26 de novembro de 2015

OBAMA SABIA?

Tenho sido perguntado o que acho do PUTIN. Em que pese a simpatia que este dirigente supremo da Rússia vem angariando mundo afora, eu diria que nenhum líder político é previsível. Putin está surpreendendo com a resistência às provocações que vem recebendo. Os NEOCONS americanos estão cada vez mais impacientes com a guerra que não desata.

Nem mesmo o avião de combate russo, que acaba de ser abatido pela força aérea da TURQUIA, fez com que Putin perdesse a temperança. Agora simplesmente mandou seu Ministro do Exterior Lawrow perguntar ao seu colega americano, John Kerry, se eles sabiam do projetado ataque turco a sua aeronave. Alega ter sido a derrubada da máquina russa uma séria violação do acordo assinado entre Estados Unidos e Rússia sobre a segurança aérea em suas ações sobre a Síria contra o Estado Islâmico.

O acordo reza que cada lado cuidaria que os aliados não entrariam em conflito com outros participantes dos combates. Lawrow ressaltou que os Estados Unidos sempre fazem questão de serem informados sobre as ações em curso e por isso deveriam estar sabendo do ataque planejado pela força aérea turca. Outros companheiros da coalizão informaram que, sempre que acionarem em combate aviões de fabricação americana, devem obter antes a aprovação estadunidense. Neste caso o avião russo Su24 foi abatido pela força aérea turca, usando um avião americano F16.

A situação de Obama parece não ser das melhores. Já deu sinais de estar cansado do problema sírio. Uma resposta à indagação feita por Putin poderia mostrar que na verdade os tais Neoconservadores estão assumindo o comando sobre as forças armadas. Poderia provar também que os Estados Unidos não estão sinceramente empenhados na luta contra o TERROR, como dizem. Seriam eles, assim como a Turquia e talvez a própria OTAN, na realidade, acumpliciados aos terroristas islâmicos. É esperar para ver.

O presidente da Turquia Recep Erdogan tem planos próprios para se aproveitar da conflagração e que esta lhe traga a destruição do atual Estado Sírio. Existe ali um conflito de interesses provocado por recentes descobertas de gás no Mediterrâneo Oriental, que aliadas às fontes do Iraque, poderão provocar profundas alterações no esquema atual de rotas de transporte e distribuição do produto.

Falando em OTAN, são significativas as medidas de exceção que Hollande está colocando em prática na França, justificando-as com o atentado do Bataclan. Ele acaba de comunicar ao Conselho Europeu que suspendeu parcialmente a CONVENÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS. Isto depois de ter prorrogado o Regime de Exceção por 3 meses. É de lembrar Benjamin Franklin que em 1775 já disse: “They who can give up essential liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety” (Aqueles que podem prescindir de liberdade essencial para obter um pouco de segurança temporária, não merecem nem liberdade nem segurança).
Toedter

20 de novembro de 2015

ISIS - A VERDADE

Como complemento da postagem anterior mostro este vídeo que de maneira simples e objetiva é capaz de ilustrar o que realmente está acontecendo. Mostra que os dirigentes de um país, que de forma geral é tido como o primeiro do Primeiro Mundo, é admirado, visitado e tido como exemplo, que estes próceres ou estão “metendo os pés pelas mãos”, ou são totalmente incapazes de exercer qualquer mandato, ou estão de fato empenhados em realizar um projeto satânico. Vejam e julguem (convém ampliar a imagem para acompanhar as legendas em português):

video


Enquanto isto novos atentados acontecem e se torna difícil imaginar o que possa acontecer amanhã.
Toedter



17 de novembro de 2015

BATACLAN - A QUEM APROVEITA

Hoje ao meio dia a Europa Central fez mais UM MINUTO DE SILÊNCIO. Todos ficaram chocados com o que aconteceu na noite da última sexta-feira, dia 13, em Paris. Compreensível a comoção dos que acompanharam os noticiários, as vigílias em praça pública, as velas, as flores, as manifestações de luto. Porém, por mais triste que seja o motivo, o acontecido e essa sequência de promoções ao seu entorno não deixa de suscitar perguntas. Entre elas as principais: POR QUÊ e CUI BONO?

Chamam os agentes do atentado de TERRORISTAS, um abstracionismo criado por Mr. Bush e Cia naquele fatídico Onzedesetembro, que eles próprios encenaram e desde então lhes deu motivo para fazer correr enxurradas de sangue. Serviu-lhes para desencadear a tal GUERRA AO TERRORISMO. Também produziu aquela celebre frase “Quem não é nosso amigo é nosso inimigo!”, pouco própria vinda de um chefe de Estado. E foram arrumando inimigos, novos, pois nunca deixaram de os ter. Amigos também não lhes faltaram, a OTAN por exemplo. Assim passaram a combater os TERRORISTAS. Começaram pelo Afeganistão, Iraque, passearam pela Primavera Árabe e estavam empenhados em destronar mais um que consideravam um terrorista mór, o Bashar al-Assad.

