11 de maio de 2016

A CAMINHO DAS TREVAS

Nós, os mais “antigos”, que começamos a engatinhar nos primeiros decênios do século passado, temos o triste e lamentável privilégio de assistir às profundas mudanças pelas quais o nosso mundo está passando. Triste e lamentável por que este acompanhamento pessoal revela o caminho que a sociedade está seguindo, ou está sendo induzida a seguir. É um caminho que certamente não vai conduzi-la a melhores dias, como sempre se espera. O crescimento econômico, sempre prometido pelos políticos, é uma utopia. O rumo encetado a afasta do BEM almejado por geração, pós geração, e aponta para o domínio do MAL ao qual as vindouras poderão ser submetidas.

LEMBRANDO A INFÂNCIA EM CURITIBA
Só tenho recordações boas. Havia ordem na cidade. Ruas pavimentadas, limpas. Passeios calçados, limpos. Eu fazia uma caminhada de três quadras de casa até o jardim de infância a pé, SOZINHO. Depois, já aos sete ou oito anos, caminhava sozinho até a escola que distava por volta de um quilômetro e meio. Cito estes detalhes para demonstrar que não havia ameaças. Havia respeito. A História contava que pouco antes houvera uma Revolução, mas também foi bem pacífica. Tudo começou a mudar aqui quando o Brasil foi contaminado pelo que acontecia lá no Hemisfério Norte. Foi obrigado a se envolver. Aí começou a
MINHA VIDA NA ALEMANHA
Já de início tenho que decepcionar todos aqueles que ainda hoje acham que o Terceiro Reich era a sede terrena do purgatório. Seu povo tinha um pensamento positivo e se demonstrava satisfeito com a vida, mesmo quando já submetido aos racionamentos e restrições que a guerra lhe impingia. Ao contrário do propalado, ninguém falava de superioridade racial. A juventude, sim, era incentivada a levar uma vida saudável, a praticar esportes e ao convívio social. A população não era subserviente, se o fosse, não teria sido capaz de enfrentar os sacrifícios que lhe foram exigidos pela guerra criminosa levada aos seus lares. Em todos os cinco anos que lá estive, durante e após guerra, não vi ou tive notícia de ações policiais agressivas ou restritivas da liberdade individual. Pode ser que tivessem ocorrido, afinal era um período de exceção, mas certamente não eram comuns, como a saga insiste em afirmar. A guerra ali revelou muita solidariedade. Aprendi muito com o povo alemão naqueles anos. Nunca imaginei que a guerra psicológica, que sofreu após o término da própria, pudesse gerar os efeitos de prostração moral aos quais grande parte, senão a maioria, acabou sucumbindo.
E DEPOIS
Terminada a Segunda Guerra, certo poder paralelo passou a perseguir a instalação de um
UNIMUNDO
MUNDO UNIDO, GLOBALIZAÇÃO, NOVA ORDEM MUNDIAL, NEW WORLD ORDER, em outras palavras O DOMINIO MUNDIAL. Com o que ficou provado que não era HITLER que queria dominar o mundo. Na realidade ele queria manter a independência das nações e foi o último obstáculo que se opôs à realização do projeto. Talvez por esta razão ele seja idolatrado por muitos e visto até como Personagem do Século.

Mas vejamos como o mundo se apresenta na atualidade. Por menor espírito crítico que tenhamos é impossível deixar de reconhecer que a mídia mundial está obedecendo a uma orientação central. Enaltece o que devia fustigar e critica o que deveria aprovar. Uma nação é atacada a mando de um poder oculto, mas o mundo é informado que o culpado é o governo do país atacado. Isto só como exemplo. As pessoas são enganadas e as massas são dirigidas. Não é admissível fechar os olhos para tudo o que existe e está acontecendo ao nosso redor: guerras, distúrbios, fome, pobreza, ódio, países arrasados, aumento do racismo por toda parte, impotência dos governantes, corrupção dos políticos, crescente perversão e crueldade dos seres humanos, enormes dívidas dos Estados, a instabilidade das moedas, crises econômicas, conglomerados empresariais, desemprego, insatisfação geral, imoralidade incentivada, cada vez mais pessoas frívolas e as que em mais nada acreditam.

Os jovens acham que o mundo é assim mesmo, é tudo normal. Podem achar que isto aí em cima é fruto de simples saudosismo. Mas não é, não, gente!

Toedter

15 comentários:

  1. "Desde que você nasce, eles o fazem se sentir pequeno,
    Não lhe dando tempo para nada, sequer pensar,
    Até que sua dor seja tamanha que você não sinta mais nada".

    Nesta toada, as atuais gerações já nascem sob esse paradigma, anestesiadas pelos parasitas que as mantêm apáticas e sugestionáveis. Os "bons tempos" sequer são vagas lembranças.

    ResponderExcluir
  2. Caro sr. Norberto e demais leitores, como prova fácil que tudo piorou mesmo, não precisaríamos nos aprofundar nos melindres jornalísticos (1) ou na geopolítica. Basta vermos as diferenças de simples filmes de fácil acesso a todos. Comparemos filmes realizados nos anos 20 aos 50 com suas recentes refilmagens. E vejamos como são mais pobres, piores. Estão mais violentos, mais ocultistas, mais moralmente degradados, mais anti-família e anticristãos, mais fúteis ... a piora é geral e de fácil percepção. Não vê quem não quer e quem não consegue, a maioria.

    (1) “Qualquer pessoa que ainda possua algum resíduo de honra deve ter muito cuidado em não se tornar um jornalista”.
    Paul Joseph Goebbels (29/10/1897 - 01/05/1945), Ministro da Propaganda e do Esclarecimento Popular do III Reich. (Die Tagebücher, I/II, Diktate VIII, Fröhlich (ed.), citado em Richard J. Evans, "The Third Reich in Power", Penguin)

    “Perdeis o tempo a tagarelar. Enquanto não se achar em nossas mãos a imprensa do mundo inteiro, tudo o que fizerdes será infrutífero. É preciso que dominemos a imprensa universal, ou ao menos influamos nela, se quisermos iludir e escravizar os povos”.
    Escreveu em 1840, Sir Moses Haim Montefiore (24/10/1784 - 28/07/1885), conhecido como Barão de Montefiore, filantropo judeu que dedicou grande parte de sua vida e de sua fortuna à melhora da vida dos judeus, especialmente na Grã-Bretanha. Do livro "O Judeu Internacional" de Henry Ford, pág. 78.

    "O outro grande poder é a imprensa. Ao repetir sem cessar certas ideias, a imprensa consegue o fim em tê-los aceito como realidades. O Teatro (hoje substituído pelo cinema e tv) nos presta serviços análogos. Em todos os lugares da Imprensa e do Teatro obedecer nossas ordens."
    Do discurso "Oração Fúnebre" feito em 1869 pelo rabino Reichhorn e publicado pela La Vieille France em sua edição de 21 de outubro de 1920, nº 195.

    Liberdade, republicanismo, democracia (correto é vulgocracia):
    https://scontent-arn2-1.xx.fbcdn.net/v/t1.0-9/13095782_683454881794025_7199872014591328328_n.jpg?oh=36a9f2357056466e5a8e99b208468e49&oe=579DEFCF

    Quem imaginaria uma cena como a de cima no regime "nazifascista" com seu "discurso de ódio":
    http://www.deutschlandfunk.de/media/thumbs/a/ad74ff824dc83209000176fcf2c7e9c4v2_max_460x345_b3535db83dc50e27c1bb1392364c95a2.jpg

    Tudo piorou com certeza ... e não se alcançou o fundo do poço.

    Cobalto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Cobalto e leitores,
      O que vou abordar é a facilidade da encetação judia e a não ação dos gentios.

      Filmes bons?
      FIlme é 100% JUDEU! Vamos aos fatos:
      Quer coisa mais retardada do que pagar pelo porvir sem saber o que é esse porvir?
      Quando se entra em um cinema, se paga pelo que nem sabemos o que é, e só nos baseamos em opiniões outras (sobretudo midiáticas) para aceitarmos pagar pelo o que não sabemos o que é!

      Já ouviram falar de poder receber o dinheiro de volta se não gostamos da "obra"?

      Isso é manobra JUDIA, impingir valor ao que não tem valor, essa É a alma comerciante judia!
      So que o teatro É isso, é impingir o ilusório como algo real, ao ponto de pagarmos por ele!

      E op teatro existe desde "sempre" na sociedade humanojudia.

      E ainda achamos mesmo que houve uma época onde não estavamos sob o jugo judeu?
      Deus, monodeus é JUDEU, e tudo decorrente desse é judiação.

      Nós não temos parâmetros para saber o que é não estar sob jugo judeu!

      Sexo lazer é judeu e esse é praticado desde muito, é o sexo que não seleciona o mais apto, mas acalenta o apaniguamento leniente da própria integridade!

      Na minha opinião, se formos nos nortear pelo saudosismo, teremos que ao mundo acabar!
      Nós nunca saimos das trevas!

      Grato pela atenção.

      Excluir
    2. Todo esse emaranhado de coisas, toda essa lógica, toda essas verdades ficam tão difusas que muitos, ao ler essas verdades, dirão que as pessoas conscientes estão fora da casinha.

      Excluir
    3. Vapera!
      Eles não apenas não mais escondem/disfarçam, mas se gabam de já produzirem 100% da pornografia mundial. Será isso a tal luz no fim do túnel?!...

      Excluir
    4. Se pegarmos o Antigo testamento, veremos coisas impressionantes que já faziam um seleto grupo de judeus, em nome de um suposto deus contra povos vizinhos.

      Excluir
  3. Infelizmente poucos têm um espírito aguçado para ler o texto com o título "O caminho das trevas", muito bem escrito. Pessoas que se dizem intelectuais, bem informados dão demonstrações que contradizem tais afirmações. Lamentável. Tenho observado quais leituras fazem uma grande maioria de leitores bem como quais vídeos acessam no youtube. Simplesmente lamentável o resultado dessa observação.

    ResponderExcluir
  4. Milhões de zumbis sem identidade que serão exterminados em sua maioria quando os "eleitos" decidirem, através de uma terceira guerra mundial.

    ResponderExcluir
  5. O único fator que nos favorece de fato,é a tecnologia alcançada nos mais diversos campos e é só.O resto tudo piorou,certamente.

    ResponderExcluir
  6. E é de sublinhar um facto, apesar de milhões de alemães terem sido sacrificados, e igualmente muitos outros europeus, que alinharam lado a lado com as armadas alemãs, para derrotar o bolchevismo, e apesar da destruição quase completa de um país, mesmo assim devemos ter muita consideração, pois não fora eles terem lutado até à morte, a Europa seria provavelmente toda bolchevique. A Alemanha serviu como uma espécie de travão às ideias imperialistas dos bolcheviques.

    ResponderExcluir
  7. Bem lembrado sobre este fato histórico. Valeu.

    ResponderExcluir
  8. A que ponto chegamos...
    Precisamos sempre levar conosco os nossos valores éticos e sempre ter o exemplo a partir de nós mesmos. Onde há um pouco de luz, não há escuridão.
    Acreditem, tenho 16 anos e acredito na busca pela verdade. Espero sempre tomar o exemplo do amigo Toedter na desmistificação de assuntos tão polêmicos para a maioria influenciada por uma mídia totalmente alinhada com o sistema globalizado. O conhecimento é uma questão de honra e dignidade.

    ResponderExcluir
  9. Parabéns José H. Kleina. Você é mais uma daquelas pessoas que fazem a diferença no mundo aqui e agora. O Senhor Toedter é realmente uma pessoa de grande valor humano e intelectual. Tenho lido os assuntos postados por ele e realmente são excelentes.

    ResponderExcluir
  10. Quando garoto, quando andava dentro de um supermercado, tinha a sensação de que era só uma questão de tempo para o povo ter acesso àquelas prateleiras... Questão de tempo para a vida melhorar... Depois, a aurora da Informática trouxe a promessa de que os avanços tecnológicos deixariam mais tempo livre para o trabalhador curtir a vida...
    Hoje fico perplexo com a pouca variedade e qualidade que é oferecida nos supermercados... Carrinhos cheios são coisa do passado... E nunca se trabalhou tanto por tão pouco.

    ResponderExcluir

Escreva aqui o SEU pensamento sobre o assunto. É dispensável repetir o que já é de domínio público. A indicação de links deve ser acompanhada de breve descrição do conteúdo. Mensagens anônimas não são bem-vindas, agressões e baixarias não serão publicadas.