6 de agosto de 2015

TERRA DE TCHONGAS

Um alienado não pensa, não tem opinião. Opinião é coisa séria. Uma rápida pesquisa nos conta dos múltiplos significados desta palavra “opinião”: Conceito, ponto de vista, avaliação, convicção, ideia, parecer, voto, juízo, julgamento de valor, pensamento.

Sempre digo que uma discussão, mesmo com a mais convincente argumentação, não muda a OPINIÃO de quem quer que seja. Isto não quer dizer que não se possa mudar de opinião, mas então é fruto de pensamento, de juntar uma informação à outra, fruto de um processo mental, que nós, seres humanos, animais desenvolvidos, nos orgulhamos de ter a capacidade de poder praticar.

QUEREM CRIAR UM MUNDO DE ALIENADOS

A notícia vem da Europa. E antes de abordá-la quero fazer um parêntese. Recentemente um visitante deste blog reclamou de que aqui só eram tratados assuntos europeus, especialmente da Alemanha. Disse ele que estamos no Brasil e que aqui o assunto tem que ser brasileiro. Obviamente era um “patrulheiro”, a quem não agrada o que venho expondo. Mas, realmente, quando comecei a escrever, quase vinte anos atrás, preocupava-me mais em contestar as difamações que eram espalhadas pelo mundo sobre o povo de um país onde eu vivera pessoalmente, exatamente naquele período crítico. No decorrer do tempo os próprios temas tratados foram conduzindo a uma área mais ampla. No século passado ainda levava 50 anos para que uma moda, um desenvolvimento técnico ou um costume, criados no Hemisfério Norte, chegassem ao Brasil. Hoje a transferência é bem mais rápida.

Assim a notícia anunciada também nos interessa e as más intenções de um tal ECTR- European Council on Tolerance and Reconciliation talvez não demorarão a aparecer aqui nas nossas plagas.

ECTR é uma ONG fundada em Paris em 2008 com o objetivo de velar pela TOLERÂNCIA na Europa. É não-governamental, mas está cheia de figurões da política europeia. Seu atual presidente, Aleksander Kwasniewski, presidiu a Polônia até 2013 e seu vice, Wjatscheslaw Mosche Kantor, preside o Congresso Judaico Europeu. Eles estão com o firme propósito de limitar as liberdades fundamentais dos cidadãos europeus. O portal na internet do Parlamento Europeu exibe atualmente um documento produzido pelo ECTR cobrando “medidas concretas” para eliminar preconceito de cor, discriminação étnica, intolerância religiosa, ideologias, xenofobia, homofobia e antifeminismo. Para tanto devem ser restringidas as liberdades de opinião, as liberdades artísticas, da imprensa, bem como as científicas. Uma “tolerância obrigatória” será imposta e fiscalizada por uma superautoridade. Será que perceberam o contraditório nesta expressão. Segundo entendimento léxico, TOLERÂNCIA quer dizer:

Direito que se reconhece aos outros de terem opiniões diferentes ou opostas às nossas.

Mahatma Gandhi: “Tolerância mútua é uma necessidade em todos os tempos e para todas as raças. Mas tolerância não significa aceitar o que se tolera.”

Sob a égide da TOLERÂNCIA estão acabando com ela. Agora querem nos privar do LIVRE ARBÍTRIO. À pessoa que não pensa é mais fácil impor ordens e regras. O dominador do futuro vai precisar de subordinados dóceis e obedientes. Este projeto, que está sob análise no parlamento europeu, faz parte de todas estas medidas e leis absurdas que vêm sendo impostas à humanidade. Tchongas e songa-mongas gostam do cabresto.
Toedter


4 comentários:

  1. "Uma ideia se combate com outra ideia melhor."
    (Adolf Hitler)

    Na falta ou impossibilidade dessa "ideia melhor" .... dá-lhe "tolerância". E que se multipliquem os alienados mediante leis de proteção, de estímulo e pela glamourização da estupidificação geral.

    Cobalto

    ResponderExcluir
  2. Depois ainda aparecem patrulheiros colocando críticas de conotação negativa neste blog...

    Uma dos fundamentos deste blog é fornecer informações que a mídia uniformizada não dispõe ao público, e este artigo traz um tema que acho difícil não só aparecer na mídia uniformizada como ainda mais difícil seria oferecer tal leitura sobre o assunto deste artigo!

    Excelente artigo! Claro, simples, direto e didático! Cumpre a função que propõe perfeitamente!

    ResponderExcluir
  3. Com a livre informaçao disponível na internet, a lavagem cerebral feita nas escolas nao é o suficiente para controlar o rebanho.

    Eder

    ResponderExcluir
  4. “Tolerância mútua é uma necessidade em todos os tempos e para todas as raças. Mas tolerância não significa aceitar o que se tolera.”

    Exatamente. Essa frase define muito bem a atitude daqueles de nós mais atentos à agenda desse mundo "moderno".

    Por questões de conhecimento sobre o passado e do histórico de degenerescência das civilizações até a atualidade, adquirimos, nós, referências para não aceitar o conteúdo semântico de "bom", "melhor", "avançado" e outras coisas do gênero embutido no termo "Moderno". Pelo contrário, rejeitamos a lata de lixo de valores da Modernidade por sua artificialidade e clara intenção de quebrar o homem, suas relações e coletividades.

    Embora esteja clara a agenda da degenerescência em curso, a maioria a aceita e bate palmas para os resultados com a justificativa da "tolerância". "O mundo mudou", dizem, enquanto riem das afirmações sobre a agenda em curso. Se lhes mostra um artigo sobre Estrogenização, não acreditam, embora até mesmo profissionais da área da saúde já levem o assunto a sério. Talvez deveríamos mostra-lhes as notícias de pais presos por não deixarem os filhos pequenos assistirem a "Alas de Gênero".
    A coletividade está com o senso de opinião tão embotado, que nem ao menos acha graça quando depois do corolário de notícia sobre miséria do nosso povo, passa uma outra sobre imigrantes haitianos que "vieram para o sul do Brasil para fugir da miséria".

    No mais temos a cessão de espaços públicos para o culto de certas "opções" sexuais; meninas se beijando na roleta da estação de trem, e até mesmo diretores de escola cujas preferências sexuais não convencionais não são segredo.

    De embrulhar o estômago.

    Toleramos, é verdade. O que não é sinônimo de "aceitar".



    ResponderExcluir

Escreva aqui o SEU pensamento sobre o assunto. É dispensável repetir o que já é de domínio público. A indicação de links deve ser acompanhada de breve descrição do conteúdo. Mensagens anônimas não são bem-vindas, agressões e baixarias não serão publicadas.