Nunca consegui entender essa insistência e disposição em derrubar este homem a pretexto de que seria um ditador sanguinolento. Na verdade, o que se observava é que o seu país estava em paz, com grupos populacionais, pertencentes a religiões diversas, convivendo lado a lado e sem problemas. Mas o fato é que incomodava os antiterroristas.

Como já haviam feito com o Gadafi na Líbia, organizaram e armaram uma milícia (al Nusra) e desencadearam uma GUERRA CIVIL no país, que há cinco anos vem provocando destruição e mortes sem fim. Assad resiste.

Neste período surge na área nova força com enorme poder destrutivo: o I.S.I.S.- Islamic State of Iraq and Syria, mais tarde condensado para EI – Estado Islâmico. Uma organização que se perfila como cruel e assustadora ao extremo e reinvindica a posse de toda a região do Iraque e Síria. Pretende atrair extremistas de todo o mundo. Há quem diga (Edward Snowden) que sua criação teve o patrocínio de Israel, Estados Unidos e Inglaterra e que seu chefe supremo Abu Bakr Al Baghdadi teve treinamento militar, cursos de teologia e retórica durante um ano com o Mossad.

Seja como for, o ingresso do EI na luta contra Assad ameaçou seriamente a subsistência da Síria, evolução esta com a qual a Rússia de forma alguma se dispôs a concordar. Sua força aérea passou a dar apoio a Assad e este começou a dominar a situação.

É AÍ QUE CHEGAMOS À SEXTA-FEIRA, 13 DE NOVEMBRO. O que então aconteceu deu margem a que Hollande, o chefe de estado francês:
1º – que instituísse o REGIME DE EXCEÇÃO no país, o que dá ao seu governo poderes especiais (poderes que ele pretende transformar em permanentes através de reforma da constituição);
2º – que interferisse na guerra da Síria com sua força militar;
3º – que, com base no artigo 42.7 do Tratado de Lisboa - que trata da "defesa coletiva" dos 28 países-membros - usasse pela primeira vez na história o direito que a aliança lhe confere e pedisse ajuda ao bloco econômico da UE para reforçar as medidas de segurança.

Será que tudo isto não significa uma ESCALAÇÃO do conflito no Oriente Médio como possíveis consequências perigosíssimas?

Com isto parece termos chegado mais perto da resposta à pergunta inicial. Há quem pretenda tirar proveito do que aconteceu em Paris naquela noite.

Deixo como pequeno presente aos meus leitores um interessante joguinho que serve para reavivar o que aprendêramos de geografia e ajuda a nos inserir na área em evidência.

Toedter

13 de novembro de 2015

TTIP e a LIBERDADE

Em 1886, tendo como pretexto uma homenagem à independência americana, que ocorrera cem anos antes, a França, que acabara de ganhar um bom dinheiro também com a guerra da secessão dos americanos, doou-lhes a ESTÁTUA DA LIBERDADE. Foi chamada de LIBERDADE ILUMINANDO O MUNDO e reconhecida como símbolo universal de paz e democracia. Aí alguém se enganou, deveria ser INCENDIANDO O MUNDO.


Pois os Yankees gostaram da coisa e logo arrumaram uma guerra contra a Espanha, seguida da primeira guerra mundial e não pararam mais. O fato é que se acham “eleitos” - ou foram escolhidos - para serem os donos do mundo. E não é só através das guerras que conquistam espaço. Lançam mão também de outros expedientes.

Após a II Guerra Mundial os EEUU já representavam metade da economia mundial. Podiam ditar as regras do comércio internacional, sempre em seu benefício. Neste sentido criaram a OMC – Organização Mundial do Comércio. Não lhes bastou. Estão criando agora, em total sigilo, o maior acordo internacional que o mundo já viu e de forma mais insolente e despudorada.

Eles o chamam de OS TRÊS GRANDES Ts a saber: TPP TRANS-PACÍFIC PARTNERSHIP, um acordo que os une com países ao redor do Pacífico; o TTIP TRANSATLANTIC TRADE AND INVESTMENT PARTNERSHIP, através do qual pretendem condicionar a União Europeia; O TSA TRADE AND SERVICES AGREEMENT (Acordo de Comércio e Serviços). Negociações que envolvem sensivelmente o bem-estar das respectivas populações. É surpreendente que todos esses acordos não incluem Brasil, Rússia, Índia, China, nem África do Sul.

São acordos que fazem parte de uma guerra, uma guerra geopolítica. Uma guerra de conquista. As nações pactuantes terão que se submeter aos interesses das grandes corporações multinacionais. Um “detalhe” do TTIP é o ISDS INVESTORS STATE DISPUTE SETTELMENT. Prevê um tribunal internacional secreto que permita a empresas (!) processar estados(!) por qualquer fato ou lei que possam alegar estar prejudicando seus lucros e investimentos. É um novo poder que seria entregue às corporações americanas para processar governos europeus através de um sistema judicial paralelo. Um privilégio ao qual nem povo, nem empresas domésticas, nem governos teriam acesso.

Soberania e democracia dos países membros definitivamente colocadas em risco. Hoje 70% dos alimentos processados americanos vendidos em supermercados contém ingredientes geneticamente modificados enquanto, até agora, a EU vem se defendendo dos transgênicos. Nos EEUU 90% da carne é produzida com uso de hormônios, muitos dos quais, já se sabe, têm efeito cancerígeno em humanos e são proibidos na Europa.

As más intenções dessa projetada PARCERIA ficam evidentes diante do absoluto e severo segredo com o qual tudo, reuniões, textos, anteprojetos, é cercado e mantido longe da análise pública. Se tem vazado alguma coisa é principalmente através do Wikileaks. Nem os parlamentares europeus têm acesso livre às propostas. Se querem ver o texto, são obrigados a ligar para a embaixada americana, a fim de agendar uma visita. Esta só pode ocorrer em dois dias da semana e é limitada a duas horas e a dois por vez. Na embaixada são obrigados a entregar todos os aparelhos eletrônicos para que não possam fazer cópias. Após assegurarem sigilo são levados a uma sala de leitura segura, onde dois guardas supervisionam tudo o que fazem.

O acordo TPP já foi assinado por onze estados a beira do Oceano Pacífico e só falta ser ratificado pelos respectivos parlamentos. O TTIP está sofrendo forte resistência por parte da população europeia. Ainda esta semana a iniciativa cidadã “Stop TTIP” deve ter feito chegar ao Parlamento Europeu em Bruxelas um protesto com mais de três milhões de assinaturas.

Como se pode ver tudo caminha a passos cada vez mais acelerados no sentido da instalação de um GOVERNO GLOBAL, conquistado através dos meios mais diversos seja a FOGO, pela ASTÚCIA, seja pela MENTIRA.

Aqui cabe lembrar que esses mesmos, que hoje se revelam candidatos ao DOMÍNIO UNIVERSAL, a mais de 75 anos atrás espalharam a mentira da ambição germânica ao mesmo objetivo. O tal Roosevelt chegou a mandar falsificar um plano de invasão do Brasil pelas tropas de Hitler. Mobilizaram 53 nações e as fizeram participar de uma guerra sem trégua ao pequeno país. E agora, agora que a VERDADE não mais pode ser ignorada, quem se volta contra a desumana pretensão satânica?

Toedter

3 de novembro de 2015

METROJET e a BALA PERDIDA?


Mais um avião cheio de passageiros (242) sofre acidente em circunstâncias misteriosas. O número inclui também os tripulantes, mas na hora em que o piloto perde o controle todos viram passageiros. E por falar em “piloto”, já estamos no quarto dia e até agora ninguém descobriu se o piloto foi ao banheiro e o copiloto assumiu o papel principal da jornada suicidando todo mundo. Desculpem o sarcasmo.

Mas não é mesmo revoltante sempre ter novas provas de como estamos na mão de um serviço global de comunicação teleguiado? Note-se que até o momento ninguém traçou um paralelo entre este METROJET russo e o GERMANWINGS alemão. Este último aconteceu há poucos meses, no dia 24 de março deste ano. Deixou muitas dúvidas, principalmente devido ao açodamento com que se determinou e divulgou a causa do sinistro. O New York Times na edição do dia seguinte já informou seu público que o responsável fora o copiloto. A pressa demonstrada por si só denuncia a má intenção. Quem se interessar pode rever maiores detalhes no que escrevi aqui em 29 de maio deste ano sob o título JORNALISMO INVESTIGATIVO.

Fato é que cá e lá podem ser observadas coincidências que chamam a atenção. Ambas as aeronaves não vieram ao chão na vertical, feito pato abatido. No caso do GERMANWINGS noticiava-se que passara a voo descendente de 8 metros por segundo. O METROJET teria descido a 30 metros por segundo. O primeiro encontrou montanhas pela frente e se desintegrou. O segundo baixou numa planície, foi soltando pedaços, mas até as asas ficaram inteiras, aparentemente consumidas pelo fogo. Veja a foto:

Nestes nossos dias temos que buscar notícias na internet. Foi no site >WhatDoesItMean.com< que, também no dia seguinte à queda do GERMANWINGS, Sorcha Faal revelou as manobras aéreas da OTAN que aconteciam na região. Eram comandadas pelo 510° Esquadrão de Combate da USAirForce, que, por sinal, era sediado ali perto na base aérea Aviano na Itália. As manobras incluiriam a simulação de um ataque nuclear. 

Peço que repare na foto acima a trajetória feita pelo METROJET. Parece que inicialmente evita a zona montanhosa e segue a linha costeira. Depois vai em direção ao seu curso definitivo (linha pontilhada vermelha), voando a menos de 50 km da fronteira com Israel. Ali marquei com um ponto vermelho a cidade de Elial, próximo à qual fica a base aérea de Ovda, que, de 18.10 até hoje 3.11.2015, sediou as manobras conjuntas das forças aéreas de Israel, Estados Unidos, Grécia e Polônia (confirme em >theavionist.com<). Quando o METROJET acaba de pegar o curso de 353º alguma “força externa”, como disse o presidente da empresa, provoca a sua queda.

Quem puder deve ficar longe das áreas de tiroteio.
Toedter