal pai da economia moderna,atribuiu o desenvolvimento do brasil na epoca da colonizacao pos descoberta aos judeus, porque seria???, talvez porque

    "não é da benevolência do padeiro, do açougueiro ou do cervejeiro que eu espero que saia o meu jantar, mas sim do empenho deles em promover seu "auto-interesse".

    mais um "judeu" a defender esclavagistas usurarios kkkkkk

    ResponderExcluir
  7. Muito bom os post!Tomara não seja tarde para as pessoas conhecerem a verdade!

    ALGUÉM PODERIA ME INFORMAR SE SABE ONDE POSSO BAIXAR OS VÍDEOS DO DOCUMENTÁRIO Europa, The Last Battle, LEGENDADO DIRETAMENTE EM PORTUGUES ?DESDE JÁ AGRADEÇO.

    ResponderExcluir

Escreva aqui o SEU pensamento sobre o assunto. É dispensável repetir o que já é de domínio público. A indicação de links deve ser acompanhada de breve descrição do conteúdo. Mensagens anônimas não são bem-vindas, agressões e baixarias não serão publicadas